Webber relata mentiras da Red Bull para proteger Vettel

O australiano conta, em livro, bastidores da época em que foi piloto da Red Bull e teve Vettel como companheiro de equipe

Webber relata mentiras da Red Bull para proteger Vettel
Mark Webber, da equipe Porsche no WEC
(Esquerda para direita): Mark Webber, piloto da Porsche Team WEC Driver, com Carlos Sainz
(Esquerda para direita): Carlos Sainz, com Mark Webber, piloto da Porsche Team WEC
(Esquerda para direita): Carlos Sainz, com David Coulthard, assessor da Red Bull Racing e Scuderia Toro Rosso / comentarista da BBC Television e Mark Webber, piloto da Porsche Team WEC
Polesitters #17 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Timo Bernhard, Mark Webber, Brendon Hartley
#17 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Timo Bernhard, Mark Webber, Brendon Hartley

O mundo do automobilismo dá voltas: enquanto Mark Webber comemora o título conquistado no WEC, a Red Bull, ex-equipe do australiano na F1, enfrenta uma grave crise e está sob risco de abandonar a categoria, já que ainda não decretou qual motor irá utilizar em 2016. As informações são da ESPN.

Toda a relação corrosiva entre Webber e o consultor da Red Bull, Helmut Marko, foi descrita pelo piloto em seu recente livro "My Formula One Journey" (Minha Jornada na F1), ainda sem tradução para o português. 

O australiano conta que os primeiros atritos com a equipe surgiram após a sua primeira vitória em Mônaco, em 2010. Uma semana após vencer na Espanha, Webber parecia dominar tecnicamente Vettel, o que despertou a fúria do companheiro.

De acordo com a versão oficial, o carro de Vettel estaria com o chassi fraturado, e isto explicaria o motivo pelo qual vinha sendo constantemente batido por Webber. No entanto, segundo o australiano, isso não passou de uma invenção da equipe para proteger o alemão:

"Após o GP de Mônaco, havia um rumor de que Sebastian queria o meu chassi. No final, Christian Horner me levou para um canto e me disse que autorizou Marko a contar a Vettel que ele tinha um chassi fraturado - que na verdade ele não tinha - para ajudá-lo a racionalizar o fato de que havia sido batido na pista, pela segunda corrida seguida, pelo 'velho australiano' no outro carro", escreveu Webber.

"Isso parecia estar afetando a sua confiança. E para Seb, isso é tudo. Parecia além da sua compreensão de que eu poderia ser mais rápido do que ele em condições iguais. Para ele, tinha de haver outro motivo", disse.

compartilhar
comentários
Para Ecclestone, retorno da Ferrari ao topo é ótimo para F1
Artigo anterior

Para Ecclestone, retorno da Ferrari ao topo é ótimo para F1

Próximo artigo

Hamilton admite que preferia ser Superman a Senna

Hamilton admite que preferia ser Superman a Senna
Carregar comentários