Hamilton diz que ficou "dominado pela raiva" por eventos ocorridos nos EUA

compartilhar
comentários
Hamilton diz que ficou "dominado pela raiva" por eventos ocorridos nos EUA
Por:

Hexacampeão mundial de F1 volta a usar redes sociais para falar sobre o assassinato de George Floyd

Lewis Hamilton expressou seus pensamentos à luz dos contínuos confrontos entre manifestantes contra o racismo e as autoridades dos Estados Unidos - e diz que foi "dominado pela raiva".

A morte de George Floyd em Minneapolis, no dia 25 de maio, renovou o foco sobre o racismo de todas as formas, havendo protestos e confrontos violentos com as autoridades em muitas das principais cidades dos Estados Unidos.

Leia também:

No domingo, Hamilton usou as mídias sociais para desafiar “as maiores estrelas” e, especificamente, as pessoas do automobilismo para não ficarem caladas sobre a questão do racismo, o que gerou respostas positivas de muitos colegas pilotos e de sua própria equipe, a Mercedes. Hamilton tem sido amplamente elogiado por se manifestar.

Em um novo post de hoje, ele descreveu o quão emocionante esta semana foi para ele.

"A semana passada foi tão escura que não consegui segurar minhas emoções", escreveu ele. “Senti muita raiva, tristeza e descrença no que meus olhos viram.”

“Estou completamente tomado pela raiva ao ver esse flagrante desrespeito pela vida de nosso povo. A injustiça que estamos vendo nossos irmãos e irmãs enfrentarem em todo o mundo repetidamente é nojenta e DEVE parar.”

“Muitas pessoas parecem surpresas, mas para nós, infelizmente, não é surpreendente. Aqueles de nós negros, pardos ou intermediários a veem todos os dias e não devem ter a sensação de que nascemos culpados, não pertencemos ou tememos por nossas vidas com base na cor de nossa pele.”

“Will Smith disse que o racismo não está piorando, está sendo filmado. Só agora que o mundo está tão bem equipado com câmeras é que esse problema pode vir à tona de maneira tão grande.”

Ele continuou: “É somente quando há tumultos e gritos por justiça que os poderes, que estão desmoronando, percebem algo, mas a essa altura já é tarde demais e pouco foi feito.”

“Foram necessárias centenas de milhares de pessoas protestando e de prédios queimados para que as autoridades reagissem e decidissem prender Derek Chauvin por assassinato, e isso é triste.”

“Infelizmente, a América não é o único lugar onde o racismo vive e continuamos a falhar como humanos quando não podemos defender o que é certo. Por favor, não fique em silêncio, não importa a cor da sua pele.”

 

Hoje, a F1 observou em um post no Twitter que a organização está "com todos aqueles que lutam contra o racismo."

Uma breve declaração diz: “Estamos com você e com todas as pessoas na luta contra o racismo.”

“É um mal do qual nenhum esporte ou sociedade é verdadeiramente imune. E somente juntos podemos nos opor e erradicar. Juntos somos mais fortes."

 

 

Exclusivo: Bernoldi revela que 'escondeu' coma para não perder chance de ir para a F1

PODCAST: Entrevista com Reginaldo Leme: a lenda na cobertura da F1

 

Renault: montadora não tinha interesse em ficar na F1 se regulamento permanecesse

Artigo anterior

Renault: montadora não tinha interesse em ficar na F1 se regulamento permanecesse

Próximo artigo

Há 29 anos, Piquet vencia pela última vez na F1; veja os carros do piloto

Há 29 anos, Piquet vencia pela última vez na F1; veja os carros do piloto
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Lewis Hamilton
Autor Adam Cooper