F1: Vettel diz que espera que categoria esteja pronta para ter piloto homossexual

Alemão opinou sobre preconceitos que paddock pode ter em relação à comunidade LGBTQ+ e defendeu seus valores

F1: Vettel diz que espera que categoria esteja pronta para ter piloto homossexual
Carregar reprodutor de áudio

Sebastian Vettel foi um dos primeiros pilotos a mostrar seu apoio às diferentes minorias da sociedade, e fez isso publicamente em um local com muita exposição. O alemão vestiu uma camisa defendendo o grupo LGBTQ+ no último GP da Hungria de Fórmula 1, algo que não seria tão marcante se a homossexualidade fosse tão mal vista naquele país.

Leia também:

Lá, não é proibido ser homossexual, mas as famílias com casais do mesmo sexo têm menos direitos, além do fato de que o governo húngaro aprovou uma legislação que restringe os direitos civis.

E isso não foi tudo, em 2021 na Arábia Saudita, o alemão organizou um evento de kart só para mulheres e ostentou tênis nas cores do arco-íris como uma demonstração de apoio.

Em meados de 2022, Vettel deu uma entrevista à "revista gay mais vendida" Attitude, da qual foi capa.

"Acho vergonhoso que um país como a Hungria, na União Europeia, tenha aprovado uma lei [que proíbe a representação da homossexualidade para menores de 18 anos]", explicou o piloto da Aston Martin.

"Tivemos muitas oportunidades de aprender com o passado, e não consigo entender por que eles têm dificuldade em ver que todos devem ser livres para amar quem quiserem. Eu entendo que não cabe a nós, como pilotos de F1, fazer a lei, mas acho que cabe a nós expressar nosso apoio àqueles que são afetados por essas coisas", disse ele.

O tetracampeão mundial não se limitou a defender os direitos desta comunidade, mas também acolheu calorosamente um futuro piloto homossexual: "Talvez não tivesse sido assim no passado, mas agora acho que um piloto gay de F1 seria bem recebido e com razão.”

“Acho que um piloto gay ajudaria a acelerar a eliminação do preconceito e ajudaria a impulsionar nosso esporte em uma direção melhor, então acho, e espero, que nosso esporte esteja pronto para isso”.

O alemão, apesar de não ter visto atos homofóbicos na F1, conseguiu indiretamente experimentar algumas coisas semelhantes.

“Eu não vi diretamente, mas ouvi pessoas falarem negativamente sobre as pessoas LGBTQ e a comunidade”, disse Vettel. "Sempre que ouvi essas coisas, me pareceu errado, mas hoje tenho mais confiança para falar. Homofobia é preconceito e preconceito é errado, simples assim."

"A F1 correrá em 22 países locais este ano [embora na verdade sejam 18 circuitos contando os países repetidos]. Quando se trata de direitos LGBTQ, existem alguns países que visitamos que são mais difíceis do que os outros. Se não corremos, não podemos mudar nada, mas se fizermos, defendemos com educação e firmeza algo que é importante e com isso, podemos ter um impacto positivo. Valores e princípios não podem parar nas fronteiras", disse o tetracampeão.

Vettel também está ciente de que a F1 tem sido uma categoria muito fechada e a compara ao futebol, no qual apresenta muitas semelhanças. Em ambos os esportes, a figura do homem tem sido predominante e apesar de as mulheres terem ganhado destaque, infelizmente ainda não se chegou ao ponto em que ambos os sexos sejam vistos igualmente.

"Acho que poderia ser semelhante à situação em um esporte como o futebol, a velha imagem de um jogador ou piloto como um 'herói' que precisa atender a um conjunto de critérios".

"Mas os pontos finais estão errados. Como esses estereótipos se relacionam com o desempenho? Quem decide? É preciso uma tremenda coragem para mostrar seu verdadeiro eu em vez de se esconder atrás de uma fachada baseada no que as pessoas esperam”, sentenciou.

TELEMETRIA: Rico Penteado analisa GP do Canadá, Ferrari e 'quicadas'

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual maior adversário ao bi de Verstappen: Pérez, Leclerc ou confiabilidade da Red Bull?

 

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Por ora, Leclerc se livra de punição no Canadá; Tsunoda sai do fundo do grid
Artigo anterior

F1: Por ora, Leclerc se livra de punição no Canadá; Tsunoda sai do fundo do grid

Próximo artigo

F1: Domenicali apresenta ideia sobre GP da França acontecer em Nice

F1: Domenicali apresenta ideia sobre GP da França acontecer em Nice