Últimas notícias

F1: Marko admite que motor Ferrari é o mais potente de 2023

Segundo dirigente de equipe austríaca, Red Bull presumiu que equipes trabalhariam em seus pontos fracos para temporada deste ano

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19, Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Os dados observados durante o GP do Bahrein, bem como os dados disponibilizados às equipes, já permitiram estabelecer o equilíbrio de potência entre os quatro fabricantes de motores no grid da Fórmula 1.

Em 2022, o bloco do motor da Ferrari tinha reconhecida capacidade de acelerar nas curvas lentas, mas sofria com um déficit de potência nas retas em relação ao da Honda usado pela Red Bull. Essa tendência mudou à luz dos eventos na pista de Sakhir, em que os dados do GPS dos testes de inverno e do GP sugerem uma reversão. A Ferrari liderou a tabela de velocidade máxima lá.

Leia também:

Na classificação, no Q3, as duas Ferraris foram mais de 1,5 km/h mais rápidas que as Red Bulls de Max Verstappen e Sergio Pérez na reta principal. Na longa reta entre as curvas 10 e 11, a vantagem dos carros vermelhos chegava a 3 km/h.

Embora as escolhas de configuração das equipes também devam ser levadas em consideração, principalmente em termos de downforce, a hierarquia da unidade de potência de 2023 realmente começou a ficar mais clara, conforme confirmado por Helmut Marko com base nas observações dos engenheiros da Red Bull.

“Não temos números exatos para as unidades de potência, mas com base nas várias comparações e informações, assumimos que o motor da Ferrari é o mais potente no geral”, explicou o consultor da Red Bull em entrevista à redação alemã do Formel1.de. "Depois há a Honda [RBPT], depois a Mercedes, que está mais ou menos no mesmo nível. A Renault vem logo atrás."

A situação da Ferrari, no entanto, quase lembra o famoso slogan do fabricante de pneus da F1: "Sem controle, a potência não é nada". Bem, essa suposta vantagem de potência, na qual a Ferrari trabalhou durante o inverno no departamento de motores de Maranello não foi suficiente para tornar o F1-75 um candidato à vitória no primeiro GP. De fato, a Scuderia está sofrendo de outros problemas, entre os quais a degradação dos pneus, que piorou visivelmente em relação ao ano passado.

"Presumimos que as equipes, começando com Ferrari e Mercedes, trabalhariam em seus pontos fracos", disse Helmut Marko. "Pegue a Ferrari. A velocidade máxima melhorou consideravelmente, mas o desgaste dos pneus, que é o elemento crucial, não melhorou nada. Eu diria até que é quase pior em comparação a nós. Para a Mercedes, o início da temporada é tão caótico como no ano passado. Só não acho que haja uma solução rápida para isso”, completou.

Rico Penteado revela como Flavio Briatore 'acabou com a brincadeira' na Renault F1

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #220 - Fernando Alonso pode ser a 'salvação' da F1 em 2023?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Namorada de Alonso diz que atual contrato de espanhol pode ser o último
Próximo artigo F1: Cristiano Ronaldo deve estar no paddock do GP da Arábia Saudita

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil