Análise

ANÁLISE - Honda: as hesitações de uma marca que não tem estratégia

A empresa japonesa formalizou o retorno na carroceria da Red Bull pouco antes da equipe de Milton Keynes tornar público o acordo com a Ford; em Tóquio, eles decidiram assinar acordo de 2026

Honda Logo

A lista de fabricantes de motores presentes para a nova era da Fórmula 1 em 2026, oficializada na última sexta-feira pela FIA, respondeu a uma pergunta ainda pendente: a Honda estará lá. Entrar na lógica das escolhas feitas nos últimos quinze anos pelos executivos da empresa japonesa é uma viagem a um labirinto de decisões às vezes até autodestrutivas e sem um fio lógico real que ligue as várias etapas.

Leia também:

O último ato da empresa, antes do retorno oficializado na última sexta-feira, é datado de 2 de outubro de 2020, quando foi anunciada uma despedida sensacional com um comunicado que pegou toda a F1 de surpresa. O CEO Takahiro Hachigo motivou a escolha como um passo relacionado à transformação da indústria automotiva. “Nosso objetivo é ser neutro em carbono até 2050 – declarou Hachigo – e as escolhas que estamos fazendo apontam para esse objetivo”. Entre estes, pelo menos oficialmente, houve também o cancelamento do programa esportivo da categoria.

Tudo isso poucos meses antes do início da temporada 2021, ou seja, aquela em que Red Bull e Max Verstappen conquistaram o título mundial de pilotos graças também ao trabalho realizado pela Honda. No entanto, um apoio que se tornou transparente na mídia, já que foi mais a contagem regressiva para a despedida do que o desafio técnico vencido contra a Mercedes que virou notícia. Um passo em falso, especialmente considerando o enorme esforço técnico e financeiro feito desde 2015, ano da estreia da unidade de potência japonesa na McLaren.

Il campione dei piloti 2021 Max Verstappen, Red Bull Racing, 1a posizione, festeggia a Parc Ferme con la sua squadra, tra cui Helmut Marko, consulente, Red Bull Racing e Masashi Yamamoto, direttore generale, Honda Motorsport

Il campione dei piloti 2021 Max Verstappen, Red Bull Racing, 1a posizione, festeggia a Parc Ferme con la sua squadra, tra cui Helmut Marko, consulente, Red Bull Racing e Masashi Yamamoto, direttore generale, Honda Motorsport

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Antes do sucesso no mundial de 2021, a Honda passou por anos muito difíceis, com momentos humilhantes como o famoso "motor GP2" pronunciado no rádio por Fernando Alonso em Suzuka. A conclusão da relação com a McLaren também foi humilhante, mudando para motores Renault 'por desespero', a ponto de abrir mão de grande parte do orçamento garantido pela fabricante nipônica para trocar a unidade de potência.

Para se manter na Fórmula 1, a marca japonesa se agarrou à Sauber, depois também foi dispensada pela equipe suíça antes mesmo de iniciar o relacionamento, e se salvou graças ao acordo com a AlphaTauri, porta de entrada para o universo Red Bull.

As circunstâncias no final se mostraram afortunadas, mas após uma longa e cansativa jornada, em Tóquio eles conseguiram se afastar às vésperas do título mundial, saindo dos holofotes em uma das temporadas mais emocionantes de toda a história do categoria.

"É o preço a pagar por quem almeja o Full-Electric", comentaram em diversas ocasiões os chefes do programa de automobilismo da Honda, mas nem um ano depois da histórica decisão de "parar", as primeiras indiscrições sobre isso começaram a chegar para um possível repensar.

Parecia uma história pouco confiável, não havia lógica que tornasse os rumores críveis e, ao contrário, era tudo verdade. Mas há mais. Depois de se afastar nas temporadas em que um de seus motores venceu, a Honda refez seus passos ao anunciar oficialmente o retorno sem ter em mãos um acordo com uma equipe de referência.

Potenziale livrea per la Red Bull-Ford

Potenziale livrea per la Red Bull-Ford

Photo by: Camille De Bastiani

Em tudo isto em Tóquio conseguiram perder a relação com a Red Bull, que é a melhor opção possível para um fabricante de motores, visto que entretanto Christian Horner fez um acordo com a Ford. 

Neste cenário também está garantida uma ajuda indireta à equipe britânica que, depois de abrir o seu departamento de powertrain em Milton Keynes, teve a possibilidade de acessar o know-how da Honda, um contribuição preciosa tendo em vista o desenho da sua própria unidade independente de potência.

Quem acompanha de perto os acontecimentos da Honda motiva esse imprevisível e sem fio lógico como consequência das mudanças no topo da empresa. Foi Ito Takanobu quem anunciou o programa em 2013 para aprovar o regresso da fabricante nipónica à Fórmula 1, tendo passado para o desafio “híbrido”.

Logo após sua estreia nas pistas com a McLaren, seu papel foi assumido por Takahiro Hachigo, e a ele devemos a decisão para 2020. Um ano depois, a presidência do CEO passou para Toshihiro Mibe, que queria o retorno anunciado oficialmente na semana passada.

No momento, a única certeza é que uma unidade de potência será projetada e construída na sede da Sakura com base no regulamento de 2026, com grande dúvida sobre a equipe que a levará para a pista. Há rumores de que também há um programa 'completo' na mesa dos executivos japoneses, ou seja, a compra de uma das equipes atualmente presentes na Fórmula 1 (Williams) para se apresentar com uma equipe totalmente 'made in Honda' .

Este também seria um retorno, que retomaria o programa abruptamente interrompido em 5 de dezembro de 2008, quando o então CEO Takeo Fukui anunciou o abandono imediato de todas as atividades relacionadas à Fórmula 1.

Jenson Button, Brawn GP BGP001 Mercedes

Jenson Button, Brawn GP BGP001 Mercedes

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Uma decisão que ficou histórica, e lembrada como uma das mais infelizes de toda a história deste esporte. O chefe de equipe da Honda F1, Ross Brawn, não desanimou e realizou uma obra-prima de gestão empresarial e corporativa, assumindo a equipe por 1 libra e ainda garantindo um apoio financeiro substancial da própria Honda para dar continuidade à equipe, rebatizada de Brawn GP. No final do ano, Jenson Button e Brawn GP foram campeões mundiais com o motor Mercedes, e a Brawn vendeu a equipe para a estrela por 100 milhões de libras…

Como a Red Bull-Ford impacta Honda, Porsche e toda a F1; veja debate

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast: novo chefe da Ferrari erra ou acerta nos primeiros atos?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Albon abre o jogo e diz que Williams tem “longo caminho pela frente”
Próximo artigo Sargeant: F1 passará NASCAR como categoria mais popular dos EUA

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil