Como se tornar um engenheiro de corrida da F1 - qualificações, habilidades e mais

Motorsport.com conversou com Dominic Haines, da Haas, para descobrir mais sobre a função, o caminho para chegar lá e o que você precisa apresentar

Como se tornar um engenheiro de corrida da F1 - qualificações, habilidades e mais
Carregar reprodutor de áudio

Os engenheiros de corrida são uma das funções mais importantes em uma equipe de Fórmula 1, assumindo o controle de um carro e falando diretamente com o piloto para garantir que ele tenha o que deseja.

É um trabalho muito procurado, sem carreira formal, então, para saber mais, falamos com Dominic Haines - o engenheiro de corrida de Nikita Mazepin na Haas. Ele contou sobre funções do trabalho, como começar e a rotina.

Leia também:

Qual é o seu papel?

Eu sou o engenheiro de corrida de Mazepin e a principal responsabilidade é liderar a equipe de engenharia do carro dele.

Quais são suas responsabilidades e principais trabalhos?

Temos muitas pessoas trabalhando no carro: engenheiros de desempenho, engenheiros de controle, engenheiros aeronáuticos, engenheiros de pneus e a equipe de motores. Eu controlo a direção da engenharia do carro, pegando informações de todos e decidindo como seguir em frente. No evento, eu gerencio a operação do carro na garagem. Isso inclui o plano de corrida, os horários em que deixamos a garagem, a configuração do carro e eu me comunico com o piloto quando ele está na pista. Esse é o lado da engenharia e de operações.

Há o pessoal na função também, já que você tem que falar muito com ele - para ter certeza de que está feliz, entendendo suas necessidades e limitações. Unimos o lado da engenharia com o humano.

Como você se torna um engenheiro de corrida?

Anteriormente, fui engenheiro de desempenho no carro de Romain Grosjean por três anos. Comecei a fazer essa função quando entrei para a Haas, mas antes, trabalhei na Lotus como estrategista e desempenhei várias funções de engenharia antes disso. É um amplo histórico de desempenho, confiabilidade e corrida.

Nikita Mazepin, Haas F1

Nikita Mazepin, Haas F1

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

Quais qualificações você precisa?

Você precisa ter um bom e forte conhecimento de engenharia mecânica. A maioria das pessoas hoje em dia tem graduação na área ou algo semelhante. Essa é a qualificação acadêmica, mas necessita de muita experiência prática para fazer o trabalho. Não se trata apenas de engenharia, há muitos julgamentos que você precisa fazer rapidamente.

O que você deve estudar na escola?

Assuntos como matemática e física são fundamentais, assim como qualquer coisa prática em cursos baseados em tecnologia.

Que outras habilidades são úteis?

Muita experiência com carros! Você precisa ser equilibrado e bom sob pressão, mas a vivência é a coisa mais importante. Ter isso em uma equipe de corrida de alto nível é fundamental para que você saiba como funciona o lado das operações.

O que você sugeriria para quem procura experiência profissional?

Qualquer experiência de trabalho é muito boa. Minha primeira foi trabalhar na equipe local da Copa Clio em Sheffield enquanto eu estava na universidade. Você aprende muito. No final do dia, são todos carros. Claro, eles ficam mais complicados, mas você aprenderá os fundamentos de como funciona uma equipe, um fim de semana de corrida - apenas aprenda o máximo que puder. Pago ou não, não importa, mas tudo faz diferença.

Nikita Mazepin, Haas VF-21

Nikita Mazepin, Haas VF-21

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

Você consegue ir às corridas?

Eu de fato vou a todas.

Como é um dia de trabalho para um engenheiro de corrida?

Em relação à pista - Normalmente chego três horas antes do início da sessão e me certifico de que está tudo bem. Em um dia de trabalho, temos uma reunião uma hora antes do carro sair para revisar o plano do dia e quais são os objetivos. Em seguida, temos uma hora para o TL1, depois uma reunião de avaliação, executado novamente no TL2 e, após o término da sexta-feira, nos sentamos e realmente vasculhamos os dados, pois temos muito mais tempo.

Nós então decidimos onde começaremos a configuração para TL3 de sábado. Depois, é uma reviravolta muito rápida para a qualificação e, em seguida, o carro é colocado no parque fechado. No sábado à noite, temos algum tempo para relaxar e no domingo estamos de volta para o GP. Após o fim de semana, voltamos e na segunda-feira conversamos com a equipe de engenharia e os pilotos. Então, passamos alguns dias revendo todas as análises e começaríamos a pensar sobre a próxima prova. E repetimos.

Você tem uma função nos pit stops?

Chamo o piloto pelo rádio e deixo claro qual conjunto de pneus deve ser usado pela equipe no suporte. Eu também digo ao pit wall - que controla o rádio para a escuderia - se queremos quaisquer ajustes feitos na asa dianteira, para que eles encaminhem.

O que você mais ama no seu trabalho?

Eu realmente gosto da viagem - é divertido visitar todos esses locais e também gosto da emoção que isso causa. Não há dois dias iguais. É intenso, mas muito gratificante.

Este artigo foi criado em parceria com a Motorsport Jobs. Encontre os empregos mais recentes no automobilismo, bem como trabalhos com a Haas.

EXCLUSIVO: BURTI rompe silêncio sobre F1: Hamilton é MAIS LIMPO que campeões como SENNA e SCHUMACHER

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual piloto merece uma segunda chance na F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Podcast #124 – Qual piloto merece uma segunda chance na F1?
Artigo anterior

Podcast #124 – Qual piloto merece uma segunda chance na F1?

Próximo artigo

F1 - Todt: "Michael Schumacher sobreviveu graças a Corinna, mas com consequências"

F1 - Todt: "Michael Schumacher sobreviveu graças a Corinna, mas com consequências"
Carregar comentários