Fórmula 1
R
GP de Portugal
30 abr
Próximo evento em
15 dias
06 mai
Próximo evento em
21 dias
20 mai
Próximo evento em
35 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
49 dias
10 jun
Próximo evento em
56 dias
24 jun
Próximo evento em
70 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
77 dias
29 jul
Próximo evento em
105 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
133 dias
02 set
Próximo evento em
140 dias
09 set
Próximo evento em
147 dias
23 set
Próximo evento em
161 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
168 dias
07 out
Próximo evento em
175 dias
21 out
Próximo evento em
189 dias
28 out
Próximo evento em
196 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
241 dias

Stroll entra para "grupo" de pilotos com apenas uma pole na F1; confira as melhores voltas

Com 22 anos, canadense ainda tem longa carreira para conquistar mais poles e sair desse rol de pilotos com apenas um P1 na categoria elite do automobilismo

Stroll entra para "grupo" de pilotos com apenas uma pole na F1; confira as melhores voltas

Apenas 19 pilotos conseguiram uma única pole em sua carreira na Fórmula 1 antes do GP da Turquia do último fim de semana.

Lance Stroll se tornou o mais recente membro desse clube depois de conquistar uma pole position para Racing Point em condições adversas, tornando-se o primeiro “estreante” em pole desde o tão esperado P1 inaugural de Max Verstappen em Hungaroring no ano passado.

Leia também:

Ele se junta a um "clube" com um campeão mundial e vários vencedores de GPs, embora com uma tendência para pilotos do século 20, quando acidentes graves eram mais comuns.

O piloto da Ferrari, Wolfgang von Trips, nunca teve a oportunidade de aumentar seu número de poles em Monza em 1961, quando morreu tragicamente durante a corrida, enquanto Lorenzo Bandini perdeu a vida em Mônaco um ano após sua única pole em Reims, em 1966.

Em 1975, um ano dominado por Niki Lauda, ​​nada menos do que quatro pilotos conseguiram suas primeiras pole position com um motor DFV, enquanto para três - Carlos Pace, Vittorio Brambilla e Tom Pryce - foi a única vez que largaram na frente.

Contando com Stroll, apenas seis pilotos conseguiram apenas uma pole position em sua carreira até então nas últimas duas décadas - com a maioria das novas adições à lista de estreantes em pole utilizando carros de ponta e rapidamente ultrapassando essa marca. Um exemplo é Charles Leclerc, que no ano passado começou na frente em sete GPs na sua primeira temporada como piloto da Ferrari.

Destes seis, três foram durante a era do reabastecimento, quando os pilotos podiam "esconder" seu verdadeiro ritmo classificando-se com um carro leve, enquanto outro foi herdado por Pastor Maldonado no GP da Espanha de 2012, quando o dono do recorde da pole, Lewis Hamilton, foi expulso por não ter combustível suficiente para fornecer uma amostra.

A pole de Nick Heidfeld no GP da Europa de 2005 teve grande influência da sua Williams com menos combustível do que a McLaren de Kimi Raikkonen e o companheiro de equipe Mark Webber, ambos mais rápidos em tempos corrigidos de combustível.

O companheiro de equipe de Heidfeld em 2008, Robert Kubica, também teve sua única vaga graças ao menos combustível. Sua BMW Sauber era cerca de 11 kg mais leve do que a Ferrari de Felipe Massa na qualificação do Bahrein naquele ano e foi apenas 0,027s mais rápido.

O primeiro lugar de Heikki Kovalainen em Silverstone no mesmo ano não foi inteiramente graças a uma carga leve de combustível, embora ele tenha feito duas voltas a menos que o companheiro de equipe Lewis Hamilton.

Com 22 anos de idade, Stroll ainda tem muito tempo para conquistar mais poles e sair desse rol de pilotos com apenas um P1 na carreira.

O Motorsport.com reuniu algumas das melhores poles de pilotos que só foram P1 uma única vez:

Eugenio Castellotti, GP da Bélgica de 1955
Carro: Lancia D50
Distância: 0.5s

Eugenio Castellotti, Lancia D50

Eugenio Castellotti, Lancia D50

Photo by: Motorsport Images

Após a morte do líder da equipe Alberto Ascari, Gianni Lancia desistiu do automobilismo. Mas ele concedeu a Castellotti a permissão de dirigir com um D50 com seu próprio nome no GP da Bélgica.

Em sua primeira vez no antigo e temível Spa de 14 km, Castellotti quebrou o recorde do circuito de Juan Manuel Fangio por meio segundo no treino da tarde de sexta-feira. Isso foi suficiente para a pole quando a chuva chegou no sábado.

No entanto, Fangio e Moss rapidamente superaram Castellotti na corrida e seguiram para uma dobradinha da Mercedes em seus W196s. 

O D50 viria a ganhar o título de 1956, com o emblema de Ferrari, mas Castellotti nunca conseguiu vencer um GP antes de sua morte em um acidente de teste em Modena em 1957.

Peter Revson, GP do Canadá de 1972
Carro: McLaren M19C
Distância: 0.3s

Peter Revson, McLaren M19C Ford

Peter Revson, McLaren M19C Ford

Photo by: Motorsport Images

Embora talvez não seja muito importante atualmente, o americano Peter Revson era um dos favorito na década de 1970. Ele ganhou o título Can-Am em 1971, terminou em segundo lugar nas 500 milhas de Indianápolis no mesmo ano e obteve duas vitórias na F1 em 1973, antes de perder a vida em um acidente de teste no início da temporada seguinte.

Na madrugada de sábado, ele e seu companheiro de equipe Denny Hulme saíram com seu Goodyear de composto macio. Hulme conseguiu 1m13s9, mas Revson foi por fora e registrou 1m13s6, a primeira volta oficial da pista a mais de 190 km/h.

Denny Hulme, GP da África do Sul de 1973
Carro: McLaren M23
Distância: 0.13s

Denny Hulme, 1973 South African GP

Denny Hulme, 1973 South African GP

Único campeão mundial nesta lista, o vencedor do título de 1967 tem o menor número de poles entre os 33 pilotos que terminaram o ano no topo da classificação. 'The Bear' conquistou oito vitórias e nove voltas mais rápidas no mundial, mas sua tentativa de 1973 em Kyalami foi a única vez que ele liderou uma sessão de qualificação.

Apesar dos rumores de que o Lotus de Ronnie Peterson rodou 1m16s1, os 1m16s28 de Hulme o colocaram oficialmente na pole, com o garoto Scheckter da McLaren em terceiro no antigo M19C.

Hulme então liderou a corrida confortavelmente antes que os destroços de um acidente com vários carros perfurassem seu pneu. Ele encerrou a corrida em quinto lugar depois de ter outro pneu furado.

Patrick Depailler, GP da Suécia de 1974
Carro: Tyrrell 007
Distância: 0.318s

Patrick Depailler, 1974 Swedish GP

Patrick Depailler, 1974 Swedish GP

Scheckter geralmente tinha a vantagem sobre o companheiro de equipe Patrick Depailler, mas nesta ocasião o francês se mostrou mais rápido. Scheckter foi mais rápido inicialmente, da Ferrari de Lauda, ​​mas foi Depailler quem quebrou a barreira dos 1m25s.

Na corrida, muita derrapagem prejudicou a largada de Depailler e isso foi decisivo para o resultado. 

"A estratégia era que o início determinava o resultado", escreveu Lyons, da Autosport. "Embora Patrick estivesse pressionando Jody, ele foi instruído firmemente a 'FICAR' em seu lugar."

Depailler teve uma vitória para Tyrrell e Ligier antes de perder sua vida em um acidente de teste da Alfa Romeo em Hockenheim em 1980.

Tom Pryce, GP da Grã-Bretanha de 1975
Carro: Shadow DN5A
Distância: 0.14s

Tom Pryce, Shadow DN5 Ford

Tom Pryce, Shadow DN5 Ford

Photo by: Ercole Colombo

O galês venceu a corrida dos campeões em Brands Hatch e se classificou na primeira fila em Mônaco, perdendo apenas para Lauda. No final de semana da corrida em Silverstone, Pryce manteve o desempenho, conseguindo duas voltas boas o suficiente para a pole.

Pryce se envolveu em uma disputa entre vários carros no início da corrida e assumiu a liderança, mas enfrentou a chuva em Becketts, que o prejudicou.

Apesar de conquistar alguns pódios, Pryce nunca mais lideraria um GP do mundial e morreu na África do Sul em 1977 quando bateu em um fiscal que havia corrido pela pista.

Bruno Giacomelli, GP dos Estados Unidos de 1980
Carro: Alfa Romeo 179B
Distância: 0.789s

Bruno Giacomelli, Alfa Romeo 179

Bruno Giacomelli, Alfa Romeo 179

Photo by: David Phipps

A temporada de 1980 de Giacomelli foi em grande parte prejudicada pela falta de confiabilidade, mas ele pelo menos conseguiu estrelar a final de Watkins Glen, conquistando a pole e liderando um GP pela primeira e última vez. Até a Alfa quebrar novamente.

“Desde a primeira volta pude fazer o carro fazer o que eu quisesse. Foi rápido nas retas, conduzido de forma neutra em todas as curvas e teve uma tração e frenagem fantásticas.”

"Foi o melhor carro que já dirigi na F1; tão rápido nas curvas que gastei um conjunto de pneus de qualificação em menos de uma volta, então tive que me classificar com pneus de corrida. E ainda consegui fazer a última curva em quarta marcha na minha volta da pole. O resto foi em terceira! Aquele dia foi um sonho. "

Thierry Boutsen, GP da Hungria de 1990
Carro: Williams FW13B
Distância: 0.036s

Race winner Thierry Boutsen, Williams leads Ayrton Senna, McLaren

Race winner Thierry Boutsen, Williams leads Ayrton Senna, McLaren

Photo by: Sutton Images

Jean Alesi (Tyrell) e a McLaren de Gerhard Berger se destacaram inicialmente, com tempos de 1m18s, antes de Boutsen surpreender e superá-los com 1m17s919.

O companheiro de equipe Riccardo Patrese destacou o ritmo da Williams-Renault ao terminar em segundo. Mesmo uma tentativa tardia de Ayrton Senna não conseguiu quebrar a dobradinha do time britânico.

Nico Hulkenberg, GP do Brasil de 2010
Carro: Williams FW32
Distância: 1.049s

Nico Hulkenberg, Williams FW32

Nico Hulkenberg, Williams FW32

Photo by: Andrew Ferraro / Motorsport Images

"Bem, ele fez todos nós parecermos bem medianos. Ele encontrou uma trajeto diferente do resto de nós."

Alguns atribuem a sensacional pole de Nico Hulkenberg para a desprezível Williams à boa sorte e a ser o último a ultrapassar a linha em uma pista úmida, mas em constante evolução. Não é bem assim, como Mark Webber comentou. 

A chave para seu sucesso foi uma volta rápida, mantendo a temperatura dos pneus de uma forma que seus rivais mais cautelosos não conseguiram igualar. O companheiro de equipe Rubens Barrichello mudou para slicks meia volta antes de Hulkenberg, mas o brasileiro perdeu 17s em sua volta em comparação com seu companheiro de equipe, observou o Autosport, "por ficar preso no trânsito e derrapar".

Poucos teriam previsto na época que Hulkenberg nunca repetiria o feito, mas sua carreira nunca rendeu uma chance em um carro top de linha. Demoraria mais seis anos até sua próxima largada na primeira fila, no Red Bull Ring em 2016 para a Force India, e em uma cruel injustiça estatística, o alemão acumula o maior número de largadas na F1 - 179 - sem um pódio, superando os 128 de Adrian Sutil.

O desempenho positivo de Hulkenberg como “super substituto” da Racing Point este ano o credenciou para a disputa para a segunda vaga da Red Bull no próximo ano se Alex Albon não for mantido. Mas ao contrário de Stroll, a oportunidade de aumentar sua contagem de poles não está em suas próprias mãos.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1, MotoGP e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Veja como a sujeira do GP da Turquia revelou os 'segredos' aerodinâmicos dos carros da Fórmula 1

Podcast #076 – Hamilton x Schumacher: a comparação entre os campeões da F1

 

compartilhar
comentários
Hamilton critica falta de ação na luta por maior diversidade na F1: "Ninguém está fazendo o dever de casa"

Artigo anterior

Hamilton critica falta de ação na luta por maior diversidade na F1: "Ninguém está fazendo o dever de casa"

Próximo artigo

Hamilton vê "heróis não-celebrados" como mais dignos de receber título de cavaleiro

Hamilton vê "heróis não-celebrados" como mais dignos de receber título de cavaleiro
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Kevin Turner