Raikkonen supera dores e 10 carros para chegar em terceiro

Finlandês diz que problema nas costas, que quase o tirou de GP, ficou sob controle e celebra ultrapassagens

Raikkonen supera dores e 10 carros para chegar em terceiro
Carregar reprodutor de áudio

Com fortes dores nas costas, reflexo de uma lesão mal curada em acidente ainda em 2001 e que, volta e meia, costuma assombrá-lo, Kimi Raikkonen chegou a ser dúvida para o GP de Cingapura. O piloto da Lotus sofreu na classificação e foi apenas o 13º no grid, mas se recuperou de forma espetacular na corrida, chegando ao pódio, em terceiro.

“Durante a corrida não atrapalhou muito, mas depois que eu saí do carro está incomodando mais. Porém, isso não deve ser um problema, pois temos duas semanas para recuperar. Acho que o terceiro lugar foi o máximo que podíamos almejar hoje.”

Mas será que, largando mais à frente, seria possível lutar com Vettel? "Não, a Red Bull estava muito rápida, tanto na corrida, quanto na classificação. Não acho que ninguém tinha chance com Sebastian hoje."

Raikkonen antecipou a primeira parada e chegou à zona de pontuação antes do Safety Car, quando decidiu fazer sua segunda e última troca de pneus. Assim, fez praticamente metade da prova com um jogo de supermacios para chegar em terceiro.

“Era veloz e conseguia ultrapassar as pessoas, isso ajudou a ganhar tantas posições. Foi assim com Button: tinha que passá-lo porque os outros estavam chegando com pneus mais novos e eu tinha de abrir uma vantagem rápido. Deu certo porque, nas três últimas voltas, o pneu traseiro tinha acabado, mas tinha uma certa diferença para os demais.”

Perguntado sobre a ultrapassagem, por fora e triscando o muro, Raikkonen deu de ombros. “Parece mais complicada do que é. Você sabe melhor o ponto de frenagem quando está do lado de fora”, explicou o finlandês, que mesmo com o pódio manteve-se em quarto lugar no campeonato. Porém, agora está a apenas dois pontos de Lewis Hamilton.

Seu companheiro, Romain Grosjean, estava no grupo que tinha parado junto do safety car e caminhava para um pódio quando teve um problema de pressão de ar no motor e abandonou.

“A corrida estava indo muito bem e acho que um segundo ou terceiro lugar era uma meta realista. Tínhamos feito uma boa estratégia e parar junto do safety car e deveríamos ter terminado bem, mas infelizmente meu motor tinha outras ideias.”

compartilhar
comentários
Vettel domina prova com final emocionante em Cingapura
Artigo anterior

Vettel domina prova com final emocionante em Cingapura

Próximo artigo

“Tivemos de inventar algo porque faltava ritmo”, admite Alonso

“Tivemos de inventar algo porque faltava ritmo”, admite Alonso