Ricciardo espera que F1 siga com manifestações antirracismo em 2021

Australiano defendeu que não há motivos para acabar com o ato simbólico realizado antes dos GPs

Ricciardo espera que F1 siga com manifestações antirracismo em 2021

A temporada 2020 da Fórmula 1 foi marcada por diversos acontecimentos. Entre eles, uma virada da categoria pela defesa de diversas causas sociais como a sustentabilidade, a diversidade e a igualdade racial, este último representado pelas manifestações antirracismo que aconteciam antes de cada GP, algo que Daniel Ricciardo espera que seja mantido em 2021.

Motivado por cobranças do heptacampeão Lewis Hamilton em meio a manifestações do movimento Black Lives Matter ao redor do mundo, a F1 começou a dedicar um momento antes da largada do GP para que os pilotos se manifestassem contra o racismo, usando camisetas com a mensagem "pelo fim do racismo".

Leia também:

O movimento liderado por Hamilton também engajou outros pilotos, entre eles, Ricciardo, que se mostrou muito ativo ao longo da temporada, usando máscaras e camisetas que pediam igualdade. 

Em entrevista ao canal britânico Sky Sports, o australiano disse esperar que as manifestações continuassem em 2021.

"Eu realmente espero que continuem. Acho que, se realmente acreditamos e defendemos isso com firmeza, não há razão para acabar".

O australiano ainda falou sobre como 2020 foi um ano de aprendizado para ele em sobre o tema.

"2020 foi um ano pesado por diversas razões, mas também foi um ano em que aprendi mais sobre como o mundo realmente funciona. Tenho certeza de que aprendi e quero seguir aprendendo. Espero me educar e educar os outros ao meu redor. Se isso significa que manteremos uma postura similar à de 2020, então, certamente".

Ainda no ano passado, Ricciardo já havia falado sobre como o aprendizado pelo qual passou mudou o modo de compreender a luta antirracismo.

"Eu não me sentia confortável falando sobre isso no começo do ano. Então, começar a falar sobre coisas que você não falava antes, seja racismo, saúde mental ou qualquer coisa do tipo, é intimidador. Então você precisa se preparar para receber críticas, ou pelo menos um feedback que não é 100% positivo".

"Mas, novamente, se é algo que você realmente acredita, não vejo porque não fazer isso. Acho que, principalmente com o racismo. O silêncio é um grande problema, e as pessoas acham que você está muito confortável em sua posição para não falar".

"Acho que essa é a questão: crie coragem. Se você tiver uma voz, faça ela ser ouvida".

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

F1 na BAND? O que esperar da COBERTURA da categoria na possível VOLTA à emissora:

PODCAST: Bottas reagirá na Mercedes? Como compará-lo a Barrichello, Webber e cia?

 

compartilhar
comentários
Como Hamilton ajudou seu irmão a superar o bullying que sofria por conta da deficiência
Artigo anterior

Como Hamilton ajudou seu irmão a superar o bullying que sofria por conta da deficiência

Próximo artigo

F1: Binotto torce para que Sainz conquiste pódios em 2021 com a Ferrari

F1: Binotto torce para que Sainz conquiste pódios em 2021 com a Ferrari
Carregar comentários