Série Pensamento dos líderes
Assunto

Série Pensamento dos líderes

Agag diz que o mundo agora está pronto para ouvir a Extreme E

Alejandro Agag é celebrado como um pioneiro do automobilismo sustentável, tendo criado não uma, mas duas categorias de corridas elétricas do zero. No início deste mês, ele organizou o evento inaugural da Extreme E, enquanto a Fórmula E está prosperando em sua sétima temporada. Para a última entrevista #ThinkingForward com os líderes do automobilismo, perguntamos a Agag como ele vê a evolução da Extreme E e se ele acredita que o automobilismo aproveitou com sucesso a oportunidade criada pela crise da pandemia para se remodelar para o futuro

Agag assumiu alguns grandes riscos com a Extreme E e havia um certo ceticismo sobre a ideia de competir com carros elétricos em locais remotos que foram devastados pela mudança climática. Apesar de alguns problemas iniciais com poeira, acidentes e formatos de corrida, o primeiro evento na Arábia Saudita foi bem e uma lista impressionante de pilotos e proprietários de equipes evoluiu, incluindo muitos nomes e campeões de todo o espectro do automobilismo. A categoria agora espera sua segunda rodada em maio, em Dakar, no Senegal, com confiança.

“Sinto-me aliviado, porque houve muitos desafios e muitos riscos, e muitas coisas poderiam ter dado errado. E conseguimos superar a maioria deles ”, diz Agag. “Havia muita expectativa, mas a reação foi fantástica. Acho que superamos nossas expectativas. Queremos melhorar, há lições a serem aprendidas da primeira corrida; a poeira, o formato de corrida, há muitos elementos que iremos ajustar, mas acho que o núcleo é fantástico."

 

Photo by: Alastair Staley / Motorsport Images

“O importante também foi termos todas essas grandes estrelas participando, ótimos pilotos, mulheres e homens. Para mim, a grande satisfação foi ver o sorriso em seus rostos ao saírem da Arábia Saudita. Grandes nomes, campeões mundiais de muitas categorias diferentes. Eles foram o verdadeiro 'teste' e ficaram muito felizes, porque agora sentem que a Extreme E - em que eles estão envolvidos, pela qual eles correram o risco, sendo um Lewis Hamilton, ou sendo um Nico Rosberg - vai ser algo muito grande.”

Uma das iniciativas inovadoras na Extreme E é ter um equilíbrio total de homens e mulheres na formação de pilotos de cada equipe, aproveitando a rara habilidade do esporte motorizado de colocar homens e mulheres competindo entre si em igualdade de condições. E isso parece ter contribuído para um ambiente diferente no paddock e na competição.

“Foi uma ótima vibe, devo dizer. As estrelas masculinas são mais conhecidas e as estrelas femininas nem tanto, então isso dá uma ótima plataforma para elas brilharem ao lado dessas grandes estrelas masculinas e se tornarem ainda maiores”, diz Agag. “Foi ótimo ver todos eles tendo um desempenho fantástico, com Molly Taylor ganhando a corrida. A vencedora que cruzou a linha foi uma mulher, isso foi realmente emocionante."

“Todas as pilotos do sexo feminino contribuem com uma grande vibração para todo o fim de semana de corrida. É uma atmosfera que eu nunca tinha experimentado no automobilismo, claro, porque esse formato nunca existiu antes. Então eu acho que realmente acertamos em cheio no formato, agora temos que torná-lo melhor porque temos que misturá-los mais. Foi muito emocionante disputar corridas com homens e mulheres uns contra os outros. Não importa a velocidade, porque você corre em equipe. O que importa é a dinâmica de toda a corrida.

 

Photo by: Charly Lopez / Motorsport Images

Agag sempre foi pioneiro e fez questão de combater o ceticismo, com a Fórmula E e agora com a Extreme E. O mundo mudou muito na última década desde que o presidente da FIA, Jean Todt, anunciou a criação de uma categoria de corrida elétrica e Agag venceu a concorrência para ser o promotor da Fórmula E. O mundo está mais pronto agora para abraçar um conceito como o da Extreme E, dada a forma como o debate sobre as mudanças climáticas evoluiu e também com os efeitos da pandemia.

“Definitivamente a Extreme E está chegando a um mundo muito mais aberto a iniciativas como a nossa. E a pandemia só acelerou isso ”, diz Agag. “O mundo passou por uma grande sacudida, um grande trauma com esta pandemia. Mas eu diria que isso é pequeno em comparação com o que experimentaremos com os graves efeitos das mudanças climáticas. Já estamos sentindo alguns, mas os efeitos virão um pouco mais tarde e serão muito maiores."

“A Extreme E tem essa filosofia de ação climática inclusiva, não queremos deixar ninguém de fora. Acreditamos que ninguém tem o direito de dizer quem pode e quem não pode fazer ações climáticas. Se uma empresa de petróleo deseja participar, quer ajudar e tem um projeto, quer se tornar neutra em carbono, ou quer empurrar tecnologia como captura de carbono - são bem-vindas. Todos são bem-vindos à ação climática e ninguém deve ficar de fora. A Extreme E quer ser uma plataforma inclusiva e também dar voz aos cientistas."

“Todos os cientistas com quem trabalhamos nos dizem: ‘Quando escrevemos um artigo, talvez 1.000 pessoas o leiam. Agora chegamos à Extreme E e nunca demos tantas entrevistas, fomos citados em jornais de todo o mundo, a Extreme E deu voz à ciência na ação climática."

“Acho que o mundo está ouvindo, agora o mundo está pronto para ouvir. Mas também está pronto para assistir esportes... Dizem que 24 dos 25 programas de TV que as pessoas mais assistem são sobre esportes. Portanto, se usarmos os esportes para fornecer uma plataforma para a ciência e ação quanto ao clima, mais pessoas vão querer ouvir a mensagem. Passamos uma mensagem às pessoas que não estão esperando pela mensagem. Essa é a beleza disso. Você não está pregando para os convertidos, você está indo para novos públicos para divulgar esta mensagem sobre a ação climática. E é por isso que queremos incluir todos”.

Entretanto, a primeira corrida na Arábia Saudita não foi perfeita, com a poeira sendo um problema específico, tornando a visibilidade dos carros difícil para os espectadores e até competidores. Agag admite que eles deveriam ter previsto isso, mas foi pego de surpresa ao testar no local quando as condições eram diferentes das do fim de semana de corrida.

 

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

“A poeira nunca está sob controle, porque é off-road, então você sempre tem isso”, diz Agag. “Mas não teremos tanta poeira em Dakar como na Arábia Saudita. Na verdade, quando estávamos testando a pista na Arábia Saudita em janeiro, havia muito menos poeira. Devíamos ter pensado nisso: em janeiro, a areia estava mais úmida. Agora estava mais seco e a poeira muito pior. Mas você sabe, os pilotos precisam se adaptar. Gostei muito do início dessas corridas com os pilotos 'lutando'. Mas vamos contornar isso, vamos ajustar o formato. Foi a primeira vez, perdemos algumas das ações às vezes, mas vamos melhorar isso".

“Acho que (a longo prazo) a Extreme E vai evoluir em direções diferentes. Eu acho que o impacto que podemos ter nos locais é importante, e em lugares diferentes ao redor do mundo, porque queremos ver o impacto que a Extreme E tem naquele local específico. Vai evoluir no número de equipes e pilotos, vamos conseguir mais. O interesse é muito grande depois do primeiro evento, por parte de outras equipes e de pilotos. Então, acho que vai evoluir nessa direção. Eventualmente, vamos evoluir no lado da tecnologia, embora precisemos limitar, por razões de orçamento, o desenvolvimento, como fazemos na Fórmula E.”

Quando falamos com Agag sobre esta categoria, há um ano, no início da pandemia, ele disse que seria um crime para o automobilismo não aproveitar a crise para se remodelar, cortar gastos e se tornar mais relevante. A Fórmula 1 fez algumas mudanças drásticas com um limite de custo rígido e muitas outras medidas, de modo que parece estar bem definida para o futuro. Será que Agag acha que o mundo do automobilismo aproveitou essa oportunidade?

 

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

"Eu penso que sim. Você pode ver mais evolução no automobilismo nos últimos meses do que em anos”, diz ele. “E eu acho que definitivamente a F1 fez um bom trabalho. E você pode ver, na verdade, que a Fórmula 1, eu acho, está em muito boa forma. Acho que o novo CEO é ótimo, Stefano (Domenicali). Acho que Chase (Carey) também fez um ótimo trabalho. Portanto, a F1 está em um bom lugar, mas também, em geral, o automobilismo aproveitou bem a oportunidade para cortar orçamentos, ficar mais razoável e ser mais 'verde'. Acho que o automobilismo é mais verde agora pelo tipo de onda que trouxemos para o esporte com a Fórmula E sete anos atrás, o que invadiu o automobilismo de todos os 'ângulos'. Eu estava conversando com Gerhard Berger (chefe do DTM), que é um bom amigo... Você deveria ter ouvido as coisas que ele costumava me dizer quando comecei a Fórmula E. Agora, ele está ficando 'elétrico', então imagine o quanto estou me divertindo! Logo, acho que a onda está realmente passando por todo o automobilismo, e isso é uma coisa boa."

compartilhar
comentários
F1: Entenda como corridas classificatórias devem impactar estratégias das equipes nos fins de semana
Artigo anterior

F1: Entenda como corridas classificatórias devem impactar estratégias das equipes nos fins de semana

Próximo artigo

F1: Binotto está "aliviado" com performance da Ferrari no começo de 2021

F1: Binotto está "aliviado" com performance da Ferrari no começo de 2021
Carregar comentários