Fórmula 1
29 ago
-
01 set
Evento encerrado
05 set
-
08 set
Evento encerrado
19 set
-
22 set
Evento encerrado
26 set
-
29 set
Evento encerrado
10 out
-
13 out
Evento encerrado
24 out
-
27 out
Próximo evento em
10 dias
31 out
-
03 nov
Próximo evento em
17 dias
14 nov
-
17 nov
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
45 dias

Se pensasse nos riscos não seria piloto, diz Kubica

compartilhar
comentários
Se pensasse nos riscos não seria piloto, diz Kubica
20 de set de 2019 17:51

Polonês, que deixará a Williams após o final da temporada, disse que sua permanência na F1 é muito difícil

Robert Kubica, que confirmou na coletiva de imprensa oficial do GP de Singapura que deixará a Williams ao término da temporada 2019, não disse se deixará a Fórmula 1, mas afirmou saber que não tem muita chance de encontrar uma vaga na categoria.

Em entrevista ao jornal espanhol AS, o polonês disse que tentará continuar como piloto de testes e simulador e que ainda buscará um assento em outro campeonato de alto nível e que sempre foi muito consciente do que conseguiria em sua segunda passagem pela F1.

“Eu sempre tive os pés no chão sobre o que eu poderia conseguir, nunca fechei a porta para voltar à F1, mas sempre tive muito respeito por esse esporte. Os carros mais rápidos, os melhores pilotos do mundo. Mas, por outro lado, a F1 mudou tecnicamente por suas regras e elas mudam a abordagem do piloto. As corridas permanecem mais ou menos iguais, para extrair o potencial máximo do carro e de si mesmo. Mas a maneira de pilotar é completamente diferente”, disse.

Leia também:

“Este está sendo um ano complicado, não foi fácil para mim como piloto ou para a equipe. Não estamos onde queríamos, o desempenho é difícil. Mas, vindo de onde vim, o que aconteceu na minha vida, devo agradecer por ter conseguido voltar à F1, porque pessoalmente consegui grandes objetivos. Obviamente, os resultados não são o que buscamos, mas foi uma jornada muito longa e é um grande êxito pessoal ter retornado à F1”, completou.

Mesmo com sequelas visíveis após o grave acidente durante o rali Ronde di Andorra, na Itália em 2011, que quase encerrou sua carreira no automobilismo, Kubica contou que não se lembra como era sua maneira de pilotar antes do acidente.

“Piloto de forma natural, faço o que posso e não lembro como era antes. Sim, é mais difícil se penso em como pilotaria estando 100% capacitado, sem limitações. Para mim, um dos pontos positivos pessoais é que piloto sem pensar nas minhas limitações. É assim que sou agora, este é o meu corpo, e eu aproveito ao máximo meu corpo nessas circunstâncias.”

“Fiz um bom trabalho na preparação física e as dificuldades pelas quais passei me ajudaram, aprendi a superar minhas limitações e a viver com elas. Você pode sentir dor, mas isso aconteceu comigo no passado e acontece com qualquer pessoa no grid.”

O piloto da Williams afirmou também que evita pensar nos perigos do automobilismo quando entra no carro.

“Se pensasse nos riscos, não estaria fazendo isso. Qualquer piloto sabe que existe um risco, mas você não pensa nisso. As corridas são a minha paixão e é o que venho fazendo desde criança, é a minha forma de viver. Sei que há riscos, infelizmente vivemos a pior versão desses riscos em Spa, mas infelizmente isso faz parte do jogo. A FIA fez um ótimo trabalho nas últimas duas décadas para melhorar a segurança do carro e dos circuitos, tanto que às vezes esquecemos que esses riscos existem. Mas de alguma forma você precisa removê-los da sua cabeça, não pensar neles.”

O polonês ainda disse que não sabe o que fará depois que deixar a Williams

“O plano é procurar a melhor oportunidade para mim no futuro, a que me permita me divertir mais. A F1 é a maior categoria do automobilismo, meu objetivo é sempre ficar, mas se não houver outra oportunidade, acabarei em outro lugar. Há momentos para tomar decisões e olhar ao redor, preciso de mais tempo para toma-las e seguir em frente.”

Veja carreira de Kubica

Galeria
Lista

Chegada à F1

Chegada à F1
1/27

Foto de: XPB Images

Robert Kubica foi promovido com a BMW Sauber, com quem deteve o papel de piloto de reserva durante as primeiras corridas da temporada de 2006. Ele chegou aos 21 anos de idade.

GP da Hungria 2006

GP da Hungria 2006
2/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Robert Kubica estreou na F1 substituindo Jacques Villeneuve na equipe da BMW Sauber. Ele terminou em sétimo, mas foi desclassificado porque seu carro estava 2 quilos abaixo do peso mínimo de acordo com os regulamentos. Na imagem, um momento de seu primeiro fim de semana em que ele perdeu a asa da frente.

GP da Itália 2006

GP da Itália 2006
3/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em apenas seu terceiro GP na F1, Robert Kubica conquistou o primeiro pódio de sua carreira, acompanhando Michael Schumacher (Ferrari) e Kimi Raikkonen (McLaren).

GP do Canadá 2007

GP do Canadá 2007
4/27

Foto de: Andrew Ferraro / Motorsport Images

Robert Kubica, com o BMW Sauber F1.07, sofreu um terrível acidente depois de tocar a roda traseira direita da Toyota de Jarno Trulli. Ele foi de um lado para o outro do circuito, atingindo as duas paredes e dando vários giros. Ele perderia a próxima corrida, em Indianápolis, onde Sebastian Vettel estreou como seu substituto.

GP da Malásia 2008

GP da Malásia 2008
5/27

Foto de: Hazrin Yeob Men Shah

Kubica ficou em segundo no GP da Malásia em 2008, no segundo pódio de sua carreira, o primeiro dos oito que ele alcançaria durante aquela temporada.

GP de Mônaco 2008

GP de Mônaco 2008
6/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Naquela que foi sua segunda participação no GP de Mônaco, Kubica subiu ao pódio com Hamilton e Massa.

GP do Canadá 2008

GP do Canadá 2008
7/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

O melhor dia para Kubica e Sauber na F1. Juntos, eles venceram o GP do Canadá, com uma dobradinha para o time. O polonês tornou-se líder do Mundial por quatro pontos sobre Lewis Hamilton, um dos pilotos envolvidos no acidente na saída do pitlane, que colocou a corrida a favor de Kubica.

GP do Brasil 2009

GP do Brasil 2009
8/27

Foto de: Andrew Ferraro / Motorsport Images

Kubica encerraria 2009 alcançando seu único pódio naquele ano em uma temporada em que a equipe da BMW Sauber deu um grande passo para trás antes de a montadora alemã deixar a F1.

GP da Austrália 2010

GP da Austrália 2010
9/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Kubica ficou em segundo no teste inicial da temporada 2010, o GP da Austrália, em sua estreia com a equipe Renault, a mesma com a qual anos atrás ele havia testado pela primeira vez uma F1.

GP de Mônaco 2010

GP de Mônaco 2010
10/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em 2010, pela segunda vez em sua carreira, Kubica subiu ao pódio no GP de Mônaco. Ele ficou em terceiro depois de ter conseguido começar na primeira fila do grid.

GP da Bélgica 2010

GP da Bélgica 2010
11/27

Foto de: XPB Images

O último pódio de Robert Kubica até agora foi no GP da Bélgica em 2010, no qual terminou em terceiro.

GP de Abu Dhabi 2010, um adeus inesperado

GP de Abu Dhabi 2010, um adeus inesperado
12/27

Foto de: XPB Images

A corrida que encerrou a temporada de 2010 foi a última disputada por Robert Kubica na Fórmula 1 antes de seu retorno em 2019.

Teste para começar 2011 antes da tragédia

Teste para começar 2011 antes da tragédia
13/27

Foto de: XPB Images

Robert Kubica ia disputar a temporada de 2011 com a equipe Lotus Renault e ele esteve na primeira sessão de testes de pré-temporada em Valência. Esta foto é de 3 de fevereiro daquele ano, apenas três dias antes de seu infeliz e grave acidente no rali que quase o levou a ter sua mão direita amputada.

Fim da primeira passagem

Fim da primeira passagem
14/27

Foto de: XPB Images

Ele foi substituído na equipe e tentou se preparar para retornar em 2012, algo que não seria possível devido a suas limitações físicas.

O que teria acontecido com sua carreira?

O que teria acontecido com sua carreira?
15/27

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Anos depois, Kubica revelou que havia assinado um contrato com a Ferrari para 2012 . Ele teria sido companheiro de seu amigo Fernando Alonso e estaria em um time capaz de conquistar vitórias e lutar pelo título.

Retornar a um carro de F1 seis anos depois

Retornar a um carro de F1 seis anos depois
16/27

Foto de: Renault F1

Sem opções na Fórmula 1, Kubica voltou aos ralis e testou em diversas categorias (GT, Fórmula E, WEC...). A Renault permitiu que ele fizesse um teste em Valência, em junho de 2017, com o carro de 2012. Ele deu 115 voltas e começou a avaliar suas opções.

Segundo teste

Segundo teste
17/27

Foto de: Renault F1

Um mês depois, em Paul Ricard, Kubica deu 90 voltas.

Seu teste mais real

Seu teste mais real
18/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Kubica foi confirmado pela Renault para disputar o teste pós-GP da Hungria 2017, seu primeiro teste de fogo.

Ao volante de um carro contemporâneo

Ao volante de um carro contemporâneo
19/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Com o # 46 no RS17 da Renault, Kubica foi o quarto no seu retorno. Deu mais de 140 voltas com o volante modificado para se adaptar às suas condições. Ele deixou uma impressão muito boa e abriu novamente a possibilidade de um retorno em 2018.

O estado do seu braço

O estado do seu braço
20/27

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

"Há pessoas dizendo que o piloto está em uma mão, não estou dirigindo com uma mão", ele precisou esclarecer. "Eu acho que é impossível competir em uma F1 com apenas uma mão, mas eu tenho algumas limitações e, de certa forma, meu corpo geralmente compensa, o que não é ruim."

Descartado pela Renault, aos olhos da Williams

Descartado pela Renault, aos olhos da Williams
21/27

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

A Renault escolheu Carlos Sainz e fechou a porta para Kubica. No entanto, a Williams notou-o e acrescentou-o à lista de pilotos candidatos para ser companheiros de equipe de Stroll em 2018.

Teste com a Williams

Teste com a Williams
22/27

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Kubica fez com o carro de 2014 o que a Williams descreveu como um "teste bem-sucedido". A equipe britânica queria avaliar o status do piloto e analisar suas opções.

Teste oficial com a Williams

Teste oficial com a Williams
23/27

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Após dois dias privativos ao volante do Williams FW40 de 2017, Kubica disputou os testes de final de temporada em Abu Dhabi. A Williams o declarou "apto" para competir na Fórmula 1.

Completa o sonho ... no meio do caminho

Completa o sonho ... no meio do caminho
24/27

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Kubica conseguiu retornar à Fórmula 1 em 2018, mas não como titular. A Williams optou por Sirotkin e o polonês teve que se contentar em ser um piloto reserva. "Eu fui honesto demais ao falar sobre minhas limitações", lamentou Robert.

Seu papel como testador

Seu papel como testador
25/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Durante 2018 ele jogou os testes de pré-temporada e apareceu em sessões de treinos livres, mantendo sua candidatura para ser titular em 2019.

Volta para a Fórmula 1 em tempo integral

Volta para a Fórmula 1 em tempo integral
26/27

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Com a saída de Stroll e depois de deixar de lado Sirotkin, a Williams queria um parceiro experiente para o jovem Russell, que assinou para 2019. Robert foi finalmente escolhido e nove anos depois se tornou parte do grid.

Seu segundo debute

Seu segundo debute
27/27

Foto de: Joe Portlock / Motorsport Images

Seu retorno não foi o desejado, e depois de uma série de fracassos e problemas, ele foi o último em classificação e corrida na Austrália.

Próximo artigo
GALERIA: No aniversário de Montoya, relembre vitórias do colombiano

Artigo anterior

GALERIA: No aniversário de Montoya, relembre vitórias do colombiano

Próximo artigo

Acidente da F2 em Spa pode ajudar regras da F1 para 2020

Acidente da F2 em Spa pode ajudar regras da F1 para 2020
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1