CEO da Fórmula E rebate críticas de Carey e Marko sobre importância e qualidade da categoria

compartilhar
comentários
CEO da Fórmula E rebate críticas de Carey e Marko sobre importância e qualidade da categoria
Por:

Jamie Reigle respondeu a críticas do CEO da F1 e do consultor da Red Bull em fórum organizado pela BMW

Com a mudança da indústria automobilística para veículos elétricos, muito se discute se a Fórmula 1 pode ser ameaçada pela Fórmula E. Muitas pessoas veem isso como impossível, mas simplesmente pelo fato de não considerarem a F-E um campeonato real, como é o caso de Helmut Marko e até Chase Carey. E o CEO da F-E, Jamie Reigle, respondeu a ambos.

Falando com o Motorsport.com no ano passado, o consultor da Red Bull Helmut Marko disse que a Red Bull não tinha interesse em entrar na F-E porque eles "são puristas do automobilismo", e que a categoria não encaixava nas atividades promocionais da marca.

Leia também:

Ele acrescentou: "Por mais que sejamos bons em marketing, a Fórmula E é uma desculpa de marketing da indústria automotiva para distrair o mundo do escândalo do diesel".

Quando perguntado no ano passado pelo Motorsport.com sobre a fala de Marko, os representantes da categoria se recusaram a comentar. Porém, como parte do "Fórum do Futuro", organizado pela BMW no ano passado, o CEO da F-E, Jamie Reigle, acabou comentando sobre o assunto.

Reigle respondeu citando o grande interesse atual das montadoras pela F-E, e a natureza competitiva das corridas, que são "a definição do esporte".

Ele disse: "Acho que a palavra importante na fala de Marko é 'purista'. Há uma definição sobre o que automobilismo era anteriormente e, por isso, as pessoas têm na cabeça que é aquilo que deve ser".

"Na minha cabeça, a beleza do automobilismo é a tradição do esporte e as inovações técnicas. As inovações que vieram décadas atrás eram coisas como espelhos retrovisores e cintos de segurança".

"Nós acreditamos que estamos levando essas inovações para um novo limite e, fundamentalmente, se você olhar para as montadoras que estão vindo para o campeonato, os pilotos, o nível de competitividade, o fato é que a maioria das nossas corridas têm vencedores diferentes... para mim essa é a definição do esporte".

"É o pináculo do esforço humano, seja no lado de engenharia ou no do esporte, ou mesmo quando você junta tudo".

O CEO da F1, Chase Carey, foi perguntado recentemente em uma entrevista à CNN se categorias como a F-E seriam uma ameaça à F1, e ele respondeu: "Não. Na verdade, a F-E não seria uma [ameaça].

"Acho que a Fórmula E é um veículo muito diferente hoje, é mais uma causa social, sabe, é uma festa de rua".

Respondendo a Carey, Reigle acrescentou: "Minha crença pessoal é que o mundo é um lugar muito grande e há muito espaço para vários campeonatos de automobilismo. Fico lisonjeado que Marko e Chase tenham decidido falar sobre nós".

RETA FINAL: Hamilton merece as críticas que recebe? Eric Granado comenta volta de MotoGP e MotoE

PODCAST: Guerra de bastidores na F1 e entrevista com Igor Fraga

 

Fórmula E: Nick Cassidy será o substituto de Sam Bird na Virgin

Artigo anterior

Fórmula E: Nick Cassidy será o substituto de Sam Bird na Virgin

Próximo artigo

Fórmula E revela três traçados para maratona de provas em Berlim

Fórmula E revela três traçados para maratona de provas em Berlim
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1 , Fórmula E
Autor Matt Kew