Newey defende estratégia da Red Bull em Mônaco

Adrian Newey, diretor técnico da Red Bull, defendeu tática do time em Monte Carlo, alegando que não estava claro se parar primeiro ou depois era a melhor opção para os pilotos

Newey defende estratégia da Red Bull em Mônaco
Adrian Newey, Red Bull Racing
Max Verstappen, Red Bull Racing RB13
Max Verstappen, Red Bull Racing RB13
Max Verstappen, Red Bull Racing RB13
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13
Third place Daniel Ricciardo, Red Bull Racing, sprays Champagne from the podium
Max Verstappen, Red Bull Racing
Adrian Newey, Red Bull Racing
Carregar reprodutor de áudio

O GP de Mônaco ainda gera repercussão em termos de estratégia. Se primeiro se falou da Ferrari, agora é a Red Bull quem responde questões sobre o momento em que Max Verstappen e Daniel Ricciardo fizeram os respectivos pitstops.

Na primeira parte da prova, Verstappen e Ricciardo, nesta ordem, andavam atrás de Valtteri Bottas. Então o time austríaco parou o holandês primeiro, o que fez a Mercedes reagir e levar Bottas para os boxes. 

Riccardo, entretanto, ficou na pista por mais cinco voltas e andou muito rápido. Quando o australiano voltou à pista após a parada, Bottas e Verstappen foram superados na estratégia e Ricciardo conseguiu o terceiro lugar, onde ficou até a bandeira quadriculada.

Verstappen deixou claro a insatisfação via rádio por ter caído para o quinto lugar - situação semelhante ao que se viu na Ferrari, quando Kimi Räikkönen foi para os boxes antes de Sebastian Vettel, o que deu o alemão a liderança e a vitória.

Entretanto, Adrian Newey, diretor técnico da Red Bull, insiste que não estava claro qual a estratégia ideal para para os pilotos antes da corrida. O time não havia utilizado o composto supermacio antes da prova, guardando um jogo apenas para a corrida, o que aumentou a incerteza.

"Conversamos antes da corrida e concordamos que se ficássemos presos atrás de Bottas com os dois carros, faríamos estratégias diferentes", disse Newey ao Motorsport.com.

"Antes da corrida não sabíamos o que seria melhor, parar antes ou depois - antes, o pneu precisa se aquecer na volta de saída; ao parar depois, você precisa de um bom ritmo naturalmente. Parar antes quase deu certo, é que infelizmente tivemos um pit stop um pouco lento."

"Se você vai parar um antes e o outro depois, quem está à frente tem mais chance de voltar à frente se parar primeiro, então fizemos isso (com Verstappen)", acrescentou.

Sobre a frustração de Verstappen, Newey disse: "Discutimos isso antes da corrida e dissemos aos dois pilotos que não sabíamos qual seria a melhor solução. Ambos aceitaram isso. É assim que funciona, quando o piloto sai do carro ele não entende, pois a adrenalina ainda está no alto", completou.

compartilhar
comentários
Análise técnica: Como a F1 lidou com os desafios de Mônaco
Artigo anterior

Análise técnica: Como a F1 lidou com os desafios de Mônaco

Próximo artigo

Dificuldade de Hamilton em Mônaco é "mistério" para Mercedes

Dificuldade de Hamilton em Mônaco é "mistério" para Mercedes
Carregar comentários