F1: Piquet é condenado a pagar R$5 milhões por ofensas a Hamilton; cabe recurso

Decisão de primeira instância foi proferida nessa sexta-feira pela 20ª Vara Cível de Brasília

Nelson Piquet

O ex-piloto de Fórmula 1 e tricampeão mundial Nelson Piquet foi condenado em primeira instância a pagar R$5 milhões de reais em decorrência dos comentários racistas e homofóbicos direcionados ao heptacampeão Lewis Hamilton. A decisão foi confirmada nessa sexta-feira pela 20ª Vara Cível de Brasília e cabe recurso.

Leia também:

A ação foi requerida por quatro entidades: Aliança Nacional LGBTI, Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas, Centro Santo Dias de Direitos Humanos da Arquidiocese de SP e Francisco de Assis: Educação, cidadania e direitos humanos. Elas alegaram que Piquet, ao comentar a respeito de acidente envolvendo Hamilton e Max Verstappen em Silverstone em 2021, usou de um termo racista para se referir ao piloto da Mercedes.

O comentário que levou à condenação foi feito em uma entrevista publicada no YouTube em novembro do ano passado. No trecho o ex-piloto usa da palavra "neguinho" para falar do britânico: "O neguinho meteu o carro e não deixou [desviar]. O Senna não fez isso. O Senna saiu reto. O neguinho deixou o carro porque não tinha como passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele foi que só o outro [Verstappen] se fudeu. Fez uma puta sacanagem”, disse. 

Após a repercussão do caso em novembro de 2021, Piquet se desculpou por sua linguagem: "Foi mal pensada e não a defendo". 

Ele também alegou que foi mal traduzido porque o termo depreciativo que usou "é aquele que tem sido amplamente e historicamente usado coloquialmente no português brasileiro como sinônimo de 'cara' ou 'pessoa' e nunca teve a intenção de ofender".

Ainda na mesma entrevista, Piquet, ao comentar sobre a rivalidade vivida por Hamilton e Nico Rosberg em 2016 na disputa pelo título mundial, emendou uma fala vista como homofóbica para justificar a perda do campeonato por parte do britânico enquanto criticava o pai de Nico, Keke. 

Na decisão, o juiz responsável pela ação afirmou que o valor da condenação representa não só "a função reparatória da responsabilidade civil, mas também (e talvez principalmente) a função punitiva, exatamente para que, como sociedade, possamos nos ver algum dia livres dos atos perniciosos que são o racismo e a homofobia”.

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com #222 – ‘Buraco’ da Ferrari é maior que o da Mercedes em 2023?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior 'Caminho sustentável' da F1 não representa o futuro do esporte a motor, diz criador da Fórmula E
Próximo artigo Di Grassi explica crítica a Vettel e à F1: Fórmula E "é muito mais relevante"

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil