Por que pilotos ‘reais’ podem surpreender nas 24 Horas de Le Mans virtual

compartilhar
comentários
Por que pilotos ‘reais’ podem surpreender nas 24 Horas de Le Mans virtual
Por:

Espera-se que especialistas em simuladores dominem prova deste fim de semana, mas duas equipes de alto nível estão confiando em suas formações de pilotos ‘reais’

Há uma máxima no automobilismo que a primeira pessoa a ser vencida é o seu companheiro de equipe, mas e quando esse companheiro está compartilhando o mesmo carro?

A dinâmica única e os desafios das corridas de endurance significam que os pilotos devem trabalhar em uníssono para garantir que possam otimizar a velocidade de sua máquina, ficar longe de problemas e, o que é mais importante, chegar até o fim.

Leia também:

Uma formação repleta de estrelas de pilotos da vida real está pronta para competir ao lado e contra pilotos de simuladores, mas duas equipes na classe LMP resistiram à tendência e optaram pela abordagem incomum de não incluir nenhum piloto de simulador em suas listas e, em vez disso, terão confiar na experiência da vida real dos pilotos.

Uma delas é a poderosa equipe Penske, com Juan Pablo Montoya, Simon Pagenaud, Dane Cameron e Ricky Taylor competindo juntos. Montoya não é um estranho no endurance, tendo competido nas 24 Horas de Le Mans da vida real em 2018 e participando regularmente das 24 Horas de Daytona, conseguindo vitórias em 2007, 2008 e 2013.

#22 United Autosports Oreca 07 LMP2: Filipe Albuquerque, Alex Brundle, Job Van Uitert, Tom Gamble

#22 United Autosports Oreca 07 LMP2: Filipe Albuquerque, Alex Brundle, Job Van Uitert, Tom Gamble

Photo by: United Autosports

"Acho que é definitivamente uma maneira que eu diria que talvez seja uma desvantagem", diz ele. "Mas acho que pela dinâmica de fazer uma corrida de 24 horas é uma vantagem, porque fizemos corridas, com tráfego, realmente entendemos isso.”

"Mas do ponto de vista da velocidade, os especialistas em simuladores sempre têm uma grande vantagem sobre nós. Então, a única maneira de realmente, se você quiser compensar a velocidade, é fazer o que um cara como Fernando [Alonso] está fazendo, passar horas e horas no simulador. Estou disposto a me preparar bem, mas não estou disposto a sacrificar minha vida por duas semanas.”

"Nunca conversamos sobre isso [de ter um especialista] e honestamente, temos um relacionamento tão bom entre nós quatro e trabalhamos tão bem juntos, o que torna muito divertido."

A Penske não é a única equipe a usar uma formação de pilotos da vida real, pois a United Autosports terá Filipe Albuquerque, Alex Brundle, Job van Uitert e Tom Gamble. O co-proprietário da equipe Richard Dean acredita que o evento deste fim de semana também é uma grande oportunidade para os membros juniores da equipe se envolverem em uma corrida de 24 horas sem a pressão de realmente competir nas 24 Horas de Le Mans.

Track action

Track action

Photo by: Xynamic

James Baldwin, campeão do eROC, disputará o evento pela Veloce Esports e acredita que o fato de ser um game significa que a experiência da vida real - especialmente no que diz respeito ao setup - pode ser uma desvantagem.

"Se eles não tiverem um piloto especialista envolvido na corrida para o evento ou não tiverem contato com nenhum para ajudá-lo, isso definitivamente será uma desvantagem a eles, porque não há como um piloto real que não esteja envolvido descubra algumas das coisas que você precisa saber para montar seu equipamento corretamente para ser o mais rápido possível", disse ele.

"A configuração do carro não é lógica de várias maneiras, porque é um jogo, o carro pode ser configurado de uma maneira muito peculiar que não funcionaria na vida real, mas funciona neste simulador em particular".

Fundamentalmente, parece que a falta de velocidade total prejudicará as chances da Penske e da United Autosports, mas, como nas corridas de resistência da vida real, o carro mais rápido nem sempre prevalece.

Assim como os pilotos reais neste final de semana terão que enfrentar fadiga, condições variáveis ​​e tráfego, e é nessas situações que Montoya acredita que o carro da Penske pode se encontrar em vantagem.

Afinal, ainda é uma corrida de 24 horas em que o inesperado é esperado e uma cabeça sábia em ombros firmes pode fazer toda a diferença.

"Na vida real, quando você pega tráfego de GT, por exemplo, eles são muito mais cuidadosos, estão dispostos a dar espaço por entender as consequências", acrescentou Montoya.

"No jogo, notei que quando você pega as pessoas elas tornam as coisas muito mais difíceis. Então, você precisa estar muito mais consciente e sempre esperar que as pessoas façam coisas idiotas. E eu penso que se você tem simuladores em carros GT, a velocidade deles é muito boa, mas eles não têm a experiência das corridas de 24 horas.”

"Acho que temos uma boa equipe, temos um bom plano, acho que vamos ter um pouco de velocidade, mas no final do dia e, especialmente em Le Mans, você precisa sobreviver. Você precisa garantir que não cometa um erro estúpido."

A cobertura do evento será transmitida pelo Motorsport.com a partir das 10h, horário de Brasília, neste sábado.

Entrevista de Rubens Barrichello: piloto conta as histórias e as polêmicas da F1

PODCAST: Massa revela 'causos' hilários com Schumi, Kimi, Leclerc e cia

 

Novo piloto Crown e W2, Daniel Mageste acumula vitórias nas pistas e nos simuladores

Artigo anterior

Novo piloto Crown e W2, Daniel Mageste acumula vitórias nas pistas e nos simuladores

Próximo artigo

ByKolles e Porsche garantem pole para 24 Horas no Le Mans virtual

ByKolles e Porsche garantem pole para 24 Horas no Le Mans virtual
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria eSports
Evento Le Mans 24 Virtual
Autor Stefan Mackley