Stock Car: Velopark colocará freios à prova em etapa dupla

Pista mais curta de todo o calendário exige frenagens intensas ao final de suas duas retas e gera altas temperaturas no conjunto de discos e pastilhas

Stock Car: Velopark colocará freios à prova em etapa dupla
Carregar reprodutor de áudio

Os motores da Stock Car voltam a roncar alto no próximo final de semana no circuito do Velopark, em Nova Santa Rita (RS). E vão roncar em dose dupla. O quinto encontro de 2022 será válido pela quinta e sexta etapas, totalizando quatro corridas da principal categoria do automobilismo brasileiro – duas no sábado (2) e duas no domingo (3).

Leia também:

O autódromo localizado a cerca de 30 quilômetros de Porto Alegre foi inaugurado em 2008, e recebeu a Stock Car pela primeira vez em 2010, com vitória de Ricardo Maurício. É o menor traçado do calendário, com apenas 2.278 metros. O autódromo retorna ao calendário depois de duas temporadas de ausência, e será a primeira vez que a nova geração dos Stock Car atuais, que entraram na pista pela primeira vez em 2020, correrá no circuito gaúcho.

As características do traçado não permitem aos carros alcançarem velocidades como as registradas por exemplo no circuito do Galeão, no Rio de Janeiro, onde os Stock Cars atingiram até 270 km/h durante a terceira etapa. Por ser mais curto, no Velopark os carros não devem passar dos 220 km/h.

Apesar de uma baixa velocidade média na volta (cerca de 145 km/h), os freios são bastante exigidos. O nível de demanda, em uma escala de 1 a 5 (da menor para a maior exigência) é 4 segundo os departamentos de engenharia da Fras-le e da Fremax, que fornecem, respectivamente, as pastilhas e discos de freio da categoria.

Isso porque o circuito tem duas retas que terminam em curvas de baixa velocidade. Na primeira curva do traçado, por exemplo, os carros reduzem de 215 km/h para cerca de 95 km/h em 140 metros, em uma freada de três segundos que gera 1,6 G de desaceleração. A curva 6, ao final da reta oposta, exige que os pilotos reduzam de 215 para 75 km/h em 155 metros e quatro segundos.

Isso, além do tamanho reduzido do circuito (2.278 metros e uma volta na casa de 55 segundos) e o fato de os carros andarem bem próximos uns dos outros e também dos muros, tornam o Velopark uma pista altamente exigente com os freios. De acordo com estimativas da Fras-le e da Fremax, as temperaturas médias do conjunto devem ser superiores às dos circuitos mais tradicionais. Os discos da Fremax são projetados para suportar até 720°C sem afetar durabilidade, segurança e eficiência, enquanto as pastilhas de freio Fras-le podem resistir a temperaturas superiores a 840°C.

“É uma pista curta, com duas retas – uma delas com 900 metros de extensão – que demandam fortes frenagens para as curvas seguintes. Isso exige bastante dos freios, e especialmente das temperaturas dos discos e pastilhas por causa do tamanho reduzido do traçado. São freadas intensas e os carros andam muito juntos, o que também dificulta o resfriamento do conjunto. O Velopark é um circuito desafiador, curto e travado, e também muito fechado nas laterais. Então as temperaturas de discos e pastilhas ficam um pouco acima da média por estes fatores. Neste tipo de pista o desgaste dos freios e pneus costuma ser mais elevado”, disse André Brezolin, engenheiro de projeto FRAS-LE & FREMAX.

Veja como foi a última etapa da Stock Car no Velocitta

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #183 - O que Alonso poderia fazer hoje em carro de ponta da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Stock Car: Hot Car vê chances de mais pódios no Velopark
Artigo anterior

Stock Car: Hot Car vê chances de mais pódios no Velopark

Próximo artigo

Stock Car: Júlio Campos projeta retorno ao pódio no Velopark

Stock Car: Júlio Campos projeta retorno ao pódio no Velopark