F1 elimina quase todas as restrições contra a Covid-19 para 2022

Principal medida que permanece é a vacinação obrigatória; teste PCR não será mais exigido e algumas equipes pensam em abolir uso de máscaras

F1 elimina quase todas as restrições contra a Covid-19 para 2022
Carregar reprodutor de áudio

Como a Fórmula 1 introduzirá a vacinação obrigatória em 2022 para todos que quiserem entrar no paddock, quase todas as outras medidas restritivas não serão mais aplicadas. A partir de agora, um teste PCR negativo não é mais obrigatório, embora ainda recomendado. De fato, quase todos os regulamentos anteriores serão eliminados no novo ano.

Isso foi anunciado pela FIA ​​​​em uma versão modificada do Anexo S de seu Código Esportivo Internacional, publicado em 18 de fevereiro. No entanto, conforme já confirmado no final de 2021, as novas liberdades para visitantes do paddock estão vinculadas à vacinação obrigatória, sem exceções.

Leia também:

Pilotos, chefes de equipe, jornalistas ou convidados também devem provar que estão "totalmente imunizados" de acordo com os regulamentos legais de seu país.

Somente aqueles que puderem provar que não podem ser vacinados por motivos médicos podem solicitar uma isenção. No entanto, para entrar no paddock com a referida autorização, devem submeter-se aos testes de PCR que eram obrigatórios em 2020 e 2021: um com antecedência máxima de 96 horas e outro de 24 horas após a entrada no paddock.

Todos os membros da F1 (e também as equipes) são amplamente livres para decidir como querem lidar com o problema do coronavírus a partir de agora. No entanto, com uma restrição decisiva: "É claro que temos que seguir os regulamentos do governo local relevante", explicou o chefe da Williams, Jost Capito.

FIA e F1 foram "muito cuidadosas" nos últimos dois anos da pandemia e fizeram um "trabalho fantástico", disse ele. E reiterou: " [Eles] discutem com as equipes antes de tomar uma decisão. A cooperação e comunicação entre os times, a FOM e a FIA ​​funciona muito bem".

Capito mesmo sempre se manteve cauteloso em relação ao coronavírus. No final de 2021, ele contraiu a doença, embora com sintomas leves. Mesmo assim, ele foi um dos primeiros na categoria a pedir publicamente a vacinação. Só então a F1 criou um vídeo com os pilotos para chamar os fãs para serem imunizados.

Antes do início da temporada de 2022, diz-se que há escuderias que também querem eliminar o requisito de máscara. Agora parece haver um amplo consenso sobre isso, pelo menos na opinião pública. Sobre isso, Capito disse: "Se queremos usar máscaras, podemos fazê-lo. Por exemplo, usamos na fábrica."

"Nossas regulamentações internas lá são atualmente mais rígidas do que as do governo britânico. Acho muito importante porque temos que garantir que não haja gargalos na produção."

"Acho absolutamente certo que as equipes tenham um pouco de espaço sobre como querem lidar com a situação, mas as regras locais devem ser respeitadas. Esse é o caminho certo a seguir", concluiu.

F1 AO VIVO: PIETRO FITTIPALDI tem REAIS CHANCES de garantir vaga? Saiba tudo sobre testes no BAHREIN

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #164 - Certezas e dúvidas após pré-temporada da F1 na Espanha

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1 - Mazepin: "Perdi meu sonho, algo que vinha trabalhando há 18 anos"
Artigo anterior

F1 - Mazepin: "Perdi meu sonho, algo que vinha trabalhando há 18 anos"

Próximo artigo

F1: Projeto em tramitação na Câmara quer tornar Hamilton cidadão honorário do Brasil

F1: Projeto em tramitação na Câmara quer tornar Hamilton cidadão honorário do Brasil