F1: Wolff diz que conversas com diretor de provas deveriam ser proibidas

Chefe da Mercedes reconhece que ultrapassou os limites, assim como o principal dirigente da Red Bull, Christian Horner

F1: Wolff diz que conversas com diretor de provas deveriam ser proibidas
Carregar reprodutor de áudio

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, concorda que os chefes das equipes de Fórmula 1 não devem ser autorizados a se comunicar com o diretor de corridas da FIA por rádio.

Tradicionalmente, o chefe esportivo tem sido o único ponto de contato de áudio entre times e o controle de corrida, caso haja necessidade de comunicação durante as provas.

Leia também:

Este ano a F1 e a FIA concordaram em transmitir as conversas entre as equipes e Michael Masi pela primeira vez, a fim de dar aos fãs uma visão adicional do show.

Conforme a temporada avançava, tanto Wolff quanto o chefe da Red Bull, Christian Horner, ocasionalmente substituíram seus respectivos chefes esportivos Ron Meadows e Jonathan Wheatley e usaram o canal de comunicação na tentativa de influenciar as decisões no controle das corridas, e ambos foram ativos na parte final do GP de Abu Dhabi.

Horner pediu que os carros entre Max Verstappen e Lewis Hamilton pudessem se desvencilhar, enquanto Wolff deixou seus sentimentos claros após a movimentação polêmica, tendo anteriormente pedido que não houvesse safety car quando Antonio Giovinazzi parou na pista.

Depois da corrida, o diretor da F1, Ross Brawn, sugeriu que os chefes de equipe não deveriam mais ter permissão para usar o canal de controle da corrida.

“Eu concordo com Ross,” disse Wolff quando questionado pelo Motorsport.com. “Mas eu culpo igualmente a Ross e a mim mesmo porque temos participado da tomada de decisão de transmitir mais dos canais com o propósito de transparência e entretenimento para os fãs.”

“Há muita coisa acontecendo no intercomunicador para dar aos fãs um pouco de uma visão geral de todos os pequenos dramas que acontecem, como o carro quebrando e estamos tendo algum tipo de discussão de estratégia, foi bem intencionado. Mas acho que ultrapassamos.

“Christian e eu tivemos a oportunidade de falar diretamente com o diretor da prova e, como lutamos tanto pelos interesses de nossas equipes, todos nós ultrapassamos.

“Certamente foi parte das falhas deste ano que, sob pressão dos chefes de equipe, a vida do diretor de corrida não foi facilitada, certamente.”

Wolff sugeriu que não apenas os chefes das equipes deveriam ser proibidos de falar com o diretor da prova, mas também deveria haver limites para eles.

“Precisamos voltar”, disse ele. “Acho que os chefes de equipe não devem falar diretamente com o diretor da prova, mas sim com os diretores esportivos. Vou dar um passo adiante e dizer que não acho que diretores esportivos devam fazer lobby para diretores de corrida ou exercer pressão.”

“Eles deveriam apontar para situações que o diretor da prova ou seus colegas podem não ter notado, mas não fazer lobby, não pressionar.”

MERCEDES tinha razão no PROTESTO? Giaffone analisa POLÊMICA na F1, FUTURO de Masi e MUDANÇAS em 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #152: Qual tamanho do título de Verstappen após derrotar Hamilton?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Entenda por que a Mercedes retirou apelo sobre resultado do GP de Abu Dhabi
Artigo anterior

F1: Entenda por que a Mercedes retirou apelo sobre resultado do GP de Abu Dhabi

Próximo artigo

ANÁLISE: O que as equipes aprenderam com o teste da F1 com os novos pneus de 18 polegadas?

ANÁLISE: O que as equipes aprenderam com o teste da F1 com os novos pneus de 18 polegadas?