Fórmula 1 Lançamento da Williams

F1: Albon abre o jogo e diz que Williams tem “longo caminho pela frente”

Piloto não esconde que equipe tem dificuldades a resolver e que até novo companheiro de equipe já percebeu as falhas

Williams FW45

Alex Albon admitiu que a Williams tem um “longo caminho pela frente” enquanto tenta progredir no pelotão este ano.

Williams terminou em 10º no mundial de construtores da Fórmula 1 do ano passado, tendo marcado apenas oito pontos – 27 a menos que os rivais mais próximos, a AlphaTauri.

Leia também:

Albon enfatizou que ele e o novo piloto Logan Sargeant terão que trabalhar juntos para ajudar a desenvolver o novo FW45, que estará na pista na próxima semana.

No entanto, ele admitiu que não será fácil, pois a equipe precisa dar grandes passos em relação ao ano passado.

“Obviamente, Logan está chegando com uma nova experiência ou, digamos, menos experiência do que alguém como eu”, disse Albon.

“Mas é meio que tentar manter isso real. Muito disso é apenas tentar trabalhar em conjunto. Temos um longo caminho pela frente, realisticamente falando.

“Nós guiamos no simulador por um mês, estamos fazendo incursões. O principal é que o feedback é o mesmo, temos áreas semelhantes nas quais queremos que o carro melhore.

“E como dissemos antes, é um verdadeiro esforço de equipe aqui trazer o carro para o grid. Precisamos ser abertos e honestos sobre onde estamos e ver como isso se desenrola no Bahrein."

Alexander Albon, Williams

Alexander Albon, Williams

Photo by: Erik Junius

Albon não quer fazer previsões sobre o potencial da equipe em 2023.

"É difícil dizer", disse ele. "Eu diria que estamos definitivamente em uma posição melhor do que no final do ano passado. Mas não sei como isso se traduz no circuito, não sei o tamanho do passo que todos os outros vão dar. Só o tempo irá dizer.

"Quando você guia em um simulador, há muitas coisas diferentes que podem ser enganadas, correlação e outras coisas, você nunca sabe. Então, por enquanto, estamos em um lugar melhor. Mas é difícil dizer realmente onde estamos. "

Expandindo as principais áreas que precisavam ser abordadas para este ano, ele acrescentou: “Havia fraquezas claras no carro. Não sou só eu, também Nicky [Latifi] no ano passado, Logan também guiou o carro no ano passado. Havia fraquezas bastante óbvias no carro.

“Posso dizer que a frenagem dianteira em baixa velocidade foi um grande problema para nós no ano passado e estamos tentando contornar isso e entender por que foi tão difícil.

“Portanto, em áreas como essa, há um objetivo comum para melhorar o carro e essas áreas, não sou apenas eu. Os objetivos são bem claros.

“Logan, mesmo no ano passado, ele teve um feedback semelhante, ele conhece os problemas do carro, não é totalmente novo para ele, a sensação do carro. Ele chega aonde o carro precisa ser mais rápido. Portanto, todos estão envolvidos no desenvolvimento e tentando resolver os pontos fracos que tínhamos.”

Como a Red Bull-Ford impacta Honda, Porsche e toda a F1; veja debate

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast: novo chefe da Ferrari erra ou acerta nos primeiros atos?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Gulf não descarta pintura especial para Williams e fala de "fim natural" com McLaren
Próximo artigo ANÁLISE - Honda: as hesitações de uma marca que não tem estratégia

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil