Wolff acredita que F1 não promove motores híbridos “bem o suficiente”

compartilhar
comentários
Wolff acredita que F1 não promove motores híbridos “bem o suficiente”
Por:
, Editor

Chefe da Mercedes ressaltou que F1 é uma “vitrine muito boa” para tecnologia híbrida

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, acredita que a Fórmula 1 continua sendo uma "boa vitrine" para a tecnologia híbrida, mas não está contando a história de suas unidades de potência bem o suficiente. Após o anúncio da Honda no mês passado de que deixará a F1 no final de 2021, devido a seus planos de se tornar neutra em carbono até 2050, a fórmula da unidade de potência existente da série passou por um novo exame.

A saída da Honda deixa apenas três fabricantes na rede de fornecimento de motores - Mercedes, Ferrari e Renault - e não há interesse de quaisquer novos fabricantes em aderir neste momento.

Leia também:

A F1 está preparada para apresentar uma nova solução de unidade de potência em 2026, mas a saída da Honda levou algumas figuras a questionar se isso deveria ser antecipado.

Os chefes da categoria continuam comprometidos em usar unidades de energia híbridas com um novo foco em combustíveis sintéticos em um momento em que grande parte da indústria automotiva está empurrando cada vez mais para a eletrificação.

Chefe da Mercedes, Wolff sente que a F1 ainda é uma boa plataforma para comercializar e desenvolver híbridos, mas que os méritos da tecnologia não estavam sendo promovidos o suficiente.

"Acredito que não estamos contando a história do híbrido bem o suficiente", disse Wolff. “Com 50% de eficiência térmica, e a complexidade e tecnologia que existe nesses carros com a recuperação de energia com energia cinética ou gases de exaustão, as baterias que estamos usando e a tecnologia dentro delas, somos uma vitrine muito boa para a tecnologia híbrida".

“A próxima geração de unidades de energia, quando vier, vai emprestar ainda mais para recuperação de energia sustentável e sistemas de propulsão sustentáveis no futuro".

“Agora sabemos que temos que olhar para os custos. Não queremos cometer o mesmo erro que somos puramente movidos pela engenharia, como com essas unidades de energia".

"Mas se certificar de que são algo inovador, sustentável, poderoso, eficiente em combustível e a um preço razoável".

As unidades de potência existentes da F1 foram introduzidas em 2014, quando a categoria trocou os motores V8 por V6 turbo híbridos, embora a um custo alto para fabricantes e equipes de clientes.

A Red Bull está agora em busca de uma nova solução de motor além do final do próximo ano após a saída da Honda, mas tem opções limitadas devido à falta de interesse externa de novos fabricantes.

"Quando você olha para os custos envolvidos no fornecimento do motor, eles são enormes, e é por isso que a Fórmula 1 falhou em sua tentativa de atrair novos fornecedores de motores e novos fabricantes para o esporte", disse o chefe da Red Bull F1, Christian Horner.

"Isso coloca em foco esses custos, esses direcionadores de custos por meio dos regulamentos. A saída da Honda é uma pena para a Fórmula 1, mas também um verdadeiro alerta”.

Neste fim de semana, a F1 visita Portimão, para o GP de Portugal. E em uma prova onde adaptação é essencial, a Mercedes e Hamilton podem respirar aliviados: o piloto ou a equipe venceram a edição inaugural das quatro últimas provas novas. Ele venceu em Mugello, Sochi e Austin. Já Rosberg venceu em Baku. Parece uma aposta certa não? Quer saber mais? Confira o ThePlayer.com e não perca nada!

CEO da F1 cita outros esportes e diz que categoria não pode usar “camisa de força” contra mudanças

PODCAST: Recordes de Hamilton e Schumacher são comparáveis?

 

Veja como a Haas inspirou a mais recente tendência de asa traseira

Artigo anterior

Veja como a Haas inspirou a mais recente tendência de asa traseira

Próximo artigo

F1: Magnussen e Grosjean não estarão na Haas em 2021, dizem sites

F1: Magnussen e Grosjean não estarão na Haas em 2021, dizem sites
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes
Autor Luke Smith