F1: Saída da McLaren foi "mal que veio para o bem" na vida de Ricciardo

Australiano usou o tempo parado para repensar no que queria e também para adotar um novo comportamento no paddock

Daniel Ricciardo, AlphaTauri

Daniel Ricciardo, AlphaTauri

Red Bull Content Pool

A carreira de Daniel Ricciardo na Fórmula 1 parecia estar em risco de acabar depois que ele deixou a McLaren. Mas o australiano agora explica por que seu período sabático foi um "mal que veio para o bem".
Leia também:
Perder o lugar após uma rescisão antecipada de seu contrato com a equipe de Woking em 2022 levou o australiano a um caminho de autorreflexão que mudou o homem por baixo do capacete e o fez se apaixonar pela F1 novamente.
Um ano depois, Ricciardo parece ter voltado a ser o que era, depois de fazer meia temporada pela sua antiga equipe, a AlphaTauri, e apresentar performances convincentes. Em entrevista ao Motorsport.com, ele falou sobre como o tempo de descanso lhe deu uma perspectiva diferente da carreira e da vida. 
"Quando você passa por alguma coisa, isso acaba lhe dando uma perspectiva diferente ou faz com que você aprecie mais os bons momentos ou que entenda como lidar com os momentos difíceis. Quando você estava deprimido, talvez você perceba o que é importante para você e o que não é", disse Ricciardo.
"Então, com todas essas coisas, acho que você aprende muito sobre si mesmo. E, ao sair, percebi que ainda amo muito isso, que ainda acredito em mim mesmo." 
Em um nível mais profundo, reacender seu amor pela categoria e recuperar a confiança ajudou Ricciardo a ver sua vida e carreira de uma maneira diferente. Para o australiano se tornar a melhor versão de si mesmo, ele precisou trabalhar sua imagem no paddock e ser levado mais a sério, sem se perder nos detalhes, como aconteceu durante sua passagem pela McLaren.
"Não quero carregar o peso do mundo em meus ombros, porque ainda assim deve ser divertido. E sim, vou levar isso a sério", explicou ele. "Vou tentar ser a melhor versão de mim mesmo, mas não quero que isso consuma cada parte de mim a ponto de eu não aproveitar outros aspectos da minha vida, porque não é assim que deve ser."
Marshals deal with the damaged car of Daniel Ricciardo, AlphaTauri AT04

Foto de: Simon Galloway / Motorsport Images

Os fiscais cuidam do carro danificado de Daniel Ricciardo, AlphaTauri AT04

Depois de apenas duas corridas em seu retorno à F1 com a AlphaTauri, o piloto de 34 anos enfrentou outro contratempo quando quebrou a mão durante o que ele descreveu como um "acidente bastante patético" nos treinos para o GP da Holanda.
"Eu me sentia faminto e motivado novamente, como eu era antes, e estava adorando. Então, quando isso aconteceu, tirou temporariamente um pouco do fôlego em mim", explicou. "Tentei pensar no futuro, na maneira mais rápida de melhorar e me recuperar novamente, e me recusei a deixar que o trabalho árduo que fiz durante todo o ano para voltar àquele lugar fosse desfeito por causa de uma lesão."
Falando sobre como ele diminuiu sua aparência no paddock depois de chegar em Austin em um cavalo em 20222, ele disse: "Não quero entrar e fazer muitas piadas ou brincadeiras, ainda quero ter certeza de que sou visto como alguém que está com fome e motivado e não apenas alguém que está aqui para estar aqui."
Mas depois de perder sua confiança na McLaren, o que também levou a uma perda de paixão pelo trabalho, ele agora sente que sua saída prematura da equipe foi um "mal que veio para o bem", forçando-o a se reconectar consigo mesmo em um nível mais profundo e transformando essa negatividade em algo mais positivo.
"Veja bem, por mais incômoda que tenha sido a situação da McLaren em alguns momentos, ela foi um mal que veio para o bem. Digamos que eles cancelaram meu contrato porque eu precisava me afastar para me reencontrar, reencontrar meu amor e recuperar o ímpeto também."
Daniel Ricciardo, McLaren

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Daniel Ricciardo, McLaren

"Acho que havia muitos elementos que estavam um pouco feridos ou machucados, como meu impulso e minha motivação. Então, eu só precisava reencontrar isso e esse tempo fora me trouxe de volta." 
A pausa de Ricciardo na F1 também o ajudou a buscar seus interesses fora do automobilismo para evitar qualquer "medo de se aposentar" definitivamente um dia. "Eu queria ter certeza de que ainda poderia ter outros hobbies e interesses na vida, porque voltar ao esporte faz com que ele pareça tão sério quanto eu quero levar.  
"Isso fez com que eu sentisse que não era o principal e o fim de tudo. Então, sim, optei por fazer coisas, buscar outros caminhos na vida, também garantir que eu tenha outras paixões e interesses e não tenha medo de me aposentar um dia. Então, em parte foi explorar um pouco disso e o que me mantém animado e sorridente." 
"Definitivamente, houve momentos em que eu só queria ficar sozinho, em meus próprios pensamentos e entender em que encruzilhada estava na vida. E a emoção em mim era, às vezes, do tipo: 'Não quero correr de novo'".  
"Mas eu sabia que precisava de tempo para deixar isso se acalmar e entender realmente o que meu coração desejava. E, por fim, senti que estava recebendo essa resposta cada vez mais."

DRUGOVICH e BORTOLETO na mesma equipe de F1? Brasileiros falam sobre 2024 e ALÉM na ASTON e McLAREN

Sai Barcelona, entra Madri: F1 muda DNA e pode perder GPs clássicos

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior "Racing Bulls" estará na F1 2024, mas não como nome da equipe Visa Cash App RB; entenda
Próximo artigo F1: Ferrari anuncia extensão de contrato de Leclerc, mas faz mistério sobre duração do novo acordo

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil