F1: Presidente da FIA teria pressionado autoridades a não homologar o circuito de Las Vegas; entenda

Um funcionário teria sido contratado para encontrar problemas no local, de modo que ele não pudesse ser declarado seguro

Mohammed Ben Sulayem, FIA President

Jake Grant / Motorsport Images

Após ser acusado de interferir no resultado do GP da Arábia Saudita da temporada 2023 da Fórmula 1, o presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, está sendo apontado de pressionar as autoridades a não certificarem o circuito de Las Vegas, de acordo com a BBC.

 

Leia também:

De acordo com a matéria, um delator alega que eles foram instruídos "a mando do presidente da FIA" a não homologar a pista de rua antes do GP de Las Vegas, inaugurado em novembro do ano passado - um evento emblemático para a F1, que passou a promover a corrida pela primeira vez. Essa alegação está incluída em um relatório, que a BBC afirma ter visto, feito pelo diretor de conformidade da FIA para seu comitê de ética.

Houve um atraso antes que o circuito estivesse pronto para a inspeção devido a "obras de construção em andamento do organizador local". Depois disso, o denunciante diz que foi contratado por seu gerente com a instrução de Ben Sulayem para encontrar problemas com o local, de modo que ele não pudesse ser declarado seguro. Mas nenhum problema foi encontrado.

Essa acusação parece estar em desacordo com as afirmações de Ben Sulayem de que ele apoiou a homologação da nova pista e que a relação entre o órgão regulador e a FOM é muito mais forte do que quando ele substituiu o antecessor Jean Todt.

Em uma entrevista exclusiva com a revista irmã do Motorosport.com, a GP Racing, perguntaram a Ben Sulayem se a FIA e a FOM precisam estar sempre de acordo. Sua resposta foi: "Não. A FOM tem seus pontos. Mas hoje, desde que assumi a presidência, estamos em uma posição muito melhor juntos.

General view of the start finish line from above at the Las Vegas GP

Vista geral da linha de chegada da largada, vista de cima, no GP de Las Vegas

Foto de: Philip Hurst / Motorsport Images

"E se você me dissesse que eu poderia voltar atrás e mudar algumas das coisas que aconteceram, por exemplo, quando fui atingido pela mídia, eu não mudaria nada. Vou lhe dar um exemplo de Las Vegas... O presidente da FIA é quem assina a homologação da nova pista, ou de todas as pistas. Eu apoiei."

"Eu poderia ter dito não, [porque não estava pronto a tempo para a inspeção]. Mas assim que minha equipe disse que era seguro... porque sou piloto, me preocupo com o bem-estar dos pilotos e das pessoas ao redor deles, nossa equipe e os fiscais. Eu fiz isso."

"Foi uma coisa importante. Se eu tivesse dito não, teria sido desastroso [para a F1]. Mas teria sido legal. Mas sou cuidadoso porque amo o esporte. No fim das contas, estamos no mesmo barco. Podemos ter missões diferentes. Mas estamos no mesmo barco. Não podemos deixar o esporte afundar."

O Motorsport.com entrou em contato com a FIA para comentar o assunto.

GUERRA! JOS Verstappen DISPARA CONTRA HORNER: "Vai EXPLODIR" a Red Bull

O que a F1 pode fazer para que o domínio de Max não seja desinteressante?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Red Bull elogia Pérez por não ter sido "destruído por Verstappen" no Bahrein
Próximo artigo GP da Arábia Saudita de F1: Horários e como assistir à etapa de Jeddah no sábado, com F2 e F1 Academy

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil