Novo motor da Indy pode atrasar para atrair novo fabricante

compartilhar
comentários
Novo motor da Indy pode atrasar para atrair novo fabricante
Por:
8 de abr de 2019 18:52

Presidente da categoria, Jay Frye, admite adiar introdução dos motores de 2,4 litros se isso ajudar a atrair outro fabricante de motores

A Indy tem planos de substituir seus atuais motores V6 de 2,2 litros pelos novos de 2,4 litros para a temporada de 2021, e correr com a próxima geração do chassi Dallara em 2022.

Chevrolet e a Honda devem começar a testar seus motores de 2,4 litros no início de 2020, e até lá qualquer fabricante que se comprometer com a categoria a tempo para o início do novo regulamento precisaria se comprometer dentro os próximos três meses.

Leia também:

Caso isso não seja viável, mais um novo fabricante pode se comprometer para 2022, e o presidente da Indy, Jay Frye diz que ele, junto com a Honda e a Chevrolet, consideraria a possibilidade de adiar a entrada do novo modelo de motor novamente por mais um ano.

"Agora tudo está a toda velocidade [para 2021]", respondeu Frye à pergunta do Motorsport.com. “Mas, novamente, depende do tempo de todas essas coisas.”

“O motor de 2,4 - estamos confiantes em tudo o que temos organizado com isso. Mais uma vez, foi com a parceria da Chevrolet e da Honda que criamos essa plataforma. Agora, é de 2021 até 26. E pode mudar ainda, acho.”

“Parte disso dependerá do próximo parceiro (fabricante), qual será a sua contribuição ou como eles gostariam de fazer isso. Obviamente, a Chevrolet e a Honda estão muito interessadas em ter outra, então se outra vier e tivermos uma situação diferente, um atraso poderia ser possível.”

O desejo da Chevrolet e da Honda de ver um terceiro fabricante de motores na Indy é porque o grid está se expandindo e, portanto, a carga de produção e manutenção das unidades está aumentando. Portanto, ambos os fornecedores atuais provavelmente concordarão com um atraso dos motores de 2,4 litros se o ganho a médio prazo for, em última análise, uma redução de custos.

Questionado sobre a iminência do anúncio de um terceiro fabricante na Indy, Frye respondeu: “É algo de que há muito entusiasmo, falamos com muitos deles todos os dias. É um compromisso enorme.”

“Eles têm que construir motores. Os que estamos falando atualmente querem construir seus próprios motores, então isso é um indicador importante quando você fala com alguém sobre o comprometimento deles.”

“Temos dois grandes parceiros agora com a Honda e a Chevrolet e estamos muito felizes por isso e estamos muito orgulhosos disso. Parte do que está acontecendo é que você falar sobre o plano de cinco anos e o grid está ficando maior e as equipes estão entrando, em algum momento ele não vai ser um luxo, ele vai se tornar uma necessidade.”

"Ainda não chegamos a esse ponto, mas estamos chegando perto, então estamos ansiosos para saber quem será o próximo."

O co-proprietário da Cosworth, Kevin Kalkhoven, confirmou no mês passado ao Motorsport.com que sua empresa atualmente não tem planos de construir um motor da Indy.

Próximo artigo
VÍDEO: Pipo Derani admite interesse em disputar Indy 500

Artigo anterior

VÍDEO: Pipo Derani admite interesse em disputar Indy 500

Próximo artigo

Alonso anda pela primeira vez com carro 2019 da Indy

Alonso anda pela primeira vez com carro 2019 da Indy
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria IndyCar
Autor David Malsher