Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Conheça a evolução do bargeboard e entenda porque a F1 se livrou dele para 2022

Após uma experiência inicial da McLaren em 1993, componente ganhou papel fundamental na aerodinâmica da F1 na era turbo híbrida

Conheça a evolução do bargeboard e entenda porque a F1 se livrou dele para 2022
Carregar reprodutor de áudio

O design completamente novo para o carro de 2022 da Fórmula 1 significa o fim da linha para o bargeboard, que vinha ocupando um papel central entre os elementos aerodinâmicos do esporte por décadas.

Ross Brawn, junto com o Grupo de Trabalho Técnico da F1, imediatamente colocou essa complexa solução como uma das mudanças necessárias para reduzir a carga aerodinâmica criada pelos carros, em busca de permitir que os pilotos possam seguir uns aos outros mais facilmente no futuro.

Leia também:

Nos anos recentes, a abertura do regulamento técnico nessa região permitiu que os bargeboards se tornassem tão complexos que acabaram brotando várias subseções que receberam o título de "complexo do bargeboard".

Mas essa área teve um início bem mais humilde, então, como forma de despedida, vamos olhar para como a vida dessa parte começou e como se tornou uma superfície aerodinâmica incrivelmente poderosa com o passar dos anos.

McLaren MP4-8 airflow

McLaren MP4-8 airflow

Photo by: Giorgio Piola

O McLaren MP4-8 (acima) foi o primeiro carro de F1 a surgir com algo que podemos considerar um bargeboard: uma peça simples e única, montada entre a suspensão dianteira e os sidepods. Porém, enquanto esses apêndices estiveram presentes na primeira corrida da temporada, em Kyalami, eles já não estavam no carro quando as equipes foram ao Brasil para a segunda etapa.

Sua volta foi no GP da Europa em Donington Park, o palco de uma das maiores exibições de Ayrton Senna, onde o brasileiro, largando em quarto, perdeu uma posição na largada, mas completou a primeira volta já em primeiro, passando Michael Schumacher, Karl Wendlinger, Damon Hill e Alain Prost.

Os bargeboards não apareceriam novamente até Mônaco, fazendo ainda mais uma aparição na Hungria, sugerindo que a equipe a utilizava em pistas que necessitavam de uma configuração aerodinâmica levemente diferente, notoriamente as de maior downforce.

Os bargeboards ajudavam a posicionar o fluxo de ar ao redor da traseira do carro de modo diferente, passando o fluxo à frente dos sidepods e do assoalho para melhorar a performance em situações de velocidade baixa.

Ayrton Senna, McLaren MP4/8 Ford

Ayrton Senna, McLaren MP4/8 Ford

Photo by: Motorsport Images

O que havia antes do bargeboard?

O MP4/8 tinha o que considerávamos um bargeboard tradicional, mas pode ser discutido que haviam outros exemplos anteriores, com as equipes usando um defletor do fluxo da roda menor atrás do pneu dianteiro nos anos 1980.

Veja a galeria usando as setas em seu teclado ou clicando na imagem:

McLaren MP4-2B de 1985: Detalhe da palheta giratória
McLaren MP4-2B de 1985: Detalhe da palheta giratória
1/6

Foto de: Giorgio Piola

Lotus 97T
Lotus 97T
2/6

Foto de: Giorgio Piola

Alfa Romeo 185T de 1985: Vista de cima com detalhes
Alfa Romeo 185T de 1985: Vista de cima com detalhes
3/6

Foto de: Giorgio Piola

Benetton B186 de 1986: Vista de cima com detalhes
Benetton B186 de 1986: Vista de cima com detalhes
4/6

Foto de: Giorgio Piola

Brabham BT55 de 1986: Visão detalhada do fluxo de ar
Brabham BT55 de 1986: Visão detalhada do fluxo de ar
5/6

Foto de: Giorgio Piola

Lotus 98T de 1986: Vista de cima com detalhes
Lotus 98T de 1986: Vista de cima com detalhes
6/6

Foto de: Giorgio Piola

Mais equipes passam a seguir o caminho do bargeboard

Após o uso dos bargeboards pela McLaren em 1993, não demorou muito para que outras equipes pudessem ver os méritos de explorar essa região do carro, como forma de melhorar a performance aerodinâmica geral.

Jordan 194

Jordan 194

Photo by: Giorgio Piola

Benetton B194

Benetton B194

Photo by: Giorgio Piola

A Jordan 194 e a Benetton B194 vistas acima são apenas dois exemplos de design usados já no ano seguinte.

Ferrari 412 T1

Ferrari 412 T1

Photo by: Giorgio Piola

Com a Ferrari buscando superar alguns problemas com os designs originais dos sidepods do 412T1, também passou a incorporar bargeboards em seus projetos, em busca de mudar a passagem do fluxo de ar ao redor (visto acima).

O período que se seguiu viu as equipes desenvolvendo soluções de bargeboard alinhados com o novo desenvolvimento de aerodinâmica e o regulamento, que nunca deixava de mudar.

Veja a galeria usando as setas em seu teclado ou clicando na imagem:

Ferrari 412T2 (647) de 1995: Vista de cima com detalhes
Ferrari 412T2 (647) de 1995: Vista de cima com detalhes
1/5

Foto de: Giorgio Piola

Williams FW19 de 1997
Williams FW19 de 1997
2/5

Foto de: Giorgio Piola

Benetton B197 de 1997
Benetton B197 de 1997
3/5

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari F310B (648/2) de 1997
Ferrari F310B (648/2) de 1997
4/5

Foto de: Giorgio Piola

Stewart 98
Stewart 98
5/5

Foto de: Giorgio Piola

Talvez o momento mais controverso envolvendo os bargeboards veio em 1999, com Mika Hakkinen duelando contra Eddie Irvine pelo título de pilotos, uma batalha que chegou até a última corrida da temporada, em Suzuka, mas apenas após a FIA reverter a própria decisão tomada na etapa anterior, na Malásia.

Ambos os pilotos da Ferrari haviam sido desqualificados do GP da Malásia, já que a inspeção pós-corrida descobriu que os bargeboards do F399 não cumpriam com o artigo 3.12.1 do regulamento técnico.

The Ferrari barge board which caused their disqualification

The Ferrari barge board which caused their disqualification

Photo by: Sutton Images

3.12.1 Todas as partes suspensas do automóvel situadas a mais de 33cm atrás do eixo da roda dianteira e a mais de 33cm à frente do eixo da roda traseira, e que sejam visíveis por baixo, devem formar superfícies que se situem em um dos dois planos paralelos: o plano de referência ou o plano de degrau. Isso não se aplica à quaisquer partes dos espelhos retrovisores que sejam visíveis, desde que cada uma dessas áreas não exceda 90 cm² quando projetadas em um plano horizontal acima do carro. O plano do degrau deve estar 50mm acima do plano de referência.

Isso determina que qualquer parte que possa ser vista abaixo do carro entre os critérios dimensionais esteja nos planos de referência ou de degrau, o que significa que nada pode existir acima desses planos se não forem replicados abaixo. No caso da Ferrari, uma parte da placa inferior do bargeboard (destaca em amarelo, abaixo) não existia no plano de referência e, quando vista de baixo, permitia ver a superfície vertical principal.

Ferrari F399 (650) 1999 undertray and turning vane detail

Ferrari F399 (650) 1999 undertray and turning vane detail

Photo by: Giorgio Piola

A Ferrari argumentou que isso se tratava de um erro de manufatura, e que não tinha a intenção de burlar o regulamento em busca de ganhos de performance, e foi além, questionando os métodos da FIA para dimensionar a peça, contestando que caía dentro da tolerância de 5 milímetros para mais ou para menos citada no Artigo 3.12.6 do regulamento, em vez dos 10mm suspeitados pelos fiscais.

Como o bargeboard evoluiu com o passar do tempo?

Nos anos que se seguiram, os designs foram ficando cada vez mais complexos, com as equipes pesquisando a área em busca de bolsões de performance nas estruturas ao redor, além do próprio bargeboard, otimizando sua harmonia com os outros.

Veja a galeria usando as setas em seu teclado ou clicando na imagem:

Sauber C19 de 2000: Detalhe do sidepod original
Sauber C19 de 2000: Detalhe do sidepod original
1/27

Foto de: Giorgio Piola

Benetton B200 de 2000: Desenvolvimento do bargeboard
Benetton B200 de 2000: Desenvolvimento do bargeboard
2/27

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari F2001: Novo chassi
Ferrari F2001: Novo chassi
3/27

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MP4-16: Sidepods
McLaren MP4-16: Sidepods
4/27

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MP4-16: Bargeboard
McLaren MP4-16: Bargeboard
5/27

Foto de: Giorgio Piola

Bennetton B201: Bargeboard reduzido em altura (altura tradicoonal destacada em amarelo)
Bennetton B201: Bargeboard reduzido em altura (altura tradicoonal destacada em amarelo)
6/27

Foto de: Giorgio Piola

Prost AP04 de 2001: Desenvolvimento do bargeboard
Prost AP04 de 2001: Desenvolvimento do bargeboard
7/27

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MP4-17 de 2002: Desenvolvimento do bargeboard apresentado em Ímola
McLaren MP4-17 de 2002: Desenvolvimento do bargeboard apresentado em Ímola
8/27

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari F2002 (653) de 2002: Atualização no bargeboard
Ferrari F2002 (653) de 2002: Atualização no bargeboard
9/27

Foto de: Giorgio Piola

Sauber C21 de 2002: Bargeboard
Sauber C21 de 2002: Bargeboard
10/27

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari F2003-GA: Bargeboards (Note os detalhes no bargeboard menor)
Ferrari F2003-GA: Bargeboards (Note os detalhes no bargeboard menor)
11/27

Foto de: Giorgio Piola

Renault R23: Bargeboards gêmeos
Renault R23: Bargeboards gêmeos
12/27

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MP4-17D de 2003: Bargeboard
McLaren MP4-17D de 2003: Bargeboard
13/27

Foto de: Giorgio Piola

Toyota TF103 de 2003: Detalhe do bargeboard
Toyota TF103 de 2003: Detalhe do bargeboard
14/27

Foto de: Giorgio Piola

Minardi PS03: Bargeboards
Minardi PS03: Bargeboards
15/27

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari F2004: Pré-bargboard (seta mostra como o fluxo de ar é empurrado para fora e ao redor)
Ferrari F2004: Pré-bargboard (seta mostra como o fluxo de ar é empurrado para fora e ao redor)
16/27

Foto de: Giorgio Piola

Renault R24: Bargeboard com extensão arqueada
Renault R24: Bargeboard com extensão arqueada
17/27

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MP4-19B de 2004: Bargeboards gêmeos
McLaren MP4-19B de 2004: Bargeboards gêmeos
18/27

Foto de: Giorgio Piola

Renault R25 de 2005: Detalhe do bargeboard
Renault R25 de 2005: Detalhe do bargeboard
19/27

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari F2005: Bargeboards
Ferrari F2005: Bargeboards
20/27

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MP4-20 de 2005: Bargeboard e palhetas giratórias
McLaren MP4-20 de 2005: Bargeboard e palhetas giratórias
21/27

Foto de: Giorgio Piola

BMW Sauber F1.06 de 2006: Bargeboard
BMW Sauber F1.06 de 2006: Bargeboard
22/27

Foto de: Giorgio Piola

BMW Sauber F1.06 de 2006: Detalhe do sidepod
BMW Sauber F1.06 de 2006: Detalhe do sidepod
23/27

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari F2007 (658) de 2007: Visão de cima
Ferrari F2007 (658) de 2007: Visão de cima
24/27

Foto de: Giorgio Piola

Toyota TF107 de 2007: Visão de cima
Toyota TF107 de 2007: Visão de cima
25/27

Foto de: Giorgio Piola

Williams FW30 de 2008: Detalhe do sidepod e da palheta giratória
Williams FW30 de 2008: Detalhe do sidepod e da palheta giratória
26/27

Foto de: Giorgio Piola

Renault R28 de 2008: Bargeboard usado em Silverstone
Renault R28 de 2008: Bargeboard usado em Silverstone
27/27

Foto de: Giorgio Piola

Com a F1 entrando em uma nova fase em 2009, o esporte buscava modos para moldar o regulamento, de forma a facilitar uma pilotagem mais próxima, facilitando as ultrapassagens. Um pequeno Grupo Técnico de Trabalho teve a tarefa de fazer isso com recursos mínimos à disposição, especialmente em comparação com o que foi gasto para montar as regras de 2022.

Mesmo assim, eles puderam identificar áreas-chave do carro que precisavam ser modificadas, com o critério dimensional da asa dianteira e traseira sendo mudadas dramaticamente, uma redução significativa dos apêndices aerodinâmicos que cresceram ao redor da traseira do carro por anos, além da remoção do bargeboard.

As equipes traçaram a linha aqui e interviram, com algumas mudanças sendo feitas no regulamento, incluindo uma região limitada de uso que permitia seguir colhendo a potência do bargeboard, mas de forma bem mais limitada.

Brawn BGP 001 2009 bargeboard comparison

Brawn BGP 001 2009 bargeboard comparison

Photo by: Giorgio Piola

O BrawnGP BGP001 foi o carro de destaque do ano, levando o Mundial de Construtores e o Mundial de Pilotos com Jenson Button. Apesar dos recursos tornando-se escassos ao longo da campanha, os bargeboards receberam algum foco, com a troca do elemento triangular levemente maior por uma versão menor mais tarde no ano.

Mudando para a era híbrida em 2014, o regulamento passou novamente por uma transformação mas, com algumas mudanças aerodinâmicas feitas e a remoção dos difusores soprados, os níveis gerais de downforce do carro foram reduzidos.

Além disso, um aumento no peso ligado à introdução das novas unidades de potência, fizeram com que essa geração de carro entregasse um tempo de volta consideravelmente menor. Para reagir à esses problemas, a FIA apresentou planos que ajudariam a recuperar o tempo perdido, com a chegada desse novo regulamento em 2017.

Ferrari SF16-H front end comparison with 2017 regulations

Ferrari SF16-H front end comparison with 2017 regulations

Photo by: Giorgio Piola

Quando as equipes perderam o controle com os bargeboards

Os bargeboards acabaram sendo uma área em que a FIA decidiu deixar mais livre em sua mudança no regulamento, com uma região bem maior ficando disponível para instalações do tipo.

Isso não levou apenas à bargeboards muito maiores como também à formas bem mais complexas e estruturas de conexão, com as equipes buscando modos de conectar os bargeboards com as estruturas físicas ao redor, como as palhetas giratórias e defletores de sidepods expandidos, de forma a funcionar de modo mais harmonioso.

Veja a galeria usando as setas em seu teclado ou clicando na imagem:

Mercedes AMG F1 W08: Detalhe do sidepod
Mercedes AMG F1 W08: Detalhe do sidepod
1/7

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari SF70H: Bargeboard usado no GP da Espanha
Ferrari SF70H: Bargeboard usado no GP da Espanha
2/7

Foto de: Giorgio Piola

Red Bull RB13 : Bargeboard usado no GP da Espanha
Red Bull RB13 : Bargeboard usado no GP da Espanha
3/7

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari SF71H: Bargeboard usado no GP dos Estados Unidos
Ferrari SF71H: Bargeboard usado no GP dos Estados Unidos
4/7

Foto de: Giorgio Piola

Force India: Novo bargeboard
Force India: Novo bargeboard
5/7

Foto de: Giorgio Piola

Toro Rosso STR13: Bargeboard usado no GP do Brasil
Toro Rosso STR13: Bargeboard usado no GP do Brasil
6/7

Foto de: Giorgio Piola

Sauber C39: Bargeboards
Sauber C39: Bargeboards
7/7

Foto de: Giorgio Piola

Você pode notar que várias equipes passaram a usar um truque, permitindo que pudessem introduzir fendas à superfície da carenagem no plano de referência, tornando-o um elemento inferior mais agressivo e detalhado.

Para obter isso, eles acrescentaram essas fendas na superfície superior, o que significa que eles não teriam o mesmo problema que a Ferrari em 1999, já que o alinhamento delas nas superfícies significavam que eles cumpriam com o regulamento quando vistos por baixo.

Para segurar as equipes, a FIA trouxe mudanças sutis ao regulamento de 2019 e, novamente, os bargeboards estavam na agenda do dia, apesar de alguns argumentarem que não teriam como ir longe o suficiente com as modificações para ter uma redução significativa de performance.

Ao reduzir a altura permitida de montagem dessa área em 150mm, a FIA deu mais 100mm de liberdade adicional na área onde os bargeboards poderiam começar na temporada 2017-18. E enquanto alguns ficaram felizes com o fato da FIA finalmente ter se livrado dos bargeboards em 2022, é difícil de discordar que eles não estarão em uma galeria no futuro com outras peças de arte...

Veja a galeria usando as setas em seu teclado ou clicando na imagem:

Regulamento de bargeboard para 2019
Regulamento de bargeboard para 2019
1/20

Foto de: Giorgio Piola

Mercedes AMG F1 W10: Bargeboard usado no GP do Japão
Mercedes AMG F1 W10: Bargeboard usado no GP do Japão
2/20

Foto de: Giorgio Piola

Red Bull RB15: Bargeboard usado no GP da Rússia
Red Bull RB15: Bargeboard usado no GP da Rússia
3/20

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MCL34: Bargeboard
McLaren MCL34: Bargeboard
4/20

Foto de: Giorgio Piola

Renault F1 Team R.S.19: Bargeboard
Renault F1 Team R.S.19: Bargeboard
5/20

Foto de: Giorgio Piola

Williams FW42: Bargeboard
Williams FW42: Bargeboard
6/20

Foto de: Giorgio Piola

Mercedes AMG F1 W11: Bargeboard usado em Spa
Mercedes AMG F1 W11: Bargeboard usado em Spa
7/20

Foto de: Giorgio Piola

Red Bull Racing RB16: Detalhes dos sidepods
Red Bull Racing RB16: Detalhes dos sidepods
8/20

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MCL35: Bargeboards
McLaren MCL35: Bargeboards
9/20

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari SF1000: Asas laterais
Ferrari SF1000: Asas laterais
10/20

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari SF1000: Detalhe do novo bargeboard
Ferrari SF1000: Detalhe do novo bargeboard
11/20

Foto de: Giorgio Piola

Renault F1 Team R.S.20: Bargeboard
Renault F1 Team R.S.20: Bargeboard
12/20

Foto de: Giorgio Piola

Mercedes AMG F1 W12: Visão lateral
Mercedes AMG F1 W12: Visão lateral
13/20

Foto de: Giorgio Piola

Red Bull Racing RB16B: Detalhe do novo bargeboard
Red Bull Racing RB16B: Detalhe do novo bargeboard
14/20

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MCL35M: Bargeboards
McLaren MCL35M: Bargeboards
15/20

Foto de: Giorgio Piola

Williams FW43B: Detalhe do bargeboard
Williams FW43B: Detalhe do bargeboard
16/20

Foto de: Giorgio Piola

Ferrari SF21: Detalhe do bargeboard
Ferrari SF21: Detalhe do bargeboard
17/20

Foto de: Giorgio Piola

Red Bull Racing RB16B: Detalhe do bargeboard
Red Bull Racing RB16B: Detalhe do bargeboard
18/20

Foto de: Giorgio Piola

McLaren MCL35M: Detalhe do bargeboard
McLaren MCL35M: Detalhe do bargeboard
19/20

Foto de: Giorgio Piola

Alfa Romeo C41: Detalhe do bargeboards
Alfa Romeo C41: Detalhe do bargeboards
20/20

Foto de: Uncredited

FRED SABINO compara HAMILTON x VERSTAPPEN com rivalidades HISTÓRICAS da F1 como SENNA e PROST

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #158 – TELEMETRIA DE FÉRIAS: Rico Penteado explica novo carro da F1 e aponta favoritos

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST:

compartilhar
comentários
F1: Brown não dá retorno de Hamilton como certo, mas crê em volta
Artigo anterior

F1: Brown não dá retorno de Hamilton como certo, mas crê em volta

Próximo artigo

F1: Damon Hill acredita em "manipulação" em Abu Dhabi, mas defende continuidade de Masi

F1: Damon Hill acredita em "manipulação" em Abu Dhabi, mas defende continuidade de Masi
Carregar comentários