Fórmula 1 Testes de fevereiro no Bahrein

F1 - Mercedes celebra ausência de quiques no W14: “Bom ponto de partida”

Toto Wolff se mostra satisfeito com início de jornada do novo modelo, comparando com o que aconteceu há um ano

George Russell, Mercedes F1 W14

A Mercedes está confiante de que está em um lugar totalmente diferente com seu carro de Fórmula 1 de 2023 em comparação com o ano passado, depois de relatar que o carro não saltava no primeiro dia de testes.

Doze meses depois de seu conturbado teste no Bahrein, em que a montadora alemã foi atormentada pelo porpoising, a equipe parecia muito mais feliz com seu carro.

Leia também:

E embora os tempos de volta tenham sido amplamente irrelevantes, já que as equipes concentraram seus esforços iniciais em obter uma compreensão inicial de seus carros, o chefe da Mercedes, Toto Wolff, disse que o feedback inicial de George Russell foi promissor.

“Parece estar equilibrado da maneira certa”, disse Wolff. “Não há saltos, o que é uma boa notícia, exceto pelo grande solavanco no final da reta.

“É um bom ponto de partida. Estamos coletando muitos dados porque era importante correlacionar obviamente depois do ano passado e tentando coisas diferentes.”

Questionado pelo Motorsport.com se houve algum porpoising, Wolff disse: “Não, não vimos nenhum salto.

“Tivemos um pouco de movimento na curva 12, a mais rápida. Mas não está nem perto do grau que tivemos no ano passado e, nesta fase, não limita o desempenho.”

George Russell, Mercedes F1 W14

George Russell, Mercedes F1 W14

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

A promessa da primeira corrida da Mercedes com o W14 vem com Wolff admitindo que o time sabia muito rapidamente no ano passado quanta dificuldade estava envolvido.

“Sabíamos que estávamos com problemas porque o carro estava quicando”, explicou ele. “E nós realmente não fomos capazes de pilotá-lo corretamente. Então, isso é muito diferente.

“Acho que agora temos uma base sólida para trabalhar e tentar otimizar o carro, o que ainda não fizemos. É realmente apenas descobrir, existem áreas que podem ter obstáculos reais ao desempenho. Agora é só trabalhar no programa.”

Enquanto todas as equipes estavam enfrentando muito menos problemas de salto do que no ano passado, solavancos na pista de Sakhir no final das retas estavam provocando algum movimento indesejável do carro.

No entanto, o problema com os solavancos era totalmente diferente das características dos que se mostraram uma dor de cabeça no ano passado.

O chefe da equipe Ferrari, Fred Vasseur, disse: “Não é nada como era há um ano, com o carro quicando como um canguru.

“Hoje temos algumas partes da pista – antes da curva 1 e da curva 12 – é um pouco mais irregular do que antes. Mas é uma questão diferente."

Alpine AZUL, Alfa Romeo, McLaren e cia: MELHORES e PIORES pinturas da F1 2023; assista ao DEBATE

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #217 – Como serão as batalhas internas das equipes na F1 2023?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Stroll quebrou os dois punhos e Drugovich tem chance de correr no GP do Bahrein
Próximo artigo F1: Saiba detalhes da lesão de Stroll que pode dar vaga a Drugovich em GP

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil