Fórmula 1
06 mai
Próximo evento em
60 dias
20 mai
Próximo evento em
74 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
88 dias
10 jun
Próximo evento em
95 dias
24 jun
Próximo evento em
109 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
116 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
130 dias
29 jul
Próximo evento em
144 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
172 dias
02 set
Próximo evento em
179 dias
09 set
Próximo evento em
186 dias
23 set
Próximo evento em
200 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
207 dias
07 out
Próximo evento em
214 dias
21 out
Próximo evento em
228 dias
28 out
Próximo evento em
235 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
271 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
280 dias

F1: Modelo de biosfera usado em Abu Dhabi pode ser replicado no GP da Austrália

A organização do evento já analisa quais profissionais locais poderão entrar ou não na bolha da F1

compartilhar
comentários
F1: Modelo de biosfera usado em Abu Dhabi pode ser replicado no GP da Austrália

O modelo de biosfera, que fez sua primeira aparição no GP de Abu Dhabi de Fórmula 1, pode ser usado na próxima etapa do Mundial, o GP da Austrália, que abre a temporada 2021 do Mundial em março do próximo ano. O formato fez com que o grid chegasse ao local em voos fretados e limitando a movimentação entre os hotéis usados pelo paddock e o circuito.

A biosfera representou um endurecimento das restrições, indo além da bolha que já vinha sendo usada desde o início da temporada em julho. E o modelo deve ser usado novamente na Austrália, já que as chances da etapa acontecer sem algo do tipo em vigor são baixas no momento.

Leia também:

As fronteiras internacionais da Austrália estão fechadas desde março, e dificilmente devem se abrir sem a obrigatoriedade de uma quarentena em hotéis, especialmente para países europeus, até que a vacina seja estabelecida.

Motorsport.com apurou que os planos estão em ação para uma biosfera da F1 em Melbourne para o próximo ano, para evitar que o paddock da categoria passe 14 dias trancados em um hotel antes da prova.

O movimento entre hotéis designados e o paddock seria fortemente controlado, com qualquer um se juntando à bolha tendo que fazer uma quarentena de 14 dias após o evento mesmo se quiserem acessar o resto do país.

Esse modelo deve afetar principalmente os envolvidos com o evento que são da Austrália, incluindo funcionários da empresa que organiza o GP e os fiscais de pista voluntários.

O Motorsport Austrália, órgão responsável pelo esporte no país, começou a listar pessoal categorizado como "Perfil 1", que podem precisar fazer quarentena de quatro dias antes do evento, tendo que entregar um resultado negativo de Covid-19 na sequência para serem liberados para entrar na bolha. Por outro lado, eles podem ser obrigados a fazer uma outra quarentena de 14 dias após o GP.

Esse número de pessoas "Perfil 1" deve variar entre 25 e 75 dos mais de 1000 funcionários envolvidos com o GP. Eles se encaixam em funções como trabalho no pitlane, paddock ou junto à direção de prova.

Já as pessoas no "Perfil 2" incluem aqueles que trabalham em eventos de apoio e os fiscais de pista, que não precisam entrar na bolha da F1. Os paddocks das categorias de apoio como o Supercars ficam de fora da bolha da F1, assim como o centro nacional de imprensa, que opera fora do local.

O diretor geral de automobilismo do Motorsport Austrália, Michael Smith, reforçou que ainda não foi tomada uma decisão final sobre o caso, e que a listagem dos oficiais dispostos a passar pela quarentena é crucial para garantir a realização do evento.

"Será um evento muito diferente ao que estamos acostumados", disse ao Motorsport.com. "A FIA tem um regulamento rígido sobre Covid em vigor, e precisamos nos encaixar nesse meio. A F1 criou essencialmente uma bolha e precisamos de um modo para colocar nosso pessoal dentro dela".

"A organização do GP da Austrália está trabalhando com o governo de Victória para entender quais são os requerimentos locais. As coisas não estão 100% fechadas ainda, mas estamos olhando para tudo. A quarentena é certamente um dos cenários que estamos considerando".

"Estamos trabalhando com nossa equipe no momento para ver como podemos fazer para entregar o evento e ver o quem precisa ou não entrar na bolha. É um número pequeno, para ser honesto. No máximo seriam 75, mas podem ser até 25 ou 30, dependendo da estrutura".

"O pitlane da F1, a área do paddock e a direção de prova, o que a FIA coloca como áreas de alta densidade, quem trabalha nessa área precisa ser Perfil 1. Eles são os que precisamos olhar e criar arranjos necessários".

A Austrália tem sido muito bem sucedida em limitar os danos sanitários causados pela Covid-19, com a transmissão comunitária sendo essencialmente não existente em todos os estados e territórios.

Já Melboune passou boa parte do segundo semestre em um confinamento rígido devido a uma mortal segunda onda de casos que viu a média de mortes diárias no país pular de menos de 800 para um recorde de 908.

O GP da Austrália está marcado para os dias 18 a 21 de março de 2021.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

PÓDIO: Verstappen fecha temporada em alta; veja debate sobre os melhores do ano

PODCAST: 'Show' de Russell pode gerar problema para Mercedes?

 

Marko vê Red Bull como candidata ao título da F1 em 2021: "Acredito que estaremos muito fortes"

Artigo anterior

Marko vê Red Bull como candidata ao título da F1 em 2021: "Acredito que estaremos muito fortes"

Próximo artigo

Mercedes revela déficit de potência dos motores para GP, mas afirma que isso não explica diferença para Red Bull

Mercedes revela déficit de potência dos motores para GP, mas afirma que isso não explica diferença para Red Bull
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Andrew van Leeuwen