Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: A Red Bull "curou" suas anomalias aerodinâmicas com truque da asa dianteira?

compartilhar
comentários
Análise técnica: A Red Bull "curou" suas anomalias aerodinâmicas com truque da asa dianteira?
Por:
, Especialista
Co-autor: Matt Somerfield

Confira estratégia da Red Bull que pode ter resolvido os problemas aerodinâmicos da equipe em 2020

O RB16 da Red Bull começou a temporada de Fórmula 1 com dificuldades, admitindo no início da campanha que tinha algumas anomalias aerodinâmicas. Em uma tentativa de superar seus problemas, a equipe de Milton Keynes não só traz atualizações regulares, mas também faz comparações diretas em ambos os carros para descobrir onde poderia ter dado errado.

Como resultado, a asa dianteira, um aspecto do carro que sempre pareceu ser um dos pontos fortes da Red Bull, já passou por várias transformações nesta temporada.

Leia também:

Os mecânicos da Red Bull, que geralmente são muito cuidadosos sobre como mostram a asa dianteira do carro, inadvertidamente expôs seu design interno momentaneamente, dando-nos a visão de um sulco que foi feito na parte inferior da região da plataforma.

Red Bull Racing RB16 front wing footplate detail

Red Bull Racing RB16 front wing footplate detail

Photo by: Giorgio Piola

Esta é uma seção particularmente sensível da asa. Principalmente porque as equipes estão lutando contra constantes mudanças de pressão devido à mudança constante da altura do carro e à proximidade da asa ao solo.

Além disso, eles também procuram montar estruturas de fluxo que lidem com a esteira de turbulência criada pelo pneu dianteiro, que pode ser prejudicial ao desempenho do piso a jusante.

As equipes lidam com isso de maneira muito diferente e você frequentemente verá mudanças feitas na região da placa de pé para alterar a forma e a força do vórtice que é derramado, alterando subsequentemente a turbulência criada pela roda dianteira.

A descoberta deste sulco sob a asa dianteira do RB16 tem algumas conotações interessantes, pois a equipe claramente olhou para as regras de uma maneira diferente e este espaço negativo terá um impacto na distribuição de pressão.

Também levanta a questão de saber se isso é parte de um sistema maior, que provavelmente seria usado para melhorar o desempenho de outros aspectos da asa dianteira também.

Como tal, é interessante notar que, como parte de seu trabalho de desenvolvimento contínuo, a Red Bull introduziu um design de placa terminal várias corridas atrás com o que parecem ser orifícios de ventilação localizados no canto superior traseiro.

Red Bull Racing RB16 front wing endplate detail

Red Bull Racing RB16 front wing endplate detail

Photo by: Giorgio Piola

Se a asa é realmente oca e o fluxo de ar está sendo alimentado da parte inferior da asa para este canto superior, o efeito resultante seria manipular o vórtice derramado na ponta da asa.

Isso é algo que tem sido uma prioridade para as equipes desde que os regulamentos foram alterados, e vimos as equipes alterarem o formato da placa final para se acomodar.

Front wing endplate of the Red Bull Racing RB15

Front wing endplate of the Red Bull Racing RB15

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

A Red Bull, como algumas das outras equipes, teve um entalhe no canto superior traseiro da placa final na temporada passada para alterar os efeitos desse vórtice. Os orifícios de sopro aparecem nesta área.

Determinar o momento exato em que esse design de asa dianteira entrou em uso é uma tarefa ingrata, pois tirar uma foto da parte inferior da asa dianteira é uma questão de extrema sorte.

Um fotógrafo precisa estar no pitlane quando uma asa é levantada pelos mecânicos ou na pista quando ocorre um acidente que exige que o carro saia do circuito.

Alexander Albon, Red Bull Racing RB16 being recovered after crashing

Alexander Albon, Red Bull Racing RB16 being recovered after crashing

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

Um exemplo disso seria o acidente de Albon durante os treinos livres no GP da Inglaterra, que, como você notará, mostra a asa dianteira desprovida da fenda na parte inferior da plataforma.

Como outras equipes estão lidando com suas asas dianteiras

Ferrari SF1000 front wing comparison

Ferrari SF1000 front wing comparison

Photo by: Giorgio Piola

A Ferrari atualmente tem duas configurações diferentes em uso, dependendo das características do circuito que está visitando. O vórtice resultante tem uma taxa de dispersão diferente, embora também tenha um efeito diferente nas estruturas de fluxo.

Racing Point RP19, front wing comparsion

Racing Point RP19, front wing comparsion

Photo by: Giorgio Piola

A Racing Point tentou várias soluções ao longo de 2019 na tentativa de recuperar o desempenho, com a equipe concentrando seus esforços principalmente no comprimento da plataforma.

McLaren MCL35 front wing detail

McLaren MCL35 front wing detail

Photo by: Giorgio Piola

A McLaren tem estado ocupada, tentando adotar uma filosofia aerodinâmica revisada durante 2020, com a seção externa da asa dianteira mudada bem no início do caminho de desenvolvimento para lidar com a esteira do pneu dianteiro de forma diferente.

Alfa Romeo C38 endplate design, German Grand Prix

Alfa Romeo C38 endplate design, German Grand Prix

Photo by: Giorgio Piola

A Alfa Romeo também tem trabalhado diligentemente em seu design da placa de pé, incorporando um perfil arqueado que tem sua própria barra na parte inferior e otimizado em várias ocasiões.

Como podemos ver pelas várias soluções sendo implantadas, as mudanças que foram feitas nos regulamentos em 2019 tornaram muito mais difícil para as equipes utilizarem a parte externa da asa dianteira como um dispositivo de condicionamento de fluxo.

É por isso que as cascatas, asas e barbatanas que antes eram montadas na superfície superior da asa foram amplamente erradicadas.

Mercedes-AMG F1 W10 front wing detail
Alfa Romeo Racing C38 front wing detail

É por isso que inicialmente vimos modelos de design diferentes surgirem, com a Mercedes e a Red Bull optando por um design carregado, enquanto que equipes como Ferrari, Alfa Romeo e Alpha Tauri preferiam um design descarregado.

Ambas as soluções esperavam criar ‘outwash’, embora de uma forma diferente para ajudar a lidar com a turbulência da esteira criada pelo pneu dianteiro e melhorar o desempenho a jusante.

Enquanto isso, abaixo da asa, o mobiliário aerodinâmico que pode ser implantado também foi significativamente limitado, com apenas duas barras de controle disponíveis, o que significa que a região da plataforma, que é um pouco mais livre em termos do que pode ser feito, tornou-se um ponto focal para o desenvolvimento.

Red Bull Racing RB16 new front wing with holes detail

Red Bull Racing RB16 new front wing with holes detail

Photo by: Giorgio Piola

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

VÍDEO: As 5 maiores tretas entre campeões da F1

PODCAST: Recordes de Hamilton e Schumacher são comparáveis?

 

F1: Racing Point acredita que FIA conseguiu barrar evolução de downforce das equipes

Artigo anterior

F1: Racing Point acredita que FIA conseguiu barrar evolução de downforce das equipes

Próximo artigo

Lenda da F1, Raikkonen faz 41 anos: veja 41 'mitadas' do campeão

Lenda da F1, Raikkonen faz 41 anos: veja 41 'mitadas' do campeão
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Giorgio Piola