F1: Pista de Miami passa por reparos após o surgimento de áreas danificadas

Trabalho foi realizado em duas curvas do circuito, antes mesmo que os carros fossem à pista pela primeira vez

F1: Pista de Miami passa por reparos após o surgimento de áreas danificadas
Carregar reprodutor de áudio

A organização do GP de Miami de Fórmula 1 precisou trabalhar durante a noite de quinta para sexta em busca de reparar algumas pequenas áreas danificadas que surgiram na superfície da pista ontem.

A principal área de preocupação é a curva 17, um hairpin para a esquerda antes das curvas finais que levam à reta principal. Houve também um problema com a curva sete, uma área para a esquerda e que é um pouco mais apertada, localizada próxima à marina falsa.

Leia também:

Na noite de quinta, alguns pequenos pontos de dano ficaram evidentes na curva 17, poucos metros fora da trajetória ideal e mais ou menos na linha usada pelas rodas externas dos carros.

Esses danos surgiram antes mesmo dos carros irem à pista, tendo como única ação até aqui voltas de verificação dos carros médico e de segurança, além de atividades associadas com a construção do circuito e áreas de hospitalidade.

Acredita-se que as áreas problemáticas foram localizadas, e não há mais preocupações sobre o resto da pista. O trabalho foi finalizado na manhã desta sexta.

Officials, including Niels Wittich, Race Director, FIA, Bernd Maylander, Safety Car Driver, inspect the track

Officials, including Niels Wittich, Race Director, FIA, Bernd Maylander, Safety Car Driver, inspect the track

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

Supervisionado pela Apex Circuito Design, responsável pelo circuito, a pavimentação da pista precisou de 24.000 toneladas de asfalto, que foram dispostos em mais de 77 mil metros em escalonamento em três pistas, para uma média de 15 metros de largura em casa.

A R3, empresa especialista em asfalto que já trabalhou com várias pistas de F1 pelo mundo, criou uma mistura de 60% de granito americano originário do estado da Geórgia e o restante sendo de calcário de origem do sul da Flórida. O betume, que é uma mistura viscosa de hidrocarbonetos, é usado para unir o agregado.

Após ser colocado, o betume da superfície é retirado para a texturização da superfície, criando os níveis de aderência exigidos pelos pneus da Pirelli.

A FIA exige que o asfalto seja colocado pelo menos 60 dias antes do fim de semana da corrida, e isso foi cumprido por Miami, apesar dos outros eventos no Hard Rock Stadium, como os jogos da NFL, um festival de Jazz e o Aberto de Miami de tênis.

TELEMETRIA: Qual equipe é favorita no GP de Miami?

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST - TELEMETIRA: Tudo sobre o GP de Miami com Rico Penteado

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Das 500 Milhas de Indianápolis a Miami (e além): a história da F1 nos Estados Unidos
Artigo anterior

Das 500 Milhas de Indianápolis a Miami (e além): a história da F1 nos Estados Unidos

Próximo artigo

F1: Mercedes divulga nova arte para asa traseira no GP de Miami

F1: Mercedes divulga nova arte para asa traseira no GP de Miami