Entenda como a McLaren espera ajudar a F1 com votação secreta

Zak Brown demonstrou frustração em relação ao atual processo de tomada de decisão na categoria

Entenda como a McLaren espera ajudar a F1 com votação secreta

Depois que o chefe da McLaren, Zak Brown, escreveu uma carta aberta detalhando seus pensamentos sobre a direção que a Fórmula 1 está tomando, incluindo o uso de votos secretos, foi aberta uma discussão mais ampla no que tange o futuro do campeonato e como a maneira com que as regras são definidas.

O principal argumento de Brown foi sua frustração em relação ao atual processo de tomada de decisão na F1 - e especificamente a maneira como algumas equipes são obrigadas a seguir seu fornecedor de unidade de força ou parceiro comercial, e como isso pode potencialmente distorcer a votação.

Leia também:

É uma questão controversa há décadas. Obviamente, nenhuma escuderia votará contra seu fornecedor atual em questões específicas relacionadas aos regulamentos da unidade de energia, e todos entendem e aceitam isso.

No entanto, quando esse apoio se estende a outras áreas, se torna mais controverso.

A Ferrari pode potencialmente recorrer à Alfa Romeo e à Haas. No caso da Alfa, há também uma conexão comercial direta extra por meio do fabricante que empresta seu nome à ex-Sauber.

A Mercedes tem três parceiros. Tanto em termos comerciais quanto tecnológicos, os vínculos são mais fortes com a Aston Martin, estimulados pelo relacionamento pessoal próximo entre Toto Wolff e Lawrence Stroll.

A Williams está um passo à frente, mas a presença de George Russell adiciona um elemento extra, enquanto a partir de 2022 a escuderia britânica também usará uma caixa de câmbio Mercedes. O relacionamento mais distante que a montadora alemã tem é com a McLaren - um negócio direto de fornecimento de unidade de força.

Das equipes restantes, a Red Bull e a AlphaTauri sempre votam como uma, refletindo sua propriedade comum, enquanto a Alpine é a exceção, sem vínculos com ninguém.

Valtteri Bottas, Mercedes W12, Lewis Hamilton, Mercedes W12, Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B, Carlos Sainz Jr., Ferrari SF21, Lando Norris, McLaren MCL35M, Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, and the rest of the field away at the start

Valtteri Bottas, Mercedes W12, Lewis Hamilton, Mercedes W12, Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B, Carlos Sainz Jr., Ferrari SF21, Lando Norris, McLaren MCL35M, Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, and the rest of the field away at the start

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Brown quer ver votos secretos, que estão disponíveis, sendo usados com mais frequência.

“Não acho que seria apropriado comentar sobre times específicos em momentos específicos”, disse em Portimão no último fim de semana.

“Um exemplo que vou dar é quando estávamos indo para a redução do limite orçamentário. Tiveram algumas equipes que estão perto do limite de orçamento apoiando um limite de orçamento maior, o que não faz absolutamente nenhum sentido."

“Posso dizer que isso acontece com frequência, que os times votam contra o que é melhor para eles. Eu tive mais de uma equipe em mais de uma ocasião, enquanto conversamos durante essas reuniões, [eu pergunto] como você vai votar? E recebia a resposta: 'Mas não tenho escolha, tenho que votar desta forma'."

“Não acho que votos secretos vão resolver todos os problemas. Mas acho que precisamos realmente começar a trabalhar nessas afiliações. E eu acho que essa é apenas uma área que seria muito fácil de implementar."

“Acho que, como muitos votos ao redor do mundo, eles sempre foram secretos. E se conseguirmos uma ou duas regras para seguir o caminho que é melhor para o esporte e, portanto, para os fãs, é apenas uma área em que acho que podemos fazer melhorias ”.

Brown disse que pressionará por votações secretas quando puder: “Certamente aplaudiremos esse avanço. Acho que uma equipe tem o direito de pedir um voto secreto. Portanto, podemos seguir o caminho de cada vez que temos uma votação, pedir uma votação secreta. Ou podemos simplesmente ir para a votação secreta e acabar logo com isso."

“Eu acho que se você vai ter conflitos de interesse no esporte, o que sempre tivemos, então você tem que estabelecer uma administração para proteger e combater a capacidade de exercer esse conflito de interesses. Também gostaria de ver a votação [majoritária] passar de oito para sete, porque algumas pessoas têm alinhamento de três times."

“Então, eu também gostaria de ver o limite cair um pouco, para não ter uma única entidade influenciando um voto.”

Zak Brown, CEO, McLaren Racing, on the pit wall

Zak Brown, CEO, McLaren Racing, on the pit wall

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

A votação é apenas um elemento de uma questão mais ampla de cooperação. A saga de cópias Racing Point/Mercedes do ano passado renovou o foco sobre o assunto, mas Brown disse que isso não motivou sua campanha atual.

“A votação não é realmente dirigida pela Aston Martin. Acho que obviamente a Aston Martin levou as afiliações a um outro nível, mas isso realmente não era uma situação de votação", disse.

Brown deseja que a questão da cooperação seja examinada mais detalhadamente: “Acho que precisa ser definitivamente tratada. Acho que se olharmos para trás na história da F1, já vendemos caixas de câmbio antes. Algumas das colaborações que aconteceram naquela época, pessoas comprando caixas de câmbio, não tenho nenhum problema com isso."

“Pessoalmente, não gosto de duas equipes afiliadas usando o mesmo túnel de vento. Gostaria de ver que há uma restrição ao compartilhamento de túneis de vento se você tiver um relacionamento direto. Compartilhar túneis de vento é bom para uma equipe que possui o túnel de vento, obtendo alguns recursos, e também algumas equipes não podem pagar seu próprio túnel de vento.”

O chefe da McLaren garantiu que as opiniões da escuderia estão aliadas às do campeonato.

“Acredito que o que é melhor para o esporte é melhor para a McLaren”, disse. “Tudo o que estou tentando fazer é levar o esporte até onde vença o melhor time."

"Também acho que é isso que interessa à McLaren e, francamente, a todas as equipes de corrida."

“A razão agora é que, em meus quatro anos aqui, algumas dessas reuniões se tornam muito frustrantes, porque se tornam, como você pode imaginar, muito políticas, e coisas que deveriam ser resolvidas em uma reunião, você ficaria surpreso com o fato de que os problemas podem durar três meses, seis meses, um ano."

“E eu queria divulgar as áreas que considero oportunidades para a F1, porque acho que a F1 está em ótima forma. Portanto, meu comentário não pretende criticar o esporte, mas sim áreas de oportunidade e espaço para crescimento."

Sebastian Vettel, Aston Martin AMR21, Daniel Ricciardo, McLaren MCL35M

Sebastian Vettel, Aston Martin AMR21, Daniel Ricciardo, McLaren MCL35M

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Outro ponto que Brown traz diz respeito às áreas de especialização dos dirigentes. A safra atual de chefes de equipe é dominada por técnicos e engenheiros, e o norte-americano é um dos poucos com experiência em marketing.

“Com a minha experiência, sentado nessas reuniões, muitas vezes, há temas que abordamos e que não temos experiência no assunto”, disse.

“Temos a tendência de passar a maior parte do nosso tempo no lado técnico do esporte, e precisamos perceber que o lado comercial e a importância da torcida e do entretenimento são igualmente importantes, e não há quantidade igual de tempo."

“E então, quando você olha ao redor da mesa para os chefes de equipe, a maioria deles vem de uma formação técnica. E tendo em vista que venho de uma experiência de marketing mais comercial, acho que essas são as áreas que quero apresentar de novo, acho que são as que melhor interessam ao esporte. E quanto mais rápido podemos mudar, mais rápido podemos acelerar o crescimento da F1.”

Brown cita a falta de envolvimento pessoal nas redes sociais entre os dirigentes como um sinal de que eles não estão tão em contato quanto poderiam ou deveriam estar.

“O que sugeri, e tenho um hoje na McLaren, e tive um durante toda a minha vida profissional, é um grupo consultivo”, disse.

“Faremos uma reunião e falaremos sobre mídia social, e estou apenas usando este como exemplo, mas você provavelmente tem sete dos 10 caras sentados ao redor da mesa que nem estão nas redes sociais."

“Então eu acho que o esporte poderia ter um conselho de marketing, ou um grupo consultivo, como você quiser chamá-lo. Pessoas com experiência no assunto.”

A extensão da frustração contínua de Brown com seus colegas chefes de equipe seria removê-los (e, portanto, a si mesmo) do processo de tomada de decisão.

“Eu apoiaria isso”, disse ele. “Eu poderia nos ver como um comissário, que obviamente é Stefano [Domenicali]. E isso é o que eles fazem na NFL, eles votam no comissário, mas então o comissário meio que tem o poder. E realmente o único poder que as equipes têm é de remover o comissário, se eles acharem que ele não está fazendo ou que ela não está fazendo um bom trabalho."

“Eu acredito que a F1 e a FIA sempre trabalharão no que for melhor para o esporte e para o que for melhor para os fãs. E eu prefiro ir ao extremo de dar a eles o controle total do que o que temos agora."

“Ficou muito melhor com os novos regulamentos. Então, novamente, tudo que estou apresentando, vejo esta oportunidade de ser ainda melhor, em vez de ser crítico, porque acho que percorremos um longo caminho nos últimos três anos.”

Quando a pandemia se alastrou há um ano, as escuderias, trabalhando em estreita colaboração com o presidente da FIA Jean Todt e o então chefe da F1 Chase Carey, tomaram algumas decisões importantes - principalmente adiar as novas regras até 2022. 

No entanto, não foi nada fácil definir detalhes cruciais, como a redução do limite de orçamento.

“Jean e Chas um limite de orçamento em torno de US $135 milhões (aproximadamente R$ 724 milhões) ”, disse Brown. 

“Acho que eles teriam caído um pouco menos, talvez US $125 milhões (aproximadamente R$ 670 milhões). Então, no final das contas, chegamos lá, mas você chega por meio de muito trabalho e leva mais tempo para chegar lá."

“O crescimento do esporte vai acelerar se permitirmos uma tomada de decisão mais rápida. Haverá alguns erros ao longo do caminho. Mas então você também dá à F1 e à FIA a capacidade de corrigir alguns desses erros.", concluiu.

F1 2021: Mercedes X RBR, Bottas X Russell, Grosjean e tudo da Espanha com Rico Penteado | TELEMETRIA

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST Motorsport.com debate polêmicas sobre limites de pista na F1 2021; ouça

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
'Pole', pretensões de Verstappen e mais: o que está em jogo no GP da Espanha de F1?

Artigo anterior

'Pole', pretensões de Verstappen e mais: o que está em jogo no GP da Espanha de F1?

Próximo artigo

F1: Red Bull contrata mais cinco engenheiros de motor da Mercedes

F1: Red Bull contrata mais cinco engenheiros de motor da Mercedes
Carregar comentários