Das glórias com Senna e Piquet a 'motor de GP2' e futuro promissor: a história da Honda na F1

A Honda, que foi do céu ao inferno na Fórmula 1, venceu pela primeira vez desde que voltou à categoria e parece ter encontrado o caminho para a glória

Das glórias com Senna e Piquet a 'motor de GP2' e futuro promissor: a história da Honda na F1
Carregar reprodutor de áudio

A vitória de Max Verstappen no GP da Áustria no último domingo significou uma redenção para a Honda, fabricante de passado vitorioso na Fórmula 1, e que passava um período de seca que já durava quase 13 anos sem triunfos.

Leia também:

Após grande sucesso das parcerias com Williams e McLaren entre os anos 80 e 90, a Honda se retirou da Fórmula 1, retornando na década seguinte, primeiro apenas como fornecedora de motores e depois com equipe própria tendo Rubens Barrichello como um dos pilotos no volante.

Sem resultados expressivos e com uma única vitória conquistada em 2006, a Honda vendeu sua fábrica para Ross Brawn no fim de 2008. Em 2009, a Brawn GP venceu o campeonato e foi adquirida pela Mercedes.

Em 2015, a Honda voltou à F1 como fornecedora de motores da McLaren, gerando expectativas de que repetissem o passado vitorioso da parceria que dominou a categoria no passado. No entanto, a união foi mal sucedida e a Honda chegou a ser motivo de chacota. O espanhol Fernando Alonso chegou a dizer no GP do Japão de 2015 que o propulsor japonês era um "motor de GP2".

A McLaren abandonou a parceria em 2018 e a Honda passou a fornecer seu equipamento para a Toro Rosso, equipe satélite da Red Bull. Feliz com os resultados, a marca austríaca decidiu levar os motores japoneses para o time principal em 2019.

Logo na primeira prova do ano, na Austrália, a Red Bull Honda conseguiu chegar ao pódio, com o terceiro lugar de Verstappen, algo que a Honda não conseguia desde o GP da Inglaterra de 2008. A vitória na Áustria mostra que a fabricante pode estar no caminho para reencontrar seus dias de glória. 

Veja galeria com o histórico da Honda na Fórmula 1:

1964 A estréia da Honda na F1
1964 A estréia da Honda na F1
1/51
Ronnie Bucknum foi o responsável por guiar o RA271 em três grandes prêmios naquele ano. O melhor resultado foi um 13º lugar na Alemanha.

Foto de: David Phipps

1965 - O primeiro Triunfo
1965 - O primeiro Triunfo
2/51
O recém chegado Richie Ginther foi bem sucedido e conquistou a primeira vitória da Honda na Fórmula 1, no GP do México

Foto de: LAT Images

1966 - resultados pouco expressivos
1966 - resultados pouco expressivos
3/51
Os americanos Richie Ginther e Ronnie Bucknum continuaram guiando pela marca.

Foto de: LAT Images

1967 - Segunda vitória
1967 - Segunda vitória
4/51
O campeão mundial de 1964, John Surtees, chegou à Honda e venceu o GP da África do Sul, última conquista da primeira passagem dos japoneses pela F1.

Foto de: David Phipps

1968 - Bons resultados antes da saída
1968 - Bons resultados antes da saída
5/51
Surtees conseguiu mais dois pódios para a Honda em 1968, na França e nos Estados Unidos.

Foto de: LAT Images

Jo Schlesser, Honda RA301
Jo Schlesser, Honda RA301
6/51
Na França, Jo Schlesser sofreu um acidente fatal. A morte do piloto pesou na decisão da fabricante para sair da F1 no final daquele ano.

Foto de: LAT Images

1983 - O retorno
1983 - O retorno
7/51
A Honda voltou à F1 em 1983, fornecendo motores para a equipe Spirit. Na foto, vemos Stefan Johansson guiando a Spirit Honda. Parceria durou apenas 6 corridas.

Foto de: Sutton Motorsport Images

1983 - Parceria com a Williams
1983 - Parceria com a Williams
8/51
Os motores Honda da Spirit chamaram a atenção da Williams de Keke Rosberg, que experimentou os propulsores no GP da África do Sul.

Foto de: LAT Images

1984 - O início de uma era
1984 - O início de uma era
9/51
A primeira vitória da Williams Honda aconteceu no GP de Dallas. Keke Rosberg venceu a prova e deu início a um período de conquistas que durou quase uma década.

Foto de: Williams F1

1984 - O início de uma era
1984 - O início de uma era
10/51
A primeira vitória da Williams Honda aconteceu no GP de Dallas. Keke Rosberg venceu a prova e deu início a um período de conquistas que durou quase uma década.

Foto de: Williams F1

1985 - A chegada de Mansell
1985 -  A chegada de Mansell
11/51
Na segunda temporada completa com motores Honda, a Williams venceu quatro provas, duas com Rosberg e duas com Nigel Mansell.

Foto de: LAT Images

1986 - O título de Construtores
1986 - O título de Construtores
12/51
O então bicampeão mundial, Nelson Piquet, substituiu Rosberg que foi para a McLaren. Com 4 vitórias do brasileiro e 5 de Mansell, a Williams Honda conquistou seu primeiro mundial.

Foto de: LAT Images

1987 - O Tri de Nelson Piquet
1987 - O Tri de Nelson Piquet
13/51
Piquet foi campeão em 87 e Williams Honda foi bicampeã de construtores. O brasileiro se tornava tricampeão da F1, após vencer outros dois campeonatos com a Brabham.

Foto de: LAT Images

1987 - Título e discórdia
1987 - Título e discórdia
14/51
Contudo, a relação de Piquet, Williams e Honda não foi das melhores, com o brasileiro acusando a equipe de favorecer Mansell e a Honda querendo se distanciar das polêmicas.

Foto de: Sutton Motorsport Images

1987 - Lotus, Honda e Senna
1987 - Lotus, Honda e Senna
15/51
Naquele ano três forças unidas se destacaram na última grande temporada da Lotus na F1. Com a Honda e Ayrton Senna, a Lotus venceu nas ruas de Mônaco e Detroit.

Foto de: LAT Images

1988 - Piquet e Senna trocam de volante
1988 - Piquet e Senna trocam de volante
16/51
Com o fim do contrato com a Williams, Piquet ocupou o assento deixado por Senna na Lotus, apostando no sucesso. No entanto a equipe nunca mais construiu um equipamento capaz de vencer.

Foto de: LAT Images

1988 - Terceiro título da Honda
1988 - Terceiro título da Honda
17/51
Enquanto isso, A McLaren Honda começava aquele que seria o ano mais dominante da história da F1 até aquele momento. Senna e Prost venceram 15 das 16 corridas do ano e o brasileiro se tornou campeão.

Foto de: Sutton Motorsport Images

1989 - Japoneses vencer a quarta seguida
1989 - Japoneses vencer a quarta seguida
18/51
No ano do tetra da Honda, Senna e Prost protagonizaram uma rivalidade histórica, com o francês levando a melhor no fim do ano. De 89 à 92, a Honda equipou apenas os carros da McLaren.

Foto de: LAT Images

1990 - Pentacampeonato da Honda
1990 - Pentacampeonato da Honda
19/51
Após a saída de Prost, a McLaren trouxe Gerhard Berger para ser companheiro de Senna. O brasileiro sagrou-se bicampeão da F1 após mais uma disputa com o rival francês.

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

1991 - Hexa da Honda e tri de Senna
1991 - Hexa da Honda e tri de Senna
20/51
Aquele foi o ano dos últimos títulos da fabricante japonesa e do piloto brasileiro.

Foto de: LAT Images

1992 - A Honda anuncia a saída da F1
1992 - A Honda anuncia a saída da F1
21/51
De saída, a Honda amargou sua primeira derrota em 6 anos, sendo batida pela Renault que fez parceria com a Renault. A última vitória da McLaren Honda foi conquistada por Berger na Austrália.

Foto de: LAT Images

2000 - Retorno ao lado da BAR
2000 - Retorno ao lado da BAR
22/51
Jacques Villeneuve se uniu a uma fabricantes de cigarros e à Honda para a formação de uma equipe que estreou como grande promessa na F1 mas que não alcançou grandes resultados.

Foto de: BAR

2001 - O primeiro Pódio da BAR Honda
2001 - O primeiro Pódio da BAR Honda
23/51
No GP da Espanha, Villeneuve conseguiu levar seu carro até o terceiro lugar e assim levar o carro ao pódio pela primeira vez.

Foto de: British American Racing

2001 - Honda equipa a Jordan
2001 - Honda equipa a Jordan
24/51
A Jordan teve relação estreita com os japoneses nos anos 90, quando chegou a vencer corridas com os motores Mugen-Honda, empresa do filho do criador da Honda. A nova parceria não rendeu.

Foto de: Jordan Grand Prix

2002 - Mais decepções
2002 - Mais decepções
25/51
No ano em que parecia que a BAR Honda iria engrenar, o time não conseguiu nenhum pódio sequer.

Foto de: British American Racing

2002 - Último ano com a Jordan
2002 - Último ano com a Jordan
26/51
A parceria se encerrou após um ano de abandonos causados por falhas nos motores da fabricante japonesa.

Foto de: Honda GP

2003 - Chegada de Button e mais decepções
2003 - Chegada de Button e mais decepções
27/51
A chegada do piloto que seria responsável pelos melhores resultados da equipe não foi suficiente para melhorar a campanha da BAR Honda.

Foto de: LAT Images

2004 - O ano dos pódios
2004 - O ano dos pódios
28/51
O grande destaque da temporada foi Jenson Button que subiu ao pódio em dez das 18 provas do ano. Button foi o terceiro colocado no mundial, atrás apenas dos pilotos da Ferrari.

Foto de: LAT Images

2004 - Pódio de Takuma Sato nos EUA
2004 - Pódio de Takuma Sato nos EUA
29/51
O protagonista pode ter sido Button, mas 2004 se tornou inesquecível para a Honda, pois foi o ano em que pela primeira e única vez, um piloto japonês subiu ao pódio com a Honda.

Foto de: LAT Images

2005 - Nova decepção
2005 - Nova decepção
30/51
Com o sucesso na temporada anterior, esperava-se que a BAR Honda pudesse enfim desafiar os times de ponta, o que não aconteceu. No fim do ano a BAR deixou de existir.

Foto de: XPB Images

2006 - Honda assume com grandes ambições
2006 - Honda assume com grandes ambições
31/51
A marca japonesa comprou a fábrica da BAR em Brakley e trouxe Rubens Barrichello da Ferrari para se somar a Button. O ano foi proveitoso para a equipe que fechou o ano em quartana tabela.

Foto de: XPB Images

2006 - Início com pole
2006 - Início com pole
32/51
O ano começou bem para a Honda, com a pole na Austrália e várias outras provas largando nas três primeiras filas.

Foto de: XPB Images

2006 - Vitória Histórica
2006 - Vitória Histórica
33/51
Apesar das boas classificações, a Honda só subiu ao pódio três vezes na temporada. O grande momento da marca, foi a vitória de Jenson Button na Hungria.

Foto de: Sutton Motorsport Images

2006 - Primeira e última
2006 - Primeira e última
34/51
A vitória na Hungria foi a primeira da Honda em 2006 e a última da marca como equipe. Ao todo, a Honda conquistou três vitórias com carro próprio: México 1964, África do Sul 1967 e Hungria 2006.

Foto de: Steve Etherington / Motorsport Images

2006 - Super Aguri Honda
2006 - Super Aguri Honda
35/51
Os planos ambiciosos da Honda ainda envolveram a estréia da Super Aguri, outra montadora japonesa que era equipada com motores da Honda e servia como uma parceira estratégica.

Foto de: XPB Images

2007 - O início do fim
2007 - O início do fim
36/51
Mais uma vez, a Honda apostava alto impulsionada por uma temporada anterior muito boa. No entanto, a equipe fez péssima temporada e acabou o ano com apenas 6 pontos.

Foto de: Gareth Bumstead

2007 - Super Aguri
2007 - Super Aguri
37/51
Se em 2006 a novata japonesa foi última no campeonato, a segunda temporada do time representou um avanço pois foi a penúltima do grid, com 4 pontos, dois a menos do que a Honda.

Foto de: LAT Images

2008 - Falência da Super Aguri liga sinal de alerta
2008 - Falência da Super Aguri liga sinal de alerta
38/51
A equipe chegou a fazer algumas provas, mas as dívidas se acumularam e a empresa fechou as portas no meio do ano.

Foto de: XPB Images

2008 - Honda também deixa F1
2008 - Honda também deixa F1
39/51
A última temporada da marca japonesa com equipe própria foi marcada por resultados modestos. A crise global pesou para saída da Honda, que praticamene abandonou a fábrica no fim do ano.

Foto de: XPB Images

2008 - Último pódio com carro próprio
2008 - Último pódio com carro próprio
40/51
Barrichello conquistou o último pódio do time em Silverstone. A Honda só voltaria ao pódio com Max Verstappen em 2019.

Foto de: XPB Images

2009 - O sucesso que não foi
2009 - O sucesso que não foi
41/51
A Honda abandonou a F1 de forma repentina. Para manter as operações, Ross Brawn, então diretor da equipe, comprou a fábrica e todos os equipamentos por valor simbólico e fundou a Brawn GP.

Foto de: XPB Images

2009 - O sucesso que não foi
2009 - O sucesso que não foi
42/51
Coma saída total da Honda, Ross Brawn precisou comprar motores Mercedes no 'fiado'. A parceria deu certo e a equipe foi campeã mundial. A Mercedes comprou a equipe no fim do ano.

Foto de: XPB Images

2015 - O terceiro retorno
2015 - O terceiro retorno
43/51
A Honda voltou pela terceira vez para a categoria, dessa vez refazendo parceria com a McLaren de Fernando Alonso. No entanto, o motor híbrido japonês não foi bem sucedido.

Foto de: Alastair Staley / Motorsport Images

2016 - Os fracassos se acumulam
2016 - Os fracassos se acumulam
44/51
Nem com os quintos lugares de Alonso em Mônaco e nos Estados Unidos a McLaren Honda conseguiu se levantar. Falta de potência e de confiabilidade foram os grandes problemas

Foto de: McLaren

2017 - Fim do amor
2017 - Fim do amor
45/51
Com mais problemas nos motores Honda, a McLaren e Fernando Alonso perderam a paciência e o contrato foi rompido no final da temporada.

Foto de: LAT Images

2018 - Novos ares, resultados promissores
2018 - Novos ares, resultados promissores
46/51
A Toro Rosso assumiu o desafio de servir como campo de testes da Honda e a nova parceria rendeu frutos. Pierre Gasly foi quarto no Bahrein e apesar de não somar muitos pontos, a união funcionou.

Foto de: Andrew Hone / Motorsport Images

2019 - O laboratório
2019 - O laboratório
47/51
Em 2019 a Honda passou a equipar a equipe principal da Red Bull e a Toro Rosso passou a ser constantemente utilizada como espaço para testar as melhorias dos japoneses.

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

2019 - A redenção
2019 - A redenção
48/51
A Red Bull Honda conseguiu três pódios até o momento nesta temporada. O grande momento, foi a vitória de Verstappen no GP da Áustria

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

2019 - Lavando a alma com champagne.
2019 - Lavando a alma com champagne.
49/51
A Red Bull fez questão de enviar Toyoharu Tanabe ao pódio para estourar a champagne junto de Verstappen. Enfim os japoneses voltaram ao seu lugar na F1. O desafio agora é manter a forma.

Foto de: Joe Portlock / Motorsport Images

A Red Bull Honda demonstrou que a vitória na Áustria não foi um caso isolado e voltou a vencer na Alemanha. O resultado foi ainda mais especial por Daniil Kvyat ter levado a Toro Rosso Honda ao pódio na terceira posição.
A Red Bull Honda demonstrou que a vitória na Áustria não foi um caso isolado e voltou a vencer na Alemanha. O resultado foi ainda mais especial por Daniil Kvyat ter levado a Toro Rosso Honda ao pódio na terceira posição.
50/51

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Honda Racing
Honda Racing
51/51
Os números da marca japonese na F1: 74 vitórias, 177 pódios, 77 poles, 62 voltas mais rápidas e 6 títulos mundiais de construtores, sendo 2 com a Williams e 4 com a McLaren.

Foto de: XPB Images

 

 

compartilhar
comentários
ANÁLISE: Verstappen dá emoção à monótona Fórmula 1 da atualidade
Artigo anterior

ANÁLISE: Verstappen dá emoção à monótona Fórmula 1 da atualidade

Próximo artigo

GALERIA: Como era o mundo quando a Honda venceu pela última vez na F1

GALERIA: Como era o mundo quando a Honda venceu pela última vez na F1