F1: FIA avaliou remoção da chicane final em Barcelona

Último setor da pista é fonte de reclamação de fãs e pilotos, mas FIA avisou que "não é uma mudança da noite para o dia"

F1: FIA avaliou remoção da chicane final em Barcelona

A Fórmula 1 correu pela primeira vez no novo layout do circuito de Barcelona depois que a curva 10 foi redesenhada em uma tentativa de melhorar as ultrapassagens e tornar o local mais rápido. Porém, as críticas em relação à chicane da curva 14 e 15 continuaram.

Introduzida em 2007 e há muito tempo ponto de discórdia, vários pilotos pediram um retorno às duas curvas à direita que eram usadas anteriormente, levando os carros de volta à reta principal sem ter que reduzir a velocidade no trecho final da pista.

Leia também:

Sebastian Vettel disse antes da corrida que uma forma de resolver a falta de ultrapassagens na Espanha seria "trazer de volta as duas últimas curvas" e que tinha "esperanças para o futuro" de que o traçado antigo volte.

O diretor de provas da FIA, Michael Masi, explicou após a corrida que um retorno ao antigo layout no setor final foi considerado como parte das vistorias realizadas pela Federação nos circuitos utilizados pela F1.

Mas ele avisou que não tomou nenhuma decisão precipitada, levando em conta uma série de fatores, incluindo a segurança dos pilotos.

"É algo que vimos há algum tempo", disse Mais. “Obviamente, não é uma mudança da noite para o dia que pode ser feita naquela curva, temos que dar uma olhada em todas as implicações e consequências que podem ocorrer.”

"Como todos nossos circuitos e curvas diferentes e tudo mais, trabalhamos em conjunto com as equipes, os pilotos e a F1 para garantir que tenhamos o local mais seguro possível, mas também algo que promova boas corridas."

O GP da Espanha ganhou fama pela falta de ultrapassagens e, nos últimos anos, as equipes precisaram recorrer a estratégias diferentes para melhorar a corrida.

O piloto da casa, Fernando Alonso, disse, após a corrida, que as mudanças na curva 10 pouco ajudaram para melhorar a situação, mas sugeriu que a zona de ativação do DRS no setor final poderia ser ampliada.

"Confirmei os sentimentos que tinha sobre a curva 10: não mudou muito para realizar as ultrapassagens", disse o bicampeão após a corrida.

“Acho que é uma curva muito semelhante nesse aspecto, da antiga curva 10. É mais divertido de pilotar, porque é mais rápido e você pode carregar mais velocidade nas curvas. Isso foi uma coisa positiva.”

“Mas em termos de ultrapassagem não foi uma boa mudança. Para melhorar, é difícil saber o que fazer. Talvez um pouco mais de DRS, logo após a última chicane, talvez conseguir abrir o DRS seja uma possibilidade para o futuro, não sei. Mas aqui sempre foi difícil ultrapassar.”

F1: TRETA de MERCEDES e RED BULL ganha novo capítulo após BRONCA de Hamilton; entenda ASA FLEXÍVEL

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #104 – Mercedes x Red Bull já pode ser considerada uma das maiores rivalidades da F1?

 

compartilhar
comentários
F1 - Wolff: “15 funcionários e uma fábrica não serão suficientes” para Red Bull ser competitiva

Artigo anterior

F1 - Wolff: “15 funcionários e uma fábrica não serão suficientes” para Red Bull ser competitiva

Próximo artigo

F1: Marko rebate Mercedes sobre polêmica com asas flexíveis: "Wolff disse a Lewis para criar um clima"

F1: Marko rebate Mercedes sobre polêmica com asas flexíveis: "Wolff disse a Lewis para criar um clima"
Carregar comentários