F1: Domenicali apresenta ideia sobre GP da França acontecer em Nice

CEO da categoria elogiou projeto francês e diz calendário para 2023 está sendo preparado

Stefano Domenicali , F1 CEO, Greg Maffei, Liberty Media CEO

Em meio às negociações sobre futuro do GP da França, o CEO da Liberty Media, Stefano Domenicali avaliou ideia de que corrida poderia ser disputada fora de Paul Ricard.

A notícia não apenas coloca em dúvida o futuro da continuidade de Paul Ricard no calendário, mas potencialmente também dá à Fórmula 1 uma moeda de troca em suas negociações em andamento sobre um novo acordo para o GP de Mônaco. Um GP da França em Nice daria ao esporte um novo evento de alto nível a poucos quilômetros do Principado.

Leia também:

Domenicali fez referência à oferta de Nice em entrevista ao jornal francês L'Equipe.

"Historicamente, a França tem sido uma nação importante no automobilismo", disse ele. "Você pode não saber disso, mas há um projeto incrível com Nice, que quer um GP. É ótimo, pois prova que outros destinos em seu país estão interessados ​​na F1.

“Vamos analisar as condições e estudá-las cuidadosamente. Outras coisas podem vir muito em breve. Tudo o que posso dizer é que, no final de julho, você saberá mais sobre o futuro do seu GP.”

Juntamente com a Bélgica, a França é uma das corridas que podem ser alteradas, já que a F1 luta para encaixar todos os novos eventos do calendário enquanto mantém sua posição nos mercados europeus tradicionais.

Uma terceira corrida nos Estados Unidos foi confirmada para acontecer em Las Vegas em novembro de 2023, enquanto o retorno de Kyalami parece quase certo de ocorrer em abril, depois que Domenicali se encontrou com o governo sul-africano no início desta semana. A China também deve retornar ao cronograma com uma vaga no final da temporada.

"O calendário para o próximo ano está sendo preparado", disse ele ao L'Equipe. "Ter 30 GPs não seria razoável. Nossa opção preferida seria manter 23 ou 24 corridas.

“E para conseguir isso, com base na demanda, vamos trabalhar com o princípio da rotação – não só para a Europa, mas também para outros países.

“Somos um campeonato do mundo e África não tem lugar no calendário neste momento. Isso precisa mudar.

"As discussões estão progredindo e acho que teremos uma resposta em breve. Ter uma corrida lá enquanto Lewis Hamilton ainda está correndo seria formidável."

Questionado sobre o controverso relacionamento da F1 com a Arábia Saudita ele disse: "Nunca pensamos em deixar a Arábia Saudita [após o ataque]. Acho que seria um erro político e esportivo. A corrida foi fabulosa com esse duelo entre Charles e Max. E eu acho que a F1 tem um papel a desempenhar.

“Isso pode gerar mudanças. O ministro do esporte saudita realmente comunicará nas próximas semanas sobre o progresso feito e compartilharemos essas informações com as equipes e pilotos. Deixar aquele país teria colaborado para o aumento de seu isolamento. Você não pode mudar uma cultura antiga em um ano."

TELEMETRIA: Rico Penteado analisa GP do Canadá, Ferrari e 'quicadas'

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual maior adversário ao bi de Verstappen: Pérez, Leclerc ou confiabilidade da Red Bull?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Vettel diz que espera que categoria esteja pronta para ter piloto homossexual
Próximo artigo F1: Por que intervenção da FIA pode ser boa, mas também ruim para a Mercedes?

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil