ANÁLISE: Fracasso de motor Ferrari em 2020 servirá de alerta a outras equipes

Assim como foi no ano passado, equipes não poderão trazer atualizações de unidades de potência em 2021, o que reforça a necessidade de não errar desde o início

ANÁLISE: Fracasso de motor Ferrari em 2020 servirá de alerta a outras equipes

A Ferrari teve uma temporada dolorosa no ano passado na Fórmula 1, quando um motor com baixa potência deixou Charles Leclerc e Sebastian Vettel com dificuldade na briga contra seus rivais.

Mas enquanto a extensão dos problemas da equipe de Maranello era evidente nos testes de pré-temporada, foi na verdade uma mudança de regra relacionada à Covid que selou seu destino para toda a campanha.

Como parte das medidas de redução de custos introduzidas para ajudar a F1 a sobreviver à crise financeira desencadeada pela pandemia, uma série de limitações foi imposta às atualizações de carros e unidades de potência.

Leia também:

Uma delas foi a imposição de um congelamento do motor, o que fez com que a especificação da unidade de força usada no início da temporada fosse a única que poderia ser usada para o resto do ano.

Isso significava que, embora a Ferrari soubesse quais melhorias precisava fazer para recuperar a potência perdida, não havia nada que pudesse fazer durante a temporada para resolver esse déficit.

Em declarações no final do ano passado, o chefe da Ferrari, Mattia Binotto, disse que se as regras estivessem completamente abertas, sua equipe teria priorizado as atualizações do motor.

“Se, em 2020 não tivéssemos sido congelados, acho que a unidade de potência seria a primeira que tentaríamos resolver”, disse ele.

“E eu acho que teríamos feito uma atualização certamente em 2020 antes de chegarmos a 2021. Eu acho que a atualização que podemos ter feito teria sido pelo menos suficiente para não ser a pior unidade de potência do grid.”

A experiência pela qual a Ferrari passou no ano passado, de efetivamente ter as mãos atadas em termos do que poderia fazer, é um alerta sobre as tensões que os fabricantes de F1 enfrentam em 2021.

A regra de congelamento de motor permanece em vigor, então a especificação que será usada para a abertura da temporada no GP do Bahrein será aquela que deve ser seguida para toda a campanha. Não haverá uma segunda chance para resolver qualquer deficiência.

O diretor técnico da Mercedes, James Allison, deixou claro na semana passada que o pessoal que trabalha na unidade de potência estava enfrentando um inverno estressante e ele disse que era um "desafio significativo".

“Além do fato de que o impulso que a empresa da unidade de energia tem para encontrar mais desempenho de seu PU e o intenso esforço para isso, eles tiveram que fazer isso em um contexto de ambiente de regras onde há menos oportunidades para erros”, disse ele.

“Em anos anteriores, havia três oportunidades discretas no ano em que um upgrade para o PU poderia chegar. Com cada novo PU, você poderia ter um design diferente e, com sorte, aumentar o desempenho com cada unidade que trouxe para a pista.”

“Em 2021, você terá apenas uma oportunidade de colocar essa atualização de desempenho em prática. Portanto, você precisa saber que pode acumular o máximo de coisas boas possível nessa atualização e, em seguida, mantê-la firme, porque você só tem aquela chance.”

A situação pode ser bastante crítica para o futuro da Red Bull, pois ela aguarda uma resposta da Comissão da F1 sobre se as equipes rivais apoiarão um congelamento total do motor de 2022 a 2025.

A equipe sediada em Milton Keynes tem um acordo provisório com a Honda para assumir o projeto da fabricante japonesa quando ela deixar a F1 no final do ano.

Mas o negócio só pode ir adiante se houver um congelamento no desenvolvimento para o próximo ano, já que a Red Bull não pode arcar com os enormes custos que viriam da necessidade de atualizar o motor.

A situação é bastante complicada porque a Renault planeja introduzir um novo motor para 2022, então não quer ter que mudar seus próprios planos para se adequar a um congelamento precoce.

Parece que alguma forma de compromisso será acertada no final, mas isso significa que, sem espaço para o desenvolvimento de sua própria unidade de potência a partir do Bahrein 2021 até que novas regras entrem em vigor, o destino de curto prazo da Red Bull na F1 enfrenta um momento de definição em termos de como será nas primeiras corridas da próxima temporada.

O trabalho que a Honda fez neste inverno para diminuir a diferença para a Mercedes será, portanto, especialmente crítico - embora as mensagens que saem da fábrica da empresa pareçam ser bastante encorajadoras.

Questionado sobre quais eram as indicações do Japão no final do ano passado, Verstappen disse: “Sim, eles estão muito positivos, mas sei também que os outros times não estão parados. Eles também estão trabalhando muito para melhorar. Com sorte, é claro, podemos diminuir um pouco a diferença. Mas vamos descobrir.”

Com a contagem regressiva em andamento para os testes e a corrida no Bahrein, não são apenas os novos carros que estarão sob análise - porque o desempenho dos motores no início será decisivo nas batalhas que virão.

E a dor da temporada da Ferrari no ano passado é uma lição valiosa sobre o preço que pode ser pago se você não acertar as coisas desde o início.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

DEBATE: Qual ALONSO teremos na temporada de RETORNO à F1? O POLÊMICO ou o ‘PAZ E AMOR’?

PODCAST: Vettel, Alonso, Ricciardo, Pérez ou Sainz? Quem entra em 2021 mais pressionado?

 

compartilhar
comentários
Gasly é o sexto piloto da F1 a testar positivo para Covid-19
Artigo anterior

Gasly é o sexto piloto da F1 a testar positivo para Covid-19

Próximo artigo

ANÁLISE: A Renault aposta na Williams como equipe cliente na F1?

ANÁLISE: A Renault aposta na Williams como equipe cliente na F1?
Carregar comentários