Fórmula 1 GP da Itália

F1: FIA confirma que todas as 10 equipes cumpriram o teto orçamentário de 2022

Isso encerra rumores de que três equipes teriam violado as normas no ano anterior

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18, Carlos Sainz, Ferrari F1-75 at the start

A FIA revelou na manhã desta terça-feira (05) que todas as dez equipes da Fórmula 1 cumpriram as normas do teto orçamentário em relação aos seus relatórios financeiros de 2022, o que significa que nenhuma está sujeita a penalizações.

Cada uma recebeu o certificado de compliance por não exceder o teto de gastos determinado em 135 milhões de dólares mais extras (pelas corridas sprint e outras questões determinadas em comum acordo) entre 01 de janeiro e 31 de dezembro de 2022.

Leia também:

A FIA acrescentou que as atividades não-relacionadas à F1 de cada equipe foram extensamente estudadas, junto de visitas presenciais, mas não foi descoberto nenhum tipo de violação após uma controvérsia levantada mais cedo no ano de que alguns times estariam usando engenheiros de outros projetos para influenciar o trabalho na F1. Essa é uma brecha que agora foi fechada no regulamento.

Também não foram reportados nenhum tipo de violações de procedimento, seja de ajuste incorreto dos gastos ou preenchimento incorreto da papelada, em meio a rumores de que haviam equipes que haviam violado o regulamento.

"A Administração do Teto Orçamentário da FIA lançou os certificados de compliance a todos os dez competidores. A revisão foi intensa e completa, iniciando por uma análise detalhada da documentação submetida pelas equipes".

"Adicionalmente, fizemos uma checagem extensa das atividades não-ligadas à F1 realizadas pelas equipes, compreendendo múltiplas visitas in loco às sedes e uma auditoria cuidadosa dos procedimentos para avaliar se havia o cumprimento do Regulamento Financeiro".

"A Administração do Teto Orçamentário da FIA nota que todos os competidores agiram o tempo todo com boa fé e cooperação ao longo do processo".

Christian Horner, Red Bull Racing Team Principal

Christian Horner, Red Bull Racing Team Principal

Photo by: Red Bull Content Pool

É uma situação bem diferente da polêmica do ano passado, quando a Red Bull foi multada por estourar o teto em aproximadamente 1,8 milhão de dólares, recebendo uma penalização financeira de 7 milhões de dólares e uma redução de 10% no tempo permitido de testes aerodinâmicos pelo que foi considerado uma "Violação Minoritária" - gastos que excedem o teto em até 5% do total.

Também no ano passado, a Aston Martin foi multada em 450 mil dólares por uma violação de procedimento, relacionado aos gastos com a construção de sua nova sede em Silverstone e as leis britânicas.

Das violações determinadas pelo regulamento, uma "Violação Material" é a mais severa, sendo relacionada a gastos que excedem o teto em mais de 5% do total daquele ano. Nestes casos, a FIA tirará pontos da equipe no Mundial dependendo da violação, além de poder decidir outras multas financeiras ou desportivas.

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #245 - Novidades sobre Massa-2008 e Drugo na Sauber: Brasil nos holofotes!

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior RETA FINAL: Sainz se impõe e caos se forma na Itália; o recorde de Verstappen
Próximo artigo F1: Rival da Ferrari, Alonso menospreza pódio da equipe em Monza

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil