Ex-Ferrari, diretor da FIA faz revelação sobre a 'era Schumacher' na F1

“Quando Michael passava alguns e estava 5s à frente após algumas voltas, tínhamos a impressão de que estava encerrado. Às vezes não acordava antes do hino"

Nicholas Tombazis

Imagine que você trabalha para a Ferrari e seu piloto está a caminho de vencer na Fórmula 1, mas você não percebe. Foi exatamente isso que aconteceu com Nikolas Tombazis. O atual diretor de monopostos da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) admitiu no podcast oficial da F1, “Beyond the Grid”, que não acompanhou algumas das pilotagens triunfantes do alemão Michael Schumacher pois acabou adormecendo.

Na virada do milênio, Tombazis trabalhava principalmente na fábrica da Ferrari em Maranello e não diretamente nas pistas, “porque eu era um aerodinamicista sênior”, conforme explica o grego. "Trabalhamos muito no túnel de vento. Então eu assistia às corridas na TV. E geralmente adormecia!".

O editor recomenda:

Mas havia uma boa razão para isso, segundo Nikolas: “Naquela altura tínhamos filhos pequenos e, como pai de crianças pequenas, estávamos bastante cansados”. Por outro lado, um certo padrão surgiu em muitas corridas naquela época: “Quando Michael ultrapassava algumas pessoas e estava cinco segundos à frente após algumas voltas, tínhamos a impressão de que o assunto estava encerrado. Às vezes eu não acordava antes do hino nacional".

Mas mesmo não tendo visto alguns dos melhores momentos da Ferrari ao vivo, Tombazis não 'desperdiçou' seu tempo com Schumacher: “Trabalhar com Michael foi algo especial. A equipe e eu sempre o achamos muito amigável e muito, muito legal, embora ele fosse uma estrela."

A pressão para ter sucesso na Ferrari

Quando o grande momento de conquistar o título finalmente chegou em Suzuka na temporada 2000, o primeiro título da Ferrari em 21 anos, Tombazis estava bem no meio do 'bolo'. “Ainda me dá arrepios”, diz ele. 

"A Ferrari não ganhava o Campeonato Mundial desde 1979. Um desespero incrível se instalou. Você podia sentir toda a pressão, dia após dia. Porque algumas pessoas ficam pessimistas e diziam: 'Nunca venceremos'."

A pressão na Ferrari é “dez vezes maior” do que nas outras equipes de F1. E na época de Schumacher “não havia desculpas”, relata o grego: “Tínhamos o melhor piloto, então tínhamos que entregar. O fato de termos conseguido fazer isso contra um concorrente como a McLaren foi incrivelmente satisfatório”.

E depois de conquistarem o título mundial juntos pela primeira vez em vermelho, Schumacher e Ferrari continuaram vencendo até 2004, quase como em uma linha de produção. Assim, 'Schumi' virou heptacampeão.

Após a pressão 'sair dos ombros'

A redução da pressão causada pelo primeiro título a sequência de conquistas possível, afirma o atual dirigente da FIA. Após o primeiro grande sucesso, as coisas ficam visivelmente “mais calmas” em uma equipe de F1: “Você então pensa mais no longo prazo e não mais no curto prazo".

"E é isso que acontece com todas as equipes que têm uma fase dominante, como Mercedes ou Red Bull: elas não precisam mais se preocupar com a próxima corrida. E também não precisam se preocupar com alguém que as questione criticamente."

A grande vantagem do lado técnico é que você pode transferir recursos para outros projetos logo no início, para “o carro do próximo ano ou para um programa de pesquisa”, diz Tombazis. "Você então não precisa pensar se precisa de uma nova asa dianteira para a próxima corrida ou algo assim. E isso o coloca em uma posição onde você pode até mesmo ampliar sua liderança. Foi assim em 2001, 2002 e 2003".

VERDADE OU MITO: Brasil-1991 é a MAIOR VITÓRIA de SENNA? Glórias de AYRTON em DEBATE | Podcast F1

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

VERDADE OU MITO: Brasil-1991 é a MAIOR VITÓRIA de SENNA? Glórias de AYRTON em DEBATE | Podcast F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Red Bull acusa rivais de usarem asas dianteiras flexíveis; entenda imbróglio
Próximo artigo F1: Com futuro incerto, Drugovich espera que estreia em Le Mans "abra portas"

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil