Entenda como a F1 se preparou para a batalha de conflitos de calendário

Restrições da Covid-19 continuam impactando corridas da categoria em todo o mundo

Entenda como a F1 se preparou para a batalha de conflitos de calendário

As mudanças no calendário da Fórmula 1 de 2021 anunciadas na última sexta-feira (14) provavelmente não serão as últimas, já que é inevitável que as restrições da Covid-19 continuem impactando as corridas em todo o mundo.

O GP da Turquia só foi anunciado formalmente no dia 28 de abril, em substituição ao Canadá. Parecia a alternativa perfeita tanto para transporte pessoal quanto de carga. Na verdade, era uma opção mais conveniente e barata do que a corrida que substituiu.

Leia também:

No entanto, menos de duas semanas depois, a Turquia foi colocada na lista vermelha pelo governo britânico. As isenções usuais de "esporte de elite" que permitem ao pessoal da F1 escapar da quarentena não se aplicariam e, em vez disso, haveria uma estadia obrigatória de 10 dias em um hotel aprovado, a um custo de £ 1.750 ( aproximadamente R$ 13.030).

Para complicar ainda mais as coisas, a Turquia também entrou na lista vermelha da França, casa da próxima etapa agendada do campeonato.

Dado o tempo logístico para a viagem combinada Baku/Istambul, a F1 não poderia esperar por uma mudança nas listas vermelhas. Não teve escolha a não ser cancelar o evento turco a apenas um mês e fazer 'malabarismos' para ter outra corrida austríaca no calendário.

O fato de ter acontecido com relativa tranquilidade é um testemunho de todo o trabalho realizado no ano passado, quando uma temporada foi resgatada das cinzas do calendário original.

A encarregada de montar o calendário de 2021 da categoria é Chloe Targett-Adams, diretora global de promoção de corridas. Em última análise, ela foi responsável por criar um cronograma de 2020 que funcionou, e que incluiu cinco locais que não estavam no original. Nada parecido havia sido feito antes na F1.

Lance Stroll, Racing Point RP20, Max Verstappen, Red Bull Racing RB16, Sergio Perez, Racing Point RP20, and the rest of the field at the start

Lance Stroll, Racing Point RP20, Max Verstappen, Red Bull Racing RB16, Sergio Perez, Racing Point RP20, and the rest of the field at the start

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

"Em um mundo normal, levaríamos entre 18 meses e dois anos para lançar, planejar e entregar uma nova corrida", observou ela no início desta temporada.

“Então, para fazer cinco em um ano em um ambiente de Covid-19, e em duas pistas que não tínhamos corrido antes, existe um esforço da equipe para fazer isso e dar certo."

“Estou sempre conversando com diferentes promotores, diferentes circuitos. Temos tanta sorte de haver muito interesse na F1 de muitos lugares ao redor do mundo. Então eu acho que as estrelas se alinham e você pensa. 'Eu vou ligar para este promotor e ver se eles estão interessados em fazer uma corrida de F1 nas próximas oito semanas!'"

Targett-Adams concordou que o esporte aprendeu muito em 2020, e não apenas sobre como reagir a cancelamentos de corrida. Também houve lições mais amplas sobre a rapidez com que as coisas podem ser alteradas e como uma variação de locais aumenta o interesse.

“Eu acho que a uma coisa incrível sobre a F1 é que você está aprendendo continuamente, e em uma situação de pandemia de Covid-19, era com esteróides”, disse.

“Em última análise, mostrou-nos como a organização é eficiente, com que rapidez você pode se adaptar a um cenário e inovar, que para algo como a promoção de corridas do lado dos negócios, que não necessariamente acontece com tanta regularidade."

"Portanto, a capacidade de alternar as pistas de corrida, por exemplo, e a reação no envolvimento que leva aos fãs, e igualmente aos pilotos e às equipes. É algo que realmente levamos em consideração e analisamos como poderíamos incluir isso em nossos planos de longo prazo e estratégia para o calendário. "

Uma série de fatores contribuem para a escolha dos locais de substituição, principalmente os acordos comerciais. No ano passado, a F1 contratou Silverstone para seus dois eventos, e outras adições tardias receberam ofertas especiais.

Valtteri Bottas, Mercedes F1 W11 EQ Performance leads at the start of the race

Valtteri Bottas, Mercedes F1 W11 EQ Performance leads at the start of the race

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Havia uma necessidade urgente de alcançar as primeiras oito corridas para se qualificar para um campeonato mundial, e depois 15, um número que gerou pagamentos de toda a temporada para muitos acordos de transmissão.

Este ano, partindo de 23 anos, o CEO da categoria Stefano Domenicali e seus colegas podem se dar ao luxo de jogar um pouco mais arduamente nas negociações, e há mais ênfase em fazer as coisas funcionarem financeiramente, em vez de apenas adicionar outro número.

Os negócios também estão diretamente relacionados à questão da receita potencial com o atendimento do espectador - e as regras locais estão mudando o tempo todo.

Junto com o dinheiro, existem questões logísticas óbvias, como transporte de carga e pessoal, e se um local é capaz de realizar um evento.

Um dos homens no centro dessas discussões é o diretor esportivo da F1, Steve Nielsen.

"Minha missão é realizar 23 corridas, se pudermos", disse ele ao Motorsport.com pouco antes da Turquia se tornar um problema. 

"E se não podemos fazer todos os que estão no calendário, então encontraremos alternativas."

“Se não pudermos ir a uma corrida, Chloe e Stefano dirão: 'Bem, essas são as opções, o que você acha?' E então escolheremos algo que funcione financeira e logisticamente e faremos concessões onde for necessário. É basicamente assim que funciona. "

A F1 tem que monitorar constantemente não apenas o que está acontecendo em termos da pandemia nos países anfitriões da corrida, mas também - como a Turquia demonstrou - como os governos onde as equipes estão baseadas tratam aqueles que retornam dos locais de corrida.

“É uma mudança muito rápida”, disse Nielsen.

“Há alguns meses Portugal estava na lista vermelha do Reino Unido."

"E estava na lista vermelha quando anunciamos a corrida. Então, você está mirando em algo de que não pode ter certeza, você acha que vai ficar tudo bem e espera que tudo dê certo. E você espera que se desenvolva da maneira certa."

"Tentamos rastrear quais países têm taxas de infecção crescentes e quais países estão no limite ou diminuindo. E é muito, muito, muito difícil. Há muitas suposições. E se você não tiver sorte, pode acabar contra você."

"E, obviamente, foi o que aconteceu no Canadá. Quando anunciamos uma corrida, não fazemos isso se sabemos que definitivamente há uma linha vermelha, só faríamos se estivéssemos confiantes de que não há nada para impedi-la no momento. Mas forma como o mundo está agora com a Covid-19, isso pode mudar."

Mechanics prepare the cars of Lewis Hamilton, Mercedes F1 W11, and Valtteri Bottas, Mercedes F1 W11, on the front row of the grid

Mechanics prepare the cars of Lewis Hamilton, Mercedes F1 W11, and Valtteri Bottas, Mercedes F1 W11, on the front row of the grid

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Mesmo com as lições aprendidas no ano passado, ainda há muitas incógnitas em 2021. Os primeiros quatro locais do calendário deste ano sediaram corridas em 2020, mas os três que virão a seguir - Mônaco, Baku e Paul Ricard - não.

Oito locais na segunda metade do ano também não sediaram uma corrida na temporada passada.

"Lançado este ano, há muitas corridas que nunca tiveram uma corrida com a Covid-19", disse Nielsen. “E então é uma combinação de promotores e circuitos que estão familiarizados com isso, e estamos prestes a ir para alguns que nunca tiveram antes."

"Então, ainda estamos tendo todos aqueles tipos de reuniões corretivas, dizendo não, precisa ser assim, e você precisa fazer isso e isso e isso."

"Em alguns lugares, parece muito com o ano passado, quando você está falando com um promotor, especialmente para uma corrida de rua. Ainda não fizemos uma corrida de rua no mundo da Covid-19. Isso tem todos os tipos de desafios e problemas, como você pode imaginar, e temos Mônaco chegando."

As corridas aéreas são as mais complicadas, em parte porque as equipes enviam muitos equipamentos de garagem e paddock pelo mar, com semanas de antecedência.

“O ano passado foi um modelo tão diferente, é necessária uma mentalidade diferente”, disse Nielsen. “Agora temos uma ideia muito melhor dos tempos de reação e do que é possível."

"As equipes são muito boas. Sabemos quando eles têm que enviar seu frete marítimo. Então isso engrena muito nossa tomada de decisão. Ainda não mandamos colocar coisas em um barco cujo destino foi cancelado. Mas o Canadá estava chegando perto!"

"Trabalhamos muito próximos às equipes e impedimos que enviassem qualquer coisa para lá. Portanto, estamos cientes de quais são as datas de envio. Mas acho que somos muito mais ágeis do que éramos, porque tínhamos que ser. Você se adapta ou morre."

Os carros e o resto da carga são embalados em sete 747s para corridas aéreas e, no ambiente atual, proteger esses aviões para cada evento não é fácil.

“O mercado de cargas é bastante volátil."

"É um pouco como um carro alugado, se houver um grande evento, seu carro alugado pode custar um pouco! Quanto mais cedo você reservar, melhor negócio você consegue e, claro, está em conflito com o calendário em rápida evolução. Mas conhecer e prever o mercado de carga é muito difícil."

"Agora podemos usar duas configurações diferentes de avião, podemos usar 747s ou 777s. Todas as equipes estão se movendo para o que chamamos de carga amigável 777. Na verdade, reduzimos enormemente nossa carga [transmissão F1], porque estamos em uma operação amplamente remota."

"Sempre conseguimos fazer os aviões chegarem longe. Mas é um pouco como um cisne, parece bastante calmo acima da água, e abaixo da água pode ficar bem frenético!", concluiu.

SENNA vs SCHUMACHER: Game F1 2021 gera POLÊMICA envolvendo LENDAS da categoria; entenda

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Mercedes X Red Bull já pode ser considerada uma das maiores rivalidades da F1?

 

compartilhar
comentários
F1: Ferrari analisa diferentes soluções de suspensão para 2022

Artigo anterior

F1: Ferrari analisa diferentes soluções de suspensão para 2022

Próximo artigo

F1: Sainz ainda está se acostumando a um sistema da Ferrari; veja

F1: Sainz ainda está se acostumando a um sistema da Ferrari; veja
Carregar comentários