Como o sucesso da Ferrari em Le Mans quase não aconteceu

Charles Bradley, editor do Motorsport.com, conta a história da primeira vitória da Ferrari na classe GTE Am com uma equipe que havia competido apenas uma vez na maior prova de endurance do mundo

Como o sucesso da Ferrari em Le Mans quase não aconteceu
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Jeff Segal
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Townsend Bell, Jeff Segal
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
LMGT Am podium: class winners #62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
LMGT Am podium: class winners #62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
LMGT Am podium: class winners #62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
LMGT Am podium: class winners #62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
LMGT Am podium: class winners #62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell, second place #83 AF Corse Ferrari 458 Italia: François Perrodo, Emmanuel Collard, Rui Aguas, third place #88 Abu Dhabi Proton Competition Porsche 911 RSR: Khaled Al Qubaisi, Patrick Long, David Heinemeier Hansson
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Jeff Segal
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb leads the field to the recon lap for the starting grid
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb leads the field to the recon lap for the starting grid
#2 Porsche Team Porsche 919 Hybrid: Romain Dumas, Neel Jani, Marc Lieb leads the field to recon lap
#62 Scuderia Corsa Ferrari 458 Italia: Bill Sweedler, Jeff Segal, Townsend Bell

A comemoração no pódio de Jeff Segal, Townsend Bell e Bill Sweedler após vencerem as 24 Horas Le Mans tinha um gosto todo especial. A Scuderia Corsa tinha acabado de ganhar a classe GTE Am em Le Mans com uma diferença de três minutos, à frente da AF Corse. Mas ninguém tem uma corrida de 24 horas "perfeita". A chave é minimizar erros, mantendo-se em um ritmo rápido.

E, se você estiver indo para vencer, é melhor você não ficar uma volta atrás. Não há "wave-around" - procedimento utilizado na NASCAR para conseguir tirar uma volta perdida - e os carros trazem seus próprios perigos.

O carro, que tem equipe com sede nos Estados Unidos, patrocinado pela Almagam e Motorstore.com, duas empresas que fazem parte Motorsport Network, foi para a corrida deste ano, após ter conseguido um lugar no pódio em seu ano de estreia, em 2015. Os pilotos foram mantidos, se fez a lição de casa e se sabia que era possível conseguir algo maior em 2016.

Então choveu antes do início. Segurança foi a palavra de ordem, então começaram com pneus de chuva. Como eles saberiam até quando o carro de segurança ficaria na pista?

De repente, graças a perda de tempo no início, você está propenso a ficar preso atrás do Safety Car "errado", que permite que seus rivais tenha uma enorme vantagem. Mas, aconteça o que acontecer, não fique uma volta atrás ...

"Cavamos-nos um buraco enorme", admite Segal. "Sabíamos que tínhamos ritmo, por isso, tivemos uma opção conservadora no início, começamos com pneus de chuva e não intermediários. Depois entramos nos pits, colocamos os intermediários e perdemos muitas posições e tempo."

"Então ficamos atrás do terceiro Safety Car e perdemos dois terços de uma volta, e logo, estávamos de volta para os boxes para colocar os slicks. Tentar ser conservador no início nos custou um tempo enorme, enquanto os caras que foram mais ousados, se deram bem."

"Na verdade, ficamos uma volta atrás em algum momento. O que era algo enorme, já que ela não volta facilmente." 

"Começamos uma volta atrás no meu primeiro stint e eu disse a mim mesmo: 'vou destruir essa coisa se não conseguir esta volta'."

"Nosso carro foi impecável na confiabilidade. Nós não tivemos nenhum tempo estra nos pit stops."

Batendo a temível concorrência

Vamos considerar os principais rivais da Scuderia Corsa : Porsche 911, a Aston Martin Racing Vantage e AF Corse Ferrari 458. Um trio que compete o WEC full time.

A Scuderia Corsa compete em período integral no IMSA, nos Estados Unidos, um desconhecido para as regras europeias.

"Para nós, esta é a corrida excêntrica", diz ele. "As regras aqui são diferentes do IMSA e eu tenho que agradecer ao nosso engenheiro que fez Le Mans 20 vezes e ganhou em quatro ocasiões até agora."

E sobre o carro, a velha e fiel Ferrari 458?

"Eu arriscaria um palpite de que nosso carro era o mais antigo da corrida. E com alguma margem", diz Segal. "Essa coisa foi construída em 2011."

À medida que o sol se pôs em Le Mans, o plano de jogo do carro # 62 começou a vingar.

"Estávamos entre um e três segundos mais rápidos que o líder Porsche a partir do pôr do sol", calculou Segal. "Foi aí que nós nos recuperamos e passamos à frente. Então voltamos ao plano."

"No ano passado, analisamos o que era preciso para ganhar. Era simples: tivemos algumas penalidades, que eram erros de principiantes por parte dos pilotos, tivemos algumas coisas mecânicas que eram bastante simples."

"Sabíamos o que tínhamos que mudar para corrigir os erros, e - surpreendentemente - nada de novo surgiu. Tivemos uma corrida perfeita nesse sentido."

A alegria do chefe da equipe

Giacomo Mattioli, que lida com Ferraris fora de Beverley Hills e do Vale do Silício, saboreou o sucesso de uma vida em provas de sportscar.

"Incrível, bastante surpreendente", diz ele. "Fomos lá no ano passado e foi a primeira vez para todos nós, incluindo os pilotos. Foi uma grande experiência de aprendizagem que acabou muito bem. Este ano, foram empenhados em fazer uma tentativa séria de vitória."

"Ganhar é sempre o nosso objetivo, mas estávamos muito conscientes quão difícil isso seria. Mas conhecíamos o carro bem e tivemos o ano de experiência, que nos fez uma enorme diferença."

"O nosso objetivo era elevado e decidimos ir com tudo e os pilotos fizeram um trabalho fantástico, estávamos realmente rápidos e muito eficazes."

"A equipe foi impecável, todos os pitstops foram ótimos e sem penalidades."

Usando ferramentas virtuais para melhorar o ritmo

Segal dirige seu próprio negócio de simulação para pilotos em Miami, a GPX Lab. Depois do pódio do ano passado, ele percebeu que era uma ferramenta que poderia desempenhar um papel importante em 2016.

"No ano passado nós não subestimamos o desafio, simplesmente não tínhamos o ritmo para competir", diz Segal. "Em nossos melhores stints, nós apenas nos igualamos os líderes."

"Tivemos um grande impulso para este ano. Eu e o Townsend melhoramos nossa velocidade, mas realmente quem fez a diferença foi Bill. Sua volta mais rápida foi seis segundos mais veloz do que no ano passado. Sua volta média na corrida foi segundos mais rápido do que a sua melhor volta de 2015. Essa foi a grande diferença."

"Eu forcei Bill praticar muito no meu simulador e Le Mans não é uma pista fácil. As velocidades são muito altas, então os riscos de erro são muito elevados."

"A volta é tão longa, por isso, se você pode conseguir um avanço, trabalhando em áreas que eram fracas, é vital. O simulador é uma grande parte disso e é por isso que as equipes de fábrica contam com eles. Basta olhar para os caras da fábrica, como eles atingiram grandes voltas em sua primeira volta. É por isso - eles são grandes pilotos - mas eles vêm aqui preparados."

"Tínhamos os dados da Ferrari do GTE Pro do ano passado, por isso tivemos algumas referências para melhorar o nosso carro."

Deixando a emoção rolar

Então, qual é a sensação de estar no topo do pódio na mais famosa corrida esportiva do mundo?

"Foi definitivamente surreal", diz Segal. "Fizemos esta corrida apenas duas vezes e na primeira vez que chegamos no pódio foi notável por conta própria. Já fiz muitas corridas de endurance e cada uma tem sua própria história."

"Eu diria que, teoricamente, nossos rivais tinham carros e pilotos que estavam mais rápidos. Mas eles tiveram problemas, eles cometeram erros. É uma corrida de 24 horas, é Le Mans!"

Mattioli acrescenta: "O pódio em Le Mans é um lugar especial, parece que há mais pessoas lá do que havia quando a corrida começou!"

"A paixão, o entusiasmo é incrível. Eu não sou um cara de fazer selfies, mas esse foi o único lugar que quebrei essa regra!"

compartilhar
comentários
Toyota revela razão da derrota na última volta em Le Mans
Artigo anterior

Toyota revela razão da derrota na última volta em Le Mans

Próximo artigo

Barrichello se anima após primeiro teste de LMP2

Barrichello se anima após primeiro teste de LMP2
Carregar comentários