F1 - Sainz alerta: carros de 2022 podem trazer problemas nas costas e pescoço a longo prazo

Piloto quer abrir debate sobre efeitos dos carros atuais no corpo dos pilotos em longo praz, não descartando interferência da FIA

F1 - Sainz alerta: carros de 2022 podem trazer problemas nas costas e pescoço a longo prazo
Carregar reprodutor de áudio

Carlos Sainz alertou que os pilotos de Fórmula 1 podem sofrer problemas no pescoço e nas costas a longo prazo, como resultado direto da atual geração de carros.

O espanhol disse que já pode sentir os efeitos de suspensões mais rígidas junto com o problema que muitas equipes estão sofrendo em 2022.

Leia também:

O piloto da Ferrari disse que quer iniciar um debate sobre o assunto para ver se há alguma maneira de melhorar a situação.

Sainz levantou a questão quando perguntado pelo Motorsport.com como serão os carros de 2022 nas apertadas ruas de Mônaco.

"Acho que será um grande desafio", disse. “Acho que as zebras em Miami já pareciam agressivas para esses carros. Houve alguns solavancos em Ímola que foram bastante difíceis para o corpo.

“Mais do que Mônaco, precisamos pensar sobre quanto um piloto deve pagar por suas costas e sua saúde em uma carreira na F1 com esse tipo de filosofia de carro. Creio que precisamos abrir este debate mais do que qualquer outra coisa.

"Acho que os regulamentos são ótimos. Eles estão fazendo exatamente o que precisamos para as corridas. Mas precisamos ter um carro tão duro para o pescoço e para as costas como estamos tendo que correr ultimamente, com essa massa?

“Para mim, é mais uma questão filosófica que eu coloco, talvez para a F1 e todos repensarem sobre o quanto o piloto precisa realmente pagar pelo preço em sua carreira com sua saúde, a fim de combater isso.

"Mônaco será difícil e tudo mais, mas estou pensando mais a longo prazo."

Sainz, cujos próprios problemas no pescoço não foram ajudados por seu forte acidente nos treinos em Miami, disse que sua opinião foi baseada na experiência pessoal de como ele se sentiu depois de pilotar a Ferrari de F1-75 até agora este ano.

"Eu não tive conselhos de especialistas", ele admitiu. "Fiz meus exames habituais nas costas, no pescoço, e vejo que este ano estou mais duro em todos os lugares.

Carlos Sainz crashed his Ferrari F1-75 in practice for Miami GP

Carlos Sainz crashed his Ferrari F1-75 in practice for Miami GP

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

"Já estou sentindo. Não preciso de conselhos de especialistas para saber que 10 anos assim vão ser duros, e você vai precisar trabalhar muito em mobilidade, flexibilidade. Vou precisar investir na saúde, na saúde geral do corpo."

Ele também admitiu que era um assunto difícil para os pilotos de F1 se abrirem.

“Provavelmente é uma questão que eu acho que como pilotos não gostamos muito de falar porque não gostamos de soar, digamos, fracos.

“Sou forte, estou muito em forma, me considero um dos pilotos mais aptos e nunca sofri em uma corrida de F1.

“Mas é mais a longo prazo e para o benefício de todos nós que talvez devêssemos divulgar isso para conversar e ver quais opções temos”.

Questionado se a FIA teria que se envolver, ele disse: "Chegará a um ponto em que, se decidirmos seguir em certas direções, a FIA precisará se envolver com certeza. Vamos ver no futuro".

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST #178: Será o fim da linha para Vettel e Alonso na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

compartilhar
comentários
FIA pode treinar navegadores de rali para serem diretores de provas da F1
Artigo anterior

FIA pode treinar navegadores de rali para serem diretores de provas da F1

Próximo artigo

Prefeito de Nova York tem interesse em receber F1 e oferece espaço para GP

Prefeito de Nova York tem interesse em receber F1 e oferece espaço para GP