Alonso bateu a 305 km/h e sofreu impacto máximo de 46G

Detalhes do incrível acidente de Fernando Alonso em Melbourne: relatório da FIA mostra toda a dinâmica da batida a 305 km/h. Espanhol sofreu impacto de 46G

Alonso bateu a 305 km/h e sofreu impacto máximo de 46G
Acidente envolvendo Fernando Alonso e Esteban Gutierrez
Fernando Alonso, McLaren
Fernando Alonso, McLaren
Esteban Gutierrez, Haas F1 Team and Fernando Alonso, McLaren
Acidente envolvendo Fernando Alonso e Esteban Gutierrez
Acidente envolvendo Fernando Alonso e Esteban Gutierrez
Acidente envolvendo Fernando Alonso e Esteban Gutierrez
Acidente envolvendo Fernando Alonso e Esteban Gutierrez
The McLaren MP4-31 of Fernando Alonso, McLaren is recovered back to the pits
Carregar reprodutor de áudio

Dados da investigação do acidente sofrido por Fernando Alonso no GP da Austrália revelam que o piloto espanhol bateu a 305 Km/h e o impacto chegou a 46G (46 vezes a força da gravidade.

O piloto da McLaren saiu praticamente ileso enquanto sua McLaren ficou completamente destruída. Lesões nas costelas tiraram o bicampeão da corrida seguinte, no Bahrein.

O incidente foi o primeiro em que a FIA pôde usar nova câmera direcionada para a traseira dos carros a fim de entender melhor o que acontece nas batidas. Foi essa gravação, junto com os dados de bordo, que detalharam o que aconteceu.

Um relatório sobre o episódio foi publicado na última edição da revista da FIA. Ele revela o quão violento foi o acidente.

As análises mostram que Alonso estava a 313 km/h quando tentou ultrapassar Esteban Gutierrez. O impacto da McLaren com a traseira do carro da Haas aconteceu a 305 km/h.

Com a suspensão dianteira quebrada, o carro de Alonso colidiu e se arrastou pelo muro lateral à pista com um pico de desaceleração de 45G.

A câmera de alta definição revelou que a cabeça de Alonso atingiu a parte esquerda do suporte de cabeça por duas vezes durante o acidente.

Ao deslizar pela grama, o carro capotou – o que resultou numa desaceleração lateral de 46G – girando 540 graus e ficando no ar por 0s9.

Ao aterrissar, a traseira do carro absorveu o impacto sobre a estrutura com uma aceleração longitudinal de 20G.

O relatório conclui : "Do impacto inicial a 305 km/h, o carro de Alonso conseguiu suportar três grandes desacelerações e uma fase no ar sem grandes consequências e lesões para o piloto, sobretudo por conta dos extensos e eficientes sistemas de segurança que funcionaram bem para esse propósito”.

Para Laurent Mekies, chefe do Instituto de Pesquisas da FIA, as lições do acidente de Alonso – especialmente a gravação do vídeo – irão contribuir para haver ainda mais segurança no futuro.

“O que queremos entender é a exata dinâmica da cabeça, pescoço e ombros num acidente com altas forças G, e como isso interage com as outras partes do ambiente do cockpit como HANS, cintos e tudo o mais que existe no espaço do piloto".

compartilhar
comentários
Por futebol, Globo deixa de exibir ao vivo GP do Canadá
Artigo anterior

Por futebol, Globo deixa de exibir ao vivo GP do Canadá

Próximo artigo

Surpresa com ritmo, Red Bull espera mais no 2º semestre

Surpresa com ritmo, Red Bull espera mais no 2º semestre