Wickens admite que retorno à Indy “não parece viável”

Em entrevista, canadense também falou sobre os comandos manuais que seu novo carro terá que ter

Wickens admite que retorno à Indy “não parece viável”
Carregar reprodutor de áudio

Robert Wickens, que competirá no IMSA Michelin Pilot Challenge deste ano, diz que um retorno à Indy não parece viável, mas ele está “interessado em explorar outras opções”.

O canadense de 32 anos, que sofreu uma grave lesão na coluna vertebral em um acidente durante a etapa de Pocono da Indy em 2018, anunciou seu retorno às corridas, ao se juntar à equipe Bryan Herta Autosport Hyundai.

Leia também:

Em uma entrevista coletiva que se seguiu ao anúncio, Wickens admitiu que sua incrível reabilitação de uma série de lesões agora se estabilizou.

“Eu diria honestamente que o que você vê é o que você recebe”, disse ele. “Estou no ponto da minha vida em que minha recuperação está mais ou menos estabilizada em termos de recuperação neurológica. Não estou recuperando mais nenhuma função muscular, então acho que, infelizmente, parece que estarei em uma cadeira de rodas pelo resto da minha vida, desde que os medicamentos modernos e a ciência permaneçam onde estão.

“Mas é uma ótima vida, consegui recuperar muitas funções. Eu posso ficar de pé com apoio e posso dar alguns passos com apoio, mas em termos de deixar a cadeira permanentemente, não acho que isso esteja no meu caminho agora.”

Ele descreveu seu objetivo este ano no IMPC como querer “atingir as metas que estabeleci para mim internamente – vencer algumas corridas, subir no pódio e mostrar ao mundo o que pode ser feito. A partir daí, as oportunidades são infinitas. Sou muito grato pelo que tenho agora e vamos ver onde isso me leva.”

Sobre a possibilidade de correr na Indy 500, na qual conquistou o prêmio de Rookie of the Year em 2018 com um nono lugar, Wickens respondeu: “A primeira coisa para mim é que quero correr no Michelin Pilot Challenge no meu Hyundai para provar a mim mesmo que posso fazer isso de novo. É quase uma prova de conceito, eu acho – entender os controles manuais, competir novamente. Não corro há três anos e meio. Eu só quero que eu e todos ao meu redor saibam que posso fazer isso de novo, e uma vez que atingirmos isso, nada está fora de questão.

“Acho que seria incrível correr na Indy 500. Do mesmo lado, estaria muito interessado em explorar novos caminhos. Eu nunca corri de carro esportivo. Acho que correr nos níveis mais altos do IMSA, na WeatherTech, seria incrível. Os carros LMDh parecem insanos. A Fórmula E é algo que me atrai muito. Então, estou interessado em explorar outras opções de automobilismo fora da Indy.”

Questionado se ele achava que controles manuais adequados, como os que ele usará no Hyundai Elantra N TCR que ele compartilhará com Mark Wilkins, poderiam ser instalados em um Indy, Wickens admitiu: “Acho difícil dizer.”

“A IndyCar está em um estado de evolução, há novos regulamentos chegando [para 2023]. Acho que tudo é possível com o tempo, dinheiro e recursos certos, certo?”

“É um grande pedido – um pedido colossal, na verdade – mas estou honestamente no ponto da minha vida em que se eu nunca mais voltar à Indy, estou muito satisfeito com isso. Estou realmente ansioso pela oportunidade que tenho aqui, de voltar ao volante e alimentar essa fome que tive por tantos anos. Se as coisas surgirem no futuro, vamos abordá-las como vierem, mas por enquanto eu, honestamente, não vejo a Indy como uma opção viável no meu retorno.”

“Sabendo o que sei agora, a fisicalidade da IndyCar, adaptá-la a mim e meus controles manuais exigirá muitas personalizações que não tenho certeza se a série realmente aprovaria. O sistema de freio teria que mudar, a direção hidráulica eu provavelmente precisaria, enquanto não temos direção hidráulica em um Indy. Portanto, seria necessário um carro único, com o qual não sei se outras equipes concordariam.”

Wickens, que continuará trabalhando com a equipe Arrow McLaren SP na IndyCar, expressou sua gratidão aos co-proprietários da equipe Sam Schmidt, Ric Peterson, CEO da McLaren Zak Brown e presidente da equipe Taylor Kiel por permitir que ele deixe seus compromissos este ano. Ele admitiu que o que mais lhe faltava nas últimas três temporadas enquanto participava de corridas como consultor de pilotos era a adrenalina antes da corrida que ele sentiu como piloto.

“Há muitos aspectos diferentes que você sente falta, especialmente aquele momento antes do início da corrida… apenas você e o carro para fazer o que você tem que fazer. Trabalhando com a Arrow McLaren SP, não sinto esse tipo de adrenalina antes do início de uma corrida, como piloto. Por isso foi tão importante para mim voltar, para o bem ou para o mal, para ver se é possível e seguir em frente.”

“Estou ansioso por essa adrenalina. A realização de vencer uma corrida, como piloto – é o que estou mais ansioso.” 

Robert Wickens with Karli Wickens, Bryan Herta Autosport, Hyundai Veloster N TCR

Robert Wickens with Karli Wickens, Bryan Herta Autosport, Hyundai Veloster N TCR

Photo by: Michael L. Levitt / Motorsport Images

Em maio passado, Wickens foi capaz de testar o BHA Hyundai Veloster de Michael Johnson, outro piloto em cadeira de rodas que depende de controles manuais, e será uma versão modificada de seu sistema que Wickens empregará no #33 Elantra este ano.

“Acho que os controles manuais são um livro aberto sobre o que você precisa e cada piloto é diferente”, observou Wickens. “Estamos tentando fazer pequenas melhorias para tentar torná-lo um pouco mais confortável e obter tempos de volta mais consistentes, mas agora o sistema de frenagem será o mesmo de Michael Johnson. Funcionou muito bem para ele e ele teve muito sucesso, então estou ansioso para me sentir confortável com isso e tentar ganhar experiência suficiente antes de corrermos em Daytona.”

“O sistema de controle manual que Michael estava usando é algo com o qual ele se familiarizou muito, então isso fala muito. Para mim, não, então mudamos as posições de controle: o acelerador estava na parte frontal do volante e você o empurrava com os polegares. Eu senti que, para mim e minha experiência de guiar sem deficiência, eu não conseguia sentir tanto o volante porque nunca tive meus polegares no volante. Eles estavam sempre meio que flutuando no acelerador.”

“Então, mudamos o acelerador para quase como um sistema do tipo embreagem que você veria em um carro de fórmula. Então o acelerador fica na parte de trás do volante. As alavancas de câmbio estão no mesmo lugar, e o freio será um anel na parte de trás do volante, que é mais ou menos idêntico ao que Michael usou no passado. A forma é ligeiramente alterada apenas para permitir que eu veja o painel um pouco melhor.”

Dado que ele ainda não testou o Elantra – que virá na próxima semana no teste do IMPC no Roar Before the 24 em Daytona – Wickens não tem certeza de quanto poderá aprimorar sua técnica de frenagem com este sistema.

“Só consigo me lembrar do track day em maio”, disse ele. “Na maioria dos carros de corrida, você precisa pisar no pedal do freio com muita força, mais do que um pode desenvolver apertando a mão. Portanto, temos um atuador hidráulico para ajudar a desenvolver a pressão do freio - mas o problema é que não é uma sensação linear, como você sente com um pedal de freio sob seu pé.”

“Portanto, o maior ajuste é o equilíbrio entre o tamanho do cilindro mestre versus a assistência hidráulica para obter essa boa sensação. Acho que vai levar algum tempo para ajustar, mas é facilmente realizável.”

Wickens disse que, graças a um simulador adaptado em casa, ele não está mais instintivamente tentando usar os pés para frear.

"Qual é a regra... 10.000 horas e você pode descobrir?" ele sorriu. “Acho que fiz isso no meu simulador em casa, gastando incontáveis ​​horas tentando chegar lá. É uma loucura o que você pode fazer agora com a simulação em casa.”

“Posso dizer honestamente que não uso mais minhas pernas no mundo das corridas online quando estou correndo. Eu uso controles manuais na estrada, então estou confiante de que não vou reagir usando o pé para fazer algo.”

No entanto, um simulador que emula a configuração de seu novo Hyundai ainda não foi desenvolvido.

“A prova será no Roar”, disse ele. “O sistema de freio é a parte mais complexa, e isso é uma peça de transição. Foi complicado para fazê-lo a tempo, então não tivemos tempo para testá-lo no simulador. Vamos chegar a Daytona e aprender na realidade.”

TELEMETRIA DE FÉRIAS: RICO PENTEADO fala tudo sobre NOVO CARRO DA F1 que estreia em 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #157 - Sucesso da F1 na Band e destaques de 2021: entrevista com editor Fred Sabino

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

compartilhar
comentários
Wickens fará retorno às pistas em carro da Hyundai do IMSA TCR
Artigo anterior

Wickens fará retorno às pistas em carro da Hyundai do IMSA TCR

Próximo artigo

Kanaan anuncia que 500 Milhas de Indianápolis será única corrida na Indy em 2022

Kanaan anuncia que 500 Milhas de Indianápolis será única corrida na Indy em 2022
Carregar comentários