Fórmula 1
25 jul
-
28 jul
Evento encerrado
01 ago
-
04 ago
Evento encerrado
29 ago
-
01 set
Evento encerrado
05 set
-
08 set
Evento encerrado
19 set
-
22 set
Treino Livre 1 em
04 Horas
:
25 Minutos
:
51 Segundos
26 set
-
29 set
Próximo evento em
5 dias
10 out
-
13 out
Próximo evento em
19 dias
24 out
-
27 out
Próximo evento em
33 dias
31 out
-
03 nov
Próximo evento em
40 dias
14 nov
-
17 nov
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
68 dias

Pizzonia lembra relação com Lauda, que até demitiu piloto para contratá-lo na F1

compartilhar
comentários
Pizzonia lembra relação com Lauda, que até demitiu piloto para contratá-lo na F1
Por:
, Editor
21 de mai de 2019 16:37

Antônio Pizzonia pilotou pela Jaguar, onde Niki Lauda era diretor técnico, em 2003 e relembrou a relação com o tricampeão morto na segunda-feira

Bem antes de trabalhar na Mercedes ao lado da pista, o tricampeão Niki Lauda foi consultor na Ferrari e no começo deste século era diretor técnico da antiga Jaguar na Fórmula 1.

O austríaco, que morreu nesta segunda-feira aos 70 anos de idade, foi responsável pelo início da carreira de Antonio Pizzonia na categoria, tendo contratado o brasileiro para ser piloto da equipe Jaguar na temporada de 2003.

Leia também:

"O Niki fez um papel importantíssimo na minha carreira na F1 porque ele me deu a 1º oportunidade de fazer a primeira corrida oficial. Ele confiou no meu trabalho, potencial, e me deu essa oportunidade incrível. Na época eu era piloto de teste da Williams e ele (Lauda) fez um contato na época, me ofereceu um teste e eu fiz um único teste antes de assinar com a equipe", disse Pizzonia, ao Motorsport.com.

A oportunidade de trabalhar com o tricampeão durou pouco para Pizzonia, já que Niki Lauda seria demitido da equipe, que passava por problemas políticos internos, cerca de três semanas depois.

"Lembro das palavras dele. Ele me falou que estava indo contra muita coisa porque ele acreditava em mim. O (Pedro) De la Rosa tinha contrato para 2003 e ele quebrou o contrato para poder me colocar. E depois que ele saiu a gente continuou o contato. Muito antes de eu ser mandado embora ele já vinha me alertando de coisas", relembrou Pizzonia, que está sem competir desde que deixou a Stock Car no fim do ano passado.

Galeria
Lista

Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia
1/8

Foto de: Jaguar Cars and Wieck Media Services, Inc.

Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia
2/8

Foto de: Mark Gledhill

Antonio Pizzonia e Mark Webber com Kristanna Loken e Arnold Schwarzenegger

Antonio Pizzonia e Mark Webber com Kristanna Loken e Arnold Schwarzenegger
3/8

Foto de: Jaguar Cars and Wieck Media Services, Inc.

Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia
4/8

Foto de: Jaguar Cars and Wieck Media Services, Inc.

Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia
5/8

Foto de: Jaguar Cars and Wieck Media Services, Inc.

Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia
6/8

Foto de: Jaguar Cars and Wieck Media Services, Inc.

Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia
7/8

Foto de: Jaguar Cars and Wieck Media Services, Inc.

Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia
8/8

Foto de: Jaguar Cars and Wieck Media Services, Inc.

"Por algum motivo a Ford e o novo grupo que era dono da equipe achavam que ele tinha algum envolvimento financeiro com a equipe além do contrato, então ele me falou para ficar de olho aberto, que a ordem era cortar todo mundo que ele tinha contratado. E foi dito e feito. Eram umas 30, 40, 50 pessoas e foram cortando de um por um. Eu fui o último. Eu estava num fogo cruzado", completou.

Pizzonia fez 11 corridas pela Jaguar em 2003 antes de ser substituído pelo inglês Justin Wilson. Ele regressou para a Williams como piloto de teste e pilotou como reserva em GP's nos dois anos seguintes pelo time de Sir Frank Williams.

O manauara também relembrou os problemas financeiros pelos quais a Jaguar passou antes de ser vendida para o grupo que a transformou na Red Bull, de 2006 em diante.

Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia

Photo by: Jaguar Cars and Wieck Media Services, Inc.

"Para desenvolver o carro, eu pegava coisa que o Mark Webber já tinha usado nas duas corridas anteriores. Não tinha dinheiro pra fazer duas peças. E quando batia era um 'Deus nos acuda', porque não dava para continuar produzindo, desenvolvendo".

Pizzonia disse que depois que saiu da F1 perdeu o contato com Lauda, mas lamentou a morte do tricampeão. 

"Eu gostava muito dele, me recebia muito bem quando a gente se encontrava, e agora fica esse amargo no coração".

 

Próximo artigo
Ex-presidente da Ferrari: Lauda foi mais impactante que Schumacher

Artigo anterior

Ex-presidente da Ferrari: Lauda foi mais impactante que Schumacher

Próximo artigo

GALERIA: Dos 33 campeões mundiais, 19 estão vivos; Stewart é o mais velho

GALERIA: Dos 33 campeões mundiais, 19 estão vivos; Stewart é o mais velho
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Antonio Pizzonia , Niki Lauda
Autor Gustavo Faldon