Fórmula 1 GP do Azerbaijão

F1: Equipes terão unidade de potência extra em 2023 sem punição; entenda

Cada piloto poderá usar quatro exemplares em vez de três antes que as punições entrem em vigor

Lance Stroll, Aston Martin AMR23, Sergio Perez, Red Bull Racing RB19, and Lando Norris, McLaren MCL60, in the pit lane

As equipes de Fórmula 1 e a FIA concordaram em aumentar a alocação de quatro dos principais elementos da unidade de potência para a temporada 2023 sem os times receberem qualquer penalidade por isso. 

Leia também:

A mudança, que ocorre no meio de uma temporada recorde de 23 corridas, deve reduzir o número de penalidades com perda de posição no grid aplicadas pelo uso de elementos extras na última parte do calendário. A partir de agora, cada piloto pode usar quatro em vez de três exemplares do motor de combustão interna, turbo, MGU-H e MGU-K nesta temporada, antes que as punições entrem em vigor.

A alocação para o armazenamento de energia e a eletrônica de controle, sendo que a última já pegou Charles Leclerc, da Ferrari, com uma penalidade na segunda corrida do ano na Arábia Saudita, permanece em dois exemplares de cada por temporada. A mudança foi uma das várias questões acordadas pela Comissão da F1 e aprovadas pelo Conselho Mundial de Automobilismo hoje.

Em atualização do regulamento esportivo, o tempo alocado para o procedimento de grid foi estendido de 40 para 50 minutos, a fim de permitir mais tempo para cerimônias antes das corridas. A FIA refere que “em determinadas corridas, este tempo adicional será utilizado para a apresentação dos pilotos aos fãs”.

A nova definição de 'trabalho' em um carro em um pit stop que tenha penalidade, que foi colocada em evidência com a punição aplicada a Fernando Alonso na Arábia Saudita e que foi posteriormente rescindida, foi agora formalmente adotada nos regulamentos. As equipes já haviam sido informadas na Austrália que o fato de os macacos tocarem o carro constituiria 'trabalho'.

Em um desenvolvimento intrigante, a FIA concordou em analisar possíveis exclusões de limite de custo relacionadas à atualização da infraestrutura da fábrica da equipe de F1, mas apenas no contexto de melhoria da sustentabilidade.

A Williams, em particular, vem pedindo um pouco de espaço para atualizar as instalações de Grove, já que a equipe ficou para trás dos rivais ao longo dos anos, quando tinha um orçamento limitado. Ainda não se sabe que tipo de mudanças a nova iniciativa permitirá que as equipes façam sem afetar o limite.

Uma declaração da FIA afirmou: "Um grupo de trabalho especificamente dedicado dentro do Comitê Consultivo Financeiro (FAC) desenvolveu uma proposta para a introdução de uma exclusão de custos em relação a determinadas iniciativas de sustentabilidade a partir de 2023, com foco especial em preocupações ambientais." 

"Após o apoio dos membros da FAC e a aprovação da comissão, determinados custos de iniciativas de sustentabilidade serão agora excluídos do limite de custos. Essas exclusões abrangem, entre outras coisas, os custos associados à instalação de infraestrutura sustentável, auditoria e monitoramento da pegada de carbono dos concorrentes, doações a instituições de caridade envolvidas na promoção de projetos de sustentabilidade ambiental e programas de compensação de carbono. A FAC continuará a aperfeiçoar esse regulamento."

Podcast #226 – Galvão Bueno faz falta no atual momento da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 confirma reformulação no formato de fim de semana e corrida sprint ganha classificação própria; entenda mudanças
Próximo artigo F1: Presidente da FIA é acusado de sexismo contra ex-funcionária

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil