F1: Entenda o efeito Netflix por trás dos aproximadamente 40 mil ingressos vendidos a mais para o GP dos Estados Unidos

Diretor do Circuito das Américas, Bobby Epstein, acredita que salto de aproximadamente 40% de público em relação a 2019 pode ser atribuído a Drive to Survive

F1: Entenda o efeito Netflix por trás dos aproximadamente 40 mil ingressos vendidos a mais para o GP dos Estados Unidos

Como já apontado pelos diretores do GP em Austin em 2019, a popularidade da Fórmula 1 nos Estados Unidos vem crescendo de forma acelerada após a chegada da série da Netflix, Drive to Survive, que mostra perspectivas únicas sobre o que acontece internamente na categoria.

Leia também:

Recentemente, o chefe da Aston Martin, Otmar Szafnauer defendeu uma terceira corrida no país norte-americano depois de sugerir que Drive to Survive colocou a F1 na frente de um novo público.

Questionado sobre o "efeito Netflix" pos trás da venda dos ingressos para a etapa norte-americana de 2021, o diretor do Circuito das Américas Bobby Epstein disse que "em 2019 nossos ingressos se esgotaram completamente semanas antes do evento. E este ano, conseguimos vender, cinco meses antes, 35.000 - 40.000 a mais."

Bobby Epstein acrescentou que poderia atribuir o salto de aproximadamente 40% de público à Netflix e acredita que "poderíamos ter vendido muito mais ingressos do que vendemos".

"Então, se pegarmos nossa base de fãs existente, e você disser que eles estão voltando, mas vimos um salto de 30% ou 40% de público, eu diria que certamente poderíamos atribuir isso a eles", disse.

"Poderíamos ter vendido muito mais ingressos do que vendemos, então é muito poderoso. E vemos uma série, quando você olha para as transações, quando fazemos uma média de dois pontos e ingressos por transação, então, de repente, sua média salta de dois e meio para três, sabemos que o mesmo comprador que está comprando, mas está comprando para outro membro de sua família ou grupo de amigos. Bem, alguém se tornou um novo fã", concluiu.

Questionado se achava que a série Drive to Survive teve algum impacto sobre os números nos Estados Unidos, o CEO da F1 Stefano Domenicali respondeu: "Com certeza".

"Com certeza, Drive to Survive teve um grande impacto, principalmente para aqueles que não eram tão ávidos fãs da Fórmula 1", disse o dirigente.

"Então eles viram diferentes narrativas em relação a esse esporte, e eu acho que não posso, porque esse não é o meu trabalho e vou perguntar talvez ao Nigel ou ao James, mas com certeza teve um impacto, um impacto positivo", concluiu.

F1 2021: Mercedes FAVORITA em Austin? Pista será um PROBLEMA? RICO PENTEADO responde | TELEMETRIA

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #138 – Red Bull não sabe o que fazer contra Mercedes após GP da Turquia?

 

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Hamilton aprova terceira corrida nos Estados Unidos, mas quer ver F1 de volta à África do Sul
Artigo anterior

Hamilton aprova terceira corrida nos Estados Unidos, mas quer ver F1 de volta à África do Sul

Próximo artigo

F1 - Verstappen não se preocupa com melhora da Mercedes: "Temos que focar em nós mesmos"

F1 - Verstappen não se preocupa com melhora da Mercedes: "Temos que focar em nós mesmos"
Carregar comentários