Fórmula 1
R
GP da Austrália
12 mar
-
15 mar
Próximo evento em
51 dias
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
58 dias
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
72 dias
16 abr
-
19 abr
Próximo evento em
86 dias
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
100 dias
07 mai
-
10 mai
Próximo evento em
107 dias
21 mai
-
24 mai
Próximo evento em
121 dias
R
GP do Azerbaijão
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
135 dias
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
142 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
156 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
163 dias
R
GP da Grã-Bretanha
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
177 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
191 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
219 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
226 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
240 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
247 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
261 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
275 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
282 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
296 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
310 dias

Toro Rosso: F1 deveria reduzir aerodinâmica em “40-50%”

compartilhar
comentários
Toro Rosso: F1 deveria reduzir aerodinâmica em “40-50%”
Por:
Co-autor: Oleg Karpov
9 de jan de 2019 10:09

Franz Tost considera que tal medida melhoraria significativamente a qualidade das corridas, mas duvida que outras equipes apoiariam

O chefe da Toro Rosso, Franz Tost, considera que os dirigentes da F1 deveriam reduzir a pressão aerodinâmica dos carros em “40-50%” a fim de melhorar o espetáculo das corridas.

Os carros da categoria terão asa dianteira e defletores simplificados em 2019, além de outros pequenos ajustes na tentativa de diminuir a sensibilidade a turbulência e melhorar a qualidade das corridas.

As mudanças antecedem uma alteração muito maior que está prevista para 2021.

Tost disse ao Motorsport.com que a F1, que aumentou a pressão aerodinâmica dos carros em 2017 para criar os modelos mais rápidos da história, precisa aproveitar a oportunidade para eliminar a dependência do downforce.

“Temos muita pressão aerodinâmica, o que significa que, nas curvas de alta velocidade, ninguém consegue seguir o outro devido ao ar sujo atrás, e mal temos pontos de freada”, disse. “Como deveria haver ultrapassagens?”

“Isso significa que a FIA, FOM – e há pessoas experientes por lá, como Ross Brawn e Pat Symonds – sabem exatamente o que deveria ser feito: reduzir o lado aerodinâmico, a pressão aerodinâmica.”

“Eu cortaria no mínimo 40-50% da atual pressão aerodinâmica para deixar o carro muito mais instável nas curvas. Aí as pessoas veriam os pilotos tendo que lutar com o carro.”

“Os carros serão muito mais rápidos nas retas, haveria a chance de ultrapassar os outros – devido à maior zona de frenagem – e você pode seguir de perto nas curvas.”

“Essas regras podem ser facilmente realidade. Eles precisam só querer.”

Tost afirmou que os pilotos são os únicos que “sentem e reconhecem” a performance dos atuais carros.

No entanto, Tost sente que, assim como o teto de gastos – à qual ele é favorável, embora haja resistência dos times maiores –, a redução da pressão aerodinâmica seria algo travado pelas equipes.

Questionado sobre quem seria contra a proposta, ele disse: “As equipes! Nunca pergunte às equipes.”

“[Os dirigentes precisam] Vir com as regras e dizer ‘aceitem ou saiam’. Mas eles perguntam para as equipes.”

“Eles chegam ao grupo técnico da F1. Quem está no grupo técnico da F1? Engenheiros. Nunca pergunte a engenheiros!”

Próximo artigo
Hamilton: as pessoas só notam a força de um piloto após vários títulos

Artigo anterior

Hamilton: as pessoas só notam a força de um piloto após vários títulos

Próximo artigo

F1 bloqueia vídeos de jogo oficial em canais do YouTube

F1 bloqueia vídeos de jogo oficial em canais do YouTube
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Scott Mitchell