Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
59 dias
06 mai
Próximo evento em
101 dias
20 mai
Próximo evento em
115 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
129 dias
10 jun
Próximo evento em
136 dias
24 jun
Próximo evento em
150 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
157 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
171 dias
29 jul
Próximo evento em
185 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
213 dias
02 set
Próximo evento em
220 dias
09 set
Próximo evento em
227 dias
23 set
Próximo evento em
241 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
248 dias
07 out
Próximo evento em
255 dias
21 out
Próximo evento em
269 dias
28 out
Próximo evento em
276 dias
05 nov
Próximo evento em
284 dias
R
GP da Austrália
18 nov
Próximo evento em
297 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
312 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
321 dias

Honda admite que conceito de novo motor é "muito arriscado"

compartilhar
comentários
Honda admite que conceito de novo motor é "muito arriscado"
Por:
Traduzido por: Gabriel Carvalho

Yusuke Hasegawa, chefe da Honda, reconhece que assume risco grande com o novo conceito para o motor da McLaren na temporada 2017 da Fórmula 1

Yusuke Hasegawa, Head of Honda F1 Programme
(L to R): Eric Boullier, McLaren Racing Director with Yusuke Hasegawa, Head of Honda F1 Programme
Fernando Alonso, McLaren
Fernando Alonso, McLaren
Fernando Alonso, McLaren
The team work on the car of Fernando Alonso, McLaren in the garage.

Após retornar com um desempenho muito abaixo do esperado em 2015, a Honda fez avanços significativos no motor na temporada passada, embora ainda tenha ficado atrás de Mercedes Ferrari e Renault.

Beneficiada pelo fim dos tokens, a fabricante japonesa redesenhou completamente o motor para a temporada 2017 da Fórmula 1, conforme havia dito Tim Goss, diretor técnico da McLaren, no início do mês.

Buscando se aproximar ainda mais das concorrentes, a Honda assume riscos na unidade de poência para esta temporada. Quem conta e Yusuke Hasegawa, chefe da fabricante nipônica.

"O conceito é completamente diferente, disse Hasegawa à Autosport, publicação do Motorsport.com. É muito arriscado, não sabemos uma série de coisas sobre o novo conceito."

"Sabemos que teremos ganho de performance, mas o grande risco é se vamos conseguir utilizar too esse potencial nesta temporada", afirmou.

A nova unidade de potência deve apresentar uma arquitetura revisada e um novo layout, buscando melhorias com base nas lições aprendidas durante as duas últimas temporadas. Hasegawa ressaltou que o motor de combustão interna permanece como o foco da Honda, mas outras áreas também devem apresentar evoluções.

"Precisamos nos concentrar no motor de combustão interna neste ano. Se melhorarmos o motor, o que significa um ganho na energia dos gases do escapamento, precisamos melhorar a turbina, caso contrário não teremos o mesmo nível em termos de entrega de potência", comentou.

"Ainda precisamos fazer alguns testes e será na base de tentativa e erro. Espero que tenhamos entendido a direção e os elementos nos quais precisamos focar. Não é fácil combinar todos os elementos para conseguir uma melhora completa do motor de combustão interna", completou.

Doria elogia pista de Abu Dhabi: “exemplo para Interlagos”

Artigo anterior

Doria elogia pista de Abu Dhabi: “exemplo para Interlagos”

Próximo artigo

Pirelli: Não nos culpem se as corridas de 2017 forem chatas

Pirelli: Não nos culpem se as corridas de 2017 forem chatas
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes McLaren
Autor Lawrence Barretto