CEO da W Series diz que F1 terá uma piloto em breve

compartilhar
comentários

Com exclusividade, Catherine Bond Muir falou sobre como está a categoria voltada apenas para mulheres no ano em que teve que cancelar temporada

Depois de uma temporada de estreia bem-sucedida em 2019, a W Series, campeonato de desenvolvimento para pilotos do sexo feminino, foi forçada a cancelar a temporada de 2020 devido à Covid 19.

Não foi uma decisão fácil, mas muitas categorias que foram adiante porque sentiram que deveriam, perderam muito dinheiro. A CEO da W Series, Catherine Bond Muir sentiu que com um campeonato que havia acabado de nascer, não era o ano para lutar.

Para saber o que há de mais recente em nossa série de entrevistas #ThinkingForward com os líderes do esporte, Bond Muir explica por que a W Series se recuperará melhor e por que seu coração diz a ela que veremos uma mulher competindo na F1 mais cedo ou mais tarde.

Leia também:

Muitas pessoas expressaram dúvidas quando a W Series começou. Mas você obviamente conseguiu colocá-lo no mapa no ano um. Você poderia resumir para nós o que você acha que foi alcançado até agora pela categoria e como você conseguiu mudar as percepções?

Acho que tivemos um grande feito no nosso primeiro ano; colocamos 20 mulheres em um grid e isso foi extraordinário. Ninguém nunca tinha visto algo semelhante em monopostos antes. E acho que foi recebido com gratidão porque as pessoas sentiram que já era hora de mais mulheres no automobilismo. E acho que o que conquistamos desde então é que ajudamos a elevar o perfil das mulheres em todo o automobilismo, que é um assunto sobre o qual as pessoas estão falando. Acho que ajudamos a mudar a conversa. Mas, obviamente há muito mais trabalho a fazer. E o que precisamos fazer é colocar mais mulheres nos escalões mais altos do automobilismo.

Obviamente, a decisão de cancelar a temporada de 2020 foi difícil. Mas você não está sozinha nos esportes; Wimbledon fez isso muitos outros eventos fizeram isso. Mas muitas outras categorias avançaram em formas compactas, muitas delas perdendo dinheiro. Por que o cancelamento foi a coisa certa para você?

Apenas a logística de trazer pilotos de 15 países diferentes para a Europa e mantê-las lá por um longo período é algo que era simplesmente impossível de fazer e provavelmente injusto para as pilotos que não puderam chegar aqui. Como poderíamos ter a W Series, que dizemos ser "aberta para todas" e ter 10 ou 12 pilotos, mas algumas simplesmente por causa de onde moram não conseguiam correr? E nossa configuração é fundamentalmente diferente de todas as outras séries, somos uma categoria livre e pagamos todas as despesas de todas as pilotos. E queríamos ser um esporte global. E eu acho que nos limitarmos a talvez um ou dois países europeus não é o nosso objetivo. Estamos ansiosos para o próximo ano, obviamente estamos em negociações. Agora, não vou poder dizer que vamos correr longe de Austin e do México, porque ainda não combinamos nada. Queremos que o próximo ano seja maior e melhor e acho que éramos muito jovens como esporte, para entrar em algo que não era muito bom, porque era por isso que seríamos lembrados.

Como a Fórmula E, a W Series é um campeonato que tem uma missão, um senso de propósito embutido nele. E vimos este ano todas as mensagens de justiça social e diversidade que os esportes em geral adotaram; todos eles realmente tiveram que se tornar mais orientados para o propósito. Como você acha que isso ajudou a W Series?

Acho que comercialmente nas conversas que estamos tendo. Somos movidos por uma missão. Não estamos fazendo banalidades sobre isso. Estamos lá para promover as mulheres em um esporte que historicamente não teve uma grande participação de pessoas, por ser do sexo feminino. Temos autenticidade com as marcas. Não estamos vestindo camisetas para promover uma causa. Nós somos o que dizemos que somos.

E o que você acha de toda a noção de propósito estar no cerne do esporte, mesmo quando se volta para a esfera política?

Pegue o Vidas Negras Importam. Acho fantástico que os pilotos tenham assumido a posição que têm, que Lewis [Hamilton} tenha assumido a posição de usar sua plataforma para o bem. Fiquei mais interessada em Mercedes apoiar sua posição, dizendo “não é uma questão de política, é uma questão de direitos humanos”. Em um diagrama do que é política e direitos humanos, há um grande cruzamento. A maneira como a Mercedes está apoiando Lewis nisso, não é ele sozinho dizendo que está obtendo o apoio da equipe. Acho que o que está acontecendo é que os esportistas individuais têm usado sua plataforma para promover uma causa, uma causa certa e justa e, lentamente, os patrocinadores, as empresas e os próprios órgãos esportivos estão se recuperando disso.

Um dos pontos positivos reais para o esporte durante este período foi o surgimento dos eSportes. Positivo em vários níveis, mas um deles para mim realmente é a acessibilidade, trazendo novas pessoas para o esporte, que não necessariamente o teriam encontrado de outra forma. Qual tem sido sua experiência com eSports e a maneira como você se abriu para novos públicos.

Nós nos abrimos para um público praticamente novo. Queremos que seja uma porta de entrada para o automobilismo e nossas séries. Um dos grandes problemas do automobilismo é a despesa. E este é obviamente uma forma que é relativamente barata e, portanto, potencialmente se abre para absolutamente todos, porque não há um limite de custo. Acho que o truque é transferir todas as pessoas interessadas em eSports para torná-las fãs da W Series, Fórmula 1, Fórmula E.

Você financia as campanhas de seus participantes, o que é muito incomum. Você não depende de pessoas que têm pais ricos e patrocinadores por trás deles. Estou interessado no efeito que isso teve no tipo de pessoa que está atraindo?

Na W Series há alguém como Alice Powell, que foi a primeira mulher a ganhar pontos na GP3 e depois ela ficou sem dinheiro e, não podia correr e não corria por cinco anos até a W Series aparecer. Estamos muito orgulhosos em apresentá-la de volta ao esporte. O que isso indica para as meninas, quando pensam no automobilismo como uma opção para elas, é que podem olhar para a W Series e ver que não precisam do pai ou da mãe para ganhar na loteria para entrar no esporte. E, com sorte, continuamos derrubando portas.

Nós, como marca, temos que nos envolver mais com as bases. Precisamos ser capazes de oferecer suporte a alguns pilotos em um nível mais jovem. E não chegamos a nenhuma conclusão sobre como faremos isso. Mas, certamente, isso é algo que precisamos fazer porque o que não queremos é deixar um talento prodigioso cair pela rede em um estágio muito inicial, porque ela simplesmente não consegue o dinheiro nem para entrar nos Ginettas ou carros do tipo Fórmula 4.

Eu sou questionado o tempo todo "quando teremos uma mulher correndo na F1?" Você é a especialista; quão longe você acha que estamos agora disso?

E eu sempre me recusei a responder a essa pergunta. Isso pode acontecer de uma das duas maneiras: uma piloto rápida obterá patrocínio, apoio e dinheiro suficientes para abrir caminho através da F3 e F2. Ou, o que é mais provável de acontecer é que algumas garotas de 10 a 13 anos corram demais e tenham milhares de horas de experiência ao volante, de modo que corram tanto quanto os meninos da mesma idade. E porque as pessoas querem tanto que uma mulher volte para a Fórmula 1 que a piloto tenha muito apoio comercial em uma idade precoce, espero que elas cheguem à W Series, mas no final irão para a Fórmula 3 e Fórmula 2. Então ela obterá aquela onda de apoio que a levará até o fim. Então eu não sei, talvez 10 anos? Emocionalmente vai acontecer mais rápido do que isso porque acredito que alguém vai apoiar uma mulher para chegar lá. Mas de um ponto de vista prático, acho que é um período de 10 anos.

Olhando para a cena agora, falando com chefes de categorias e equipes, é bastante claro que o patrocínio para 2021 será um ambiente muito desafiador como resultado desta pandemia. Você está confiante no seu pipeline de patrocinadores daqui para frente?

Bem, estou bem, estou confiante no meu conjunto de patrocinadores porque temos uma grande venda por causa da diversidade. E sabemos que temos transmitido para todo o mundo e temos ótimos números de audiência. Mas não dependemos de patrocínio para competir. Precisamos, no devido tempo, nos erguer como um negócio lucrativo, porque obviamente nossos acionistas desejam ver o retorno de seu investimento. Mas se eu dependesse apenas de patrocínio, ficaria nervosa pelo ambiente macro e micro econômico que sem dúvida o mundo vai passar no próximo ano. Mas vamos correr no próximo ano, mesmo que não consigamos outro patrocinador.

E, finalmente, Catherine, olhando de uma maneira muito mais ampla, gostaria da sua opinião sobre o impacto que este ano terá no impulso que já vimos em direção à mobilidade elétrica e à descarbonização das corridas e como a W Series vai resolver isso no futuro.

Eu sou uma purista do automobilismo no coração. Adorei os carros de Fórmula 1, pré-híbridos, porque adorei o som dos motores. Acho que, como empresas, temos que ser neutros em carbono. Acho que há tantas tecnologias novas entrando em operação nos próximos anos que a eficiência dos motores é tal que não precisamos ter todas as corridas elétricas. Certamente, no futuro, eu não acho que a W Series queira ter motores a gasolina. Acho que precisamos mudar para o híbrido. Acho que a corrida elétrica seria fantástica. Mas eu gosto do som. Gosto que meu coração se mova quando estou correndo.

Entenda como Lawrence Stroll passou de 'papai de piloto pagante' a homem-forte na Fórmula 1

PODCAST: Após 'comemorar' GP 1000, qual é o tamanho da crise da Ferrari?

 

Perícia determina que estrada e handbike não influenciaram acidente de Zanardi

Artigo anterior

Perícia determina que estrada e handbike não influenciaram acidente de Zanardi

Próximo artigo

Audi Sport lança canal de vídeos dedicado com Motorsport.tv

Audi Sport lança canal de vídeos dedicado com Motorsport.tv
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Geral