Fórmula 1 GP de Miami

Liberty Media quer aproveitar boa fase da F1 para antecipar as negociações do novo Pacto de Concórdia

O CEO da Liberty Media, Greg Maffei, diz que a Fórmula 1 deve pressionar as equipes para assinar um novo Pacto de Concórdia antes que o acordo atual termine no final de 2025

George Russell, Mercedes F1 W14

O atual Pacto de Concórdia, que tem vigência entre os anos de 2021 e 2025, foi assinado sob a supervisão do ex-CEO da Fórmula 1 Chase Carey. Atualmente, Stefano Domenicali ocupa esse posto e é responsável pela elaboração do próximo documento. O CEO da Liberty Media, Greg Maffei, defendeu que todas as partes se beneficiarão com a conclusão antecipada de um novo contrato, especialmente agora que a categoria está em boa fase, em razão do crescimento do interesse ao redor do mundo.  

O Pacto de Concórdia é um conjunto de regras que define regulamentos técnicos, questões de segurança, limites orçamentários e repartição dos lucros da categoria, bem como premiações. Portanto, todas as equipes que estão no grid precisam assinar esse documento. 

Leia também:

“Temos vários anos restantes para cumprir o Pacto de Concórdia”, disse Maffei em uma teleconferência com analistas de Wall Street.

“Mas acho que há um consenso entre as equipes, a FIA e nós mesmos de que agora pode ser um bom momento para tentar renovar e estender o Pacto de Concórdia. Certamente não há obrigação de fazer isso. E certamente não há risco se isso não for feito", avaliou.

Greg Maffei, CEO, Liberty Media Corporation

Greg Maffei, CEO, Liberty Media Corporation

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Maffei recebeu apoio dos chefes das equipe da F1. Eles concordam que uma extensão antecipada do Pacto de Concórdia seria positiva, pois lhes daria clareza de longo prazo, mas enfatizaram que as negociações devem ser mantidas fora dos olhos do público.

“Acho que o mais importante é ter essa conversa a portas fechadas”, disse o chefe da equipe Mercedes, Toto Wolff.

“Acho que se tivermos um longo período de alinhamento e um contrato, como o Concorde, quanto mais tempo durar, melhor, acho que para todos os nossos negócios. Mas estamos em um estágio muito inicia. Nós ainda não começamos a conversar direito. Isso vai acontecer em breve. Mas isso deve acontecer de forma construtiva. Talvez não transmita ao vivo e crie controvérsia", concluiu Wolff. 

“A F1 nunca esteve em uma posição tão forte”, disse o chefe da Red Bull, Christian Horner. “Acho que a Liberty fez um ótimo trabalho com o esporte, estamos vendo novos mercados e novos torcedores. E sempre haverá aquele debate entre as equipes e o detentor dos direitos comerciais sobre quem deveria receber mais".

“Mas acho que a longevidade é de interesse de todos para ter um esporte estabelecido que tenha uma direção clara para o futuro, e quais são suas metas e objetivos, juntamente com os regulamentos técnicos e esportivos e financeiros que queremos desenvolver para o futuro, para continuar a tornar o esporte melhor, mais atraente e mais inclusivo nos próximos anos”, finalizou o chefe da Red Bull. 

Podcast #228 - Reclamações de Verstappen em Baku mostram que bicampeão 'sentiu o golpe'?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Verstappen não dá chance aos rivais e lidera o terceiro treino livre para o GP de Miami
Próximo artigo F1: Em meio a busca por 11ª equipe, Horner diz que muitos circuitos não comportam aumento do grid

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil