F1: Restrições por Covid tornam trabalho das equipes mais difícil para sequência de pistas novas

compartilhar
comentários
F1: Restrições por Covid tornam trabalho das equipes mais difícil para sequência de pistas novas
Por:
, Editor

Engenheiro da Mercedes explicou como isso pode impactar na preparação para a sequência de Nurburgring, Portimão, Ímola e Turquia

As próximas quatro corridas do calendário da Fórmula 1 acontecerão em pistas que, no máximo, recebeu o Mundial pela última vez há sete anos. E essa situação, junto com as restrições de viagens de cada país devido à pandemia estão tornando as preparações para essa etapa do calendário "muito difíceis", segundo Andrew Shovlin, da Mercedes.

Neste fim de semana, Nurburgring volta a receber a F1 após sete anos com o GP de Eifel. Na sequência, uma rodada dupla com a volta do GP de Portugal e a estreia de Portimão no Mundial e Ímola, longe do calendário desde 2006.

Leia também:

A última etapa dessa perna do calendário será a volta do GP da Turquia pela primeira vez desde 2011, no circuito de Istambul.

Após concordar em não realizar testes privados em nenhuma dessas pistas como forma de cortar gastos, as equipes estão dependendo dos simuladores para estudar os circuitos.

Mas com o Reino Unido impondo restrições de quarentena para um crescente número de países como forma de impedir a disseminação do vírus, as equipes percebem que está cada vez mais difícil trazer os pilotos para utilizar o simulador.

"Temos uma sequência grande de novos circuitos nesse ano", disse o engenheiro-diretor de pista da Mercedes Andrew Shovlin. "Normalmente, lidamos com um ou dois. Há um aumento terrível de trabalho com essas novas pistas. E, idealmente, você traz os pilotos para andar no simulador".

"Mas isso está ficando cada vez mais difícil com essas restrições da Covid, porque as exceções se aplicam apenas aos finais de semana de corrida. Você não é isento somente por estar na F1 - isso se aplica apenas aos eventos".

"Com isso, tem sido difícil fazer a preparação para essa sequência".

Todas as pessoas ligadas à F1 estão isentas das regras de quarentena após as corridas, mas isso não se aplica a momentos fora dos finais de semana. A Mercedes tipicamente trabalha com seus reservas, Stoffel Vandoorne e Esteban Gutierrez para completar o trabalho do simulador em conjunto com Lewis Hamilton e Valtteri Bottas.

Mas Shovlin disse que a mesma abordagem segue em vigor na preparação para um final de semana de corrida, em termos de ajustes.

"O trabalho de selecionar o ajuste do carro e tudo mais é o mesmo independente do lugar, seja um circuito novo ou não. São mais elementos, entender a situação dos pneus. Então o trabalho pré-evento é um pouco mais difícil nesse quesito. Normalmente, temos os pilotos no simulador para testar".

Shovlin também reconheceu que o clima em Nurburgring pode ser um "grande desconhecido", com a prova acontecendo no meio de outubro, com previsão de baixas temperaturas.

"O outro grande desconhecido é o clima. Pode ser uma janela muito ampla e isso pode tornar as coisas interessantes. É um bom circuito. É bom voltar para lá".

Mercedes W11 (Temporada 2020)
Mercedes F1 W11 EQ Power+
Motor: Mercedes
Combustível: Petronas
Pneus: Pirelli

Pilotos:

44 - Lewis Hamilton

77 - Valtteri Bottas

Alonso é TAXATIVO sobre seus rivais Hamilson e Schumacher e "se compara" a algoz Vettel; veja

PODCAST: Kimi Raikkonen, 'apenas' um grande personagem ou um verdadeiro campeão?

 

F1: Marko diz que Red Bull considera "todas as opções" para futuro sem Honda

Artigo anterior

F1: Marko diz que Red Bull considera "todas as opções" para futuro sem Honda

Próximo artigo

Frio, chuva e esfarelamento dos pneus: os desafios que a F1 deve enfrentar em Nurburgring

Frio, chuva e esfarelamento dos pneus: os desafios que a F1 deve enfrentar em Nurburgring
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Luke Smith