Fórmula 1
02 jul
-
05 jul
Evento encerrado
09 jul
-
12 jul
Treino Livre 1 em andamento . . .
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
5 dias
R
GP de 70º aniversário
06 ago
-
09 ago
Próximo evento em
26 dias
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
47 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
54 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Canceled
24 set
-
27 set
Próximo evento em
75 dias
08 out
-
11 out
Canceled
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
103 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
110 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
124 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
138 dias

VÍDEO: Luis Roberto relembra história de Senna, momentos marcantes e algumas 'gafes'

compartilhar
comentários
VÍDEO: Luis Roberto relembra história de Senna, momentos marcantes e algumas 'gafes'
Por:
, Repórter
3 de jun de 2020 12:55

Comunicador também fala sobre o bordão dos "negros maravilhosos", que virou meme nas últimas Copas do Mundo

Um dos principais narradores da TV Globo, Luis Roberto falou com exclusividade ao Motorsport.com via live de Instagram e abriu o jogo sobre momentos de destaque de sua carreira, abordando o início de sua trajetória no esporte a motor, a cobertura da morte de Ayrton Senna e as principais corridas da última temporada da Fórmula 1. "A minha relação com o automobilismo começa por causa de Interlagos", revelou.

Leia também:

Na entrevista, o comunicador também falou sobre diversos assuntos, como o icônico bordão utilizado em jogos da França nas Copas do Mundo de 2014 e 2018: "Esses negros maravilhosos". Luis Roberto explicou: "Meu pai falava isso se referindo ao ataque do Santos".

O jornalista ainda relembrou seus primeiros dias como narrador, sua história no automobilismo e 'causos' hilários de sua longa carreira, como o dia em que ganhou o apelido de uma marca de alpargatas e o jogo em que deixou de relatar um gol por causa de uma forte neblina. Você confere essas e outras histórias de Luis Roberto na imperdível entrevista abaixo. Confira no vídeo exclusivo do Motorsport.com:

De repórter para narrador

"Virei locutor sem querer. A gente estava indo para uma viagem e o cara que era supervisor me avisou: 'Hoje você vai narrar Primavera de Indaiatuba e Palmeiras de São João'. Virei narrador a partir de então, mais ou menos junho de 1977, e aí começou a minha empreitada".

"Eu gostava de narrar. Na minha geração, a gente narrava futebol de botão. Eu narrava para mim mesmo, mas adorava gravar e depois ficar ouvindo. Adorava ser ouvinte de rádio, porque estamos falando de uma época em que nós tínhamos algumas figuras que eram destaque no rádio".

E a paixão por automobilismo?

"A minha relação com o automobilismo começa por causa de Interlagos. Quando Interlagos foi inaugurado e principalmente quando a gente começou a ter a possibilidade de receber a F1 no Brasil, Interlagos teve aquela obra para deixar o autódromo no ponto e a gente teve uma corrida de exibição (da F1, em 1972). E São Paulo parou. A gente está falando de um Emerson Fittipaldi no auge. Isso foi uma corrida exibição, não valeu pontos para o mundial. Não fui nessa corrida.

"Mas aí a gente passou a frequentar o autódromo. A gente tinha outros tipos de categorias. Ainda não era a Stock, não. Mas o meu 'primeiro contato' é o GP do Brasil vencido pelo José Carlos Pace (em 1975) com o Emerson em segundo. Eles na verdade estavam em segundo e terceiro, mas o Jean-Pierre Jarier parou na Reta Oposta com pane seca na última volta. Aí eu passo a ter uma relação muito afetiva com o automobilismo. A minha porta de entrada é mesmo a F1."

Trajetória no esporte a motor

"Depois eu fiz 10 anos de Stock Car na TV Globo e ia para Interlagos quando possível, mas, como a gente foi para o rádio fazer futebol, era 'impossível'. Todo domingo eu estava trabalhando, então, quando narrava jogo de sábado, domingo ia para a pista ver os Opalões da Stock." 

"Em 1993, por causa da Copa do Mundo, o Oscar Ulisses estava muito envolvido com as Eliminatórias, então eu fiz quase que a temporada inteira [de F1 na Rádio Globo]. Em 1994 também a gente fez muitas corridas, inclusive a que nos tirou o Ayrton Senna".

A morte de Ayrton Senna

"O impacto é enorme, especialmente do ponto de vista jornalístico. É um aprendizado sem precedentes. Certamente que também é um aprendizado de vida", relembrou o narrador, que falou sobre o trabalho nos arredores do hospital após a morte do ídolo brasileiro.

"Entrou um carro e a gente entrou... Jornalista, a gente entrou... Quando abriu a porta lá do fundo do IML saiu uma senhora. E ela pergunta: 'Vocês querem olhar [para o corpo de Senna]?'. E a gente olhou um para a cara do outro e: 'Não'. Tem uns colegas jornalistas que acham que 'tinha que ter ido ver'. Não! Ela falou: 'Tem um ferimento no rosto e a cabeça está inchada. E ao lado está o corpo do Roland Ratzenberger'. É muito forte...".

O 'bamba' da F1

"[No GP da Alemanha de 1989] eu fui para a cabine, porque a gente começava uma hora antes da largada, mas não consegui falar com o Brasil. Quando deu meia hora para a corrida, eu fui para a sala de imprensa. Peguei um telefone e fiz uma ligação para o Brasil e narrei um pouco antes da corrida e a largada. Estou com o olho vidrado no monitor e não percebo: a sala de imprensa inteira estava em volta de mim. E eu lia uns anúncios naquele tempo."

"E a Alpargatas patrocinava, então eu lia: 'Oferecimento: Bamba!'. Lembra o Bamba? Aí virou o meu apelido, os estrangeiros me chamavam de Bamba. Aí os brasileiros vinham para mim: 'Você é bamba no que você faz?'. E eu: 'Não, é bamba por causa do tênis'. Essa é uma boa."

O gol não narrado

"Quando eu narrava lá em São João da Boa Vista, fui narrar um jogo no Estádio Bruno José Daniel, em Santo André. Santo André e Palmeiras de São João da Boa Vista. Tinha uma neblina, meu amigo, que não dava para ver nada. Aí, estamos ali, entendeu... Não tinha repórter, éramos eu e o comentarista. Ligava a maletinha e não sabia se a transmissão chegou. Aí começa o jogo. Com 10 minutos: 'Girando o placar: em Santo André, Palmeiras 1, Santo André 0'."

"O Palmeiras deu a saída e o Tião Marino, centroavante que jogou no Corinthians, chutou do meio do campo. Tava uma p*** neblina e o goleiro não viu o gol. Eu também não vi. A gente achou que era a saída do jogo. Aí falei: 'Bom, se tá dizendo que tá 1 a 0, tá 1 a 0'. Aí o comentarista saiu da transmissão, foi para o campo e voltou com a informação de que tinha sido um gol do Tião Marino. Aí deu uns 15min e eu contei a verdade para os ouvintes. A melhor coisa é contar a verdade."

Narrações marcantes

"Quando o Brasil ficou 5 anos sem fazer um gol de falta, que o Philippe Coutinho fez outro dia aí, eu acho que aquele gol está muito bem envelopado no pré-gol e no pós-gol. Porque é seleção, você pode torcer. Você pode 'pedir' o gol."

"Na F1, ano passado, tive corridas em que fui muito feliz. As ultrapassagens de Leclerc e Verstappen, a história do 'gol da Holanda', isso tudo acho que 'casou' legal. No automobilismo, quando a corrida tá rolando, o papel do narrador é muito 'esportivo'. Eu tô narrando a corrida para mais ou menos 20 milhões de pessoas no Brasil. Desses 20, provavelmente 15 estão assistindo por causa do esporte e os outros 5 apaixonados pela técnica, por tudo que envolve o esporte a motor."

"Então o papel do narrador é dar vida à parte esportiva. A corrida da Áustria foi sensacional. Como há três anos, a corrida do Azerbaijão, que o [Felipe] Massa esteve para ganhar, é maravilhosa. Parece batidinha de rua do [Sebastian] Vettel com o [Lewis] Hamilton. No futebol, é um pouco mais difícil, porque a minha vontade é descrever corretamente o lance, então a 'envelopagem' vem depois do gol."

"Negros maravilhosos"

"Na verdade, o meu pai falava isso se referindo ao ataque do Santos. Dorval, Mengálvio, Coutinho e Pelé, porque o Pepe é branquinho. Eram os negros maravilhosos vestidos de branco, e aquilo me veio à cabeça com a França [no jogo contra a Suíça, na Copa do Mundo de 2014]. Aí os chefes falaram: 'Não sei se é legal...'. Aí acabou a Copa [de 2014], virou meme e deixei quieto. Quando tava para chegar 2018, o primeiro time que eu completei no álbum de figurinhas foi a França."

"Aí botei uma foto no Instagram: 'Eles estão de volta'. Aí o bicho pegou, achei divertido. Quando fui narrar o primeiro jogo da França que eu fiz na Copa, ficou aquela expectativa, dizem que 'travou' a internet, porque eu gravei um vídeo dizendo que talvez usasse [a frase] de novo. Só que naquele dia a França jogou mal demais, então não deu para usar. Quando terminou o jogo, eu falei: 'Hoje os negros maravilhosos não estão merecendo o bordão'. Aí virou o jogo, ficou a meu favor."

GALERIA: Luis Roberto, Galvão e cia; veja os bordões de narradores de automobilismo

Galeria
Lista

Galvão Bueno: "Ayrton Senna do Brasil!"

Galvão Bueno: "Ayrton Senna do Brasil!"
1/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

Clássico bordão do icônico narrador em referência ao tricampeão da Fórmula 1

Galvão Bueno: "Eu sabia, eu sabia!!!"

Galvão Bueno: "Eu sabia, eu sabia!!!"
2/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

No GP do Japão de 1991, em que conquistou seu terceiro título, o brasileiro entregou a vitória para seu companheiro austríaco Gerhard Berger, para loucura de Galvão

Galvão Bueno: "Nelson Piquet veio por fora, veio de laaado na frente de Ayrton Senna”

Galvão Bueno: "Nelson Piquet veio por fora, veio de laaado na frente de Ayrton Senna”
3/20

Foto de: LAT Images

No GP da Hungria de 1986, a memorável ultrapassagem de Piquet sobre Senna, por fora, foi narrada de forma eufórica por Galvão

Galvão Bueno: "Andretti já foi embora, quando é que ele vai estrear?"

Galvão Bueno: "Andretti já foi embora, quando é que ele vai estrear?"
4/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

Verbalizada no GP da Europa de 1993, a cornetada foi para Michael Andretti, então companheiro de Senna. Enquanto o brasileiro brilhou, o norte-americano abandonou outra vez, dando sequência à má fase na F1. Andretti nem terminou a temporada

Galvão Bueno: "Vibre mesmo, Rubinho! Soque o ar, solta o cinto, bate no cinto, levanta do carro, faz o que você quiser"

Galvão Bueno: "Vibre mesmo, Rubinho! Soque o ar, solta o cinto, bate no cinto, levanta do carro, faz o que você quiser"
5/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

Narração épica da primeira vitória de Rubens Barrichello na F1, a primeira do Brasil em sete anos. Foi no GP da Alemanha de 2000. "Isso, Rubinho! Solta o cinto e levanta do carro! Ergue o seu punho, viva seu momento! Faça rolar suas lágrimas, porque elas são de alegria, mas são também de uma carreira muito sofrida, de muita gente que não acredita, de gente que tem o mau hábito de não respeitar o talento dos outros. Chega o momento de Rubens Barrichello. A vitória é sua, Rubinho!"

Cléber Machado: "Hoje não, hoje não, hoje sim... hoje sim."

Cléber Machado: "Hoje não, hoje não, hoje sim... hoje sim."
6/20

Foto de: LAT Images

"É inacreditável. Olha, é inacreditável. Não há nenhuma necessidade de a Ferrari fazer isso". Foi assim que Cléber Machado definiu o fim do GP da Áustria de 2002. Um ano depois de a escuderia pedir para Barrichello entregar uma vitória ao alemão Michael Schumacher, que brigava pelo título em 2001, nova ordem obrigou o brasileiro a abdicar do triunfo de forma lamentável em 2002, quando Schumacher liderava com folga. Triste e inesquecível

Galvão Bueno: "Rrrrrubens Barrichello do Brasil!"

Galvão Bueno: "Rrrrrubens Barrichello do Brasil!"
7/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

O ocorrido na Áustria não apagou a marca registrada em homenagem a Rubinho, responsável pela última vitória brasileira na F1, na Itália, em 2009

Galvão Bueno: "Ai ai ai ai ai ai!

Galvão Bueno: "Ai ai ai ai ai ai!
8/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

No GP da Hungria de 2010, Schumacher tentou evitar ultrapassagem do brasileiro espremendo-o no muro. Mas Rubinho levou a melhor na batalha entre ex-companheiros de Ferrari. "O muro acabou na hora certa, gente, ele ia bater no muro. E olha que o Schumacher jogou ele na parede, amigo", definiu Galvão

Galvão Bueno: "Olha, com o Schumacher e com o Brundle, eles vão gastar dinheiro"

Galvão Bueno: "Olha, com o Schumacher e com o Brundle, eles vão gastar dinheiro"
9/20

Foto de: LAT Images

Schumacher quebrou no GP do Japão de 1991. Galvão narrou: "Schumacher ficou para trás. Olha lá o Schumacher, a corrida acabando para ele. Fizeram [Benetton] a opção deles. Não quiseram mais o Piquet e o Moreno. Olha, com Schumacher e com Brundle, eles vão gastar dinheiro, viu? Eles vão gastar dinheiro na próxima temporada, porque o que eles [pilotos] batem não é fácil, e o que eles estouram de motor..."

Galvão Bueno: "Felipe! Felipe! Felipe Massa é do Brasil!

Galvão Bueno: "Felipe! Felipe! Felipe Massa é do Brasil!
10/20

Foto de: Charles Coates / Motorsport Images

Mais um clássico de Galvão, desta vez para Massa, último piloto brasileiro na F1

Galvão Bueno: "Cadê o Glock, cadê o Glock, cadê o Glock? E o Glock não aguentou e não resistiu..."

Galvão Bueno: "Cadê o Glock, cadê o Glock, cadê o Glock? E o Glock não aguentou e não resistiu..."
11/20

Foto de: XPB Images

"Hamilton é campeão mundial. Na última curva". Triste e memorável narração no GP do Brasil de 2008, no qual Massa foi campeão por alguns segundos, até que o britânico ultrapassou Timo Glock para conquistar seu 1º título, ainda com a McLaren

Galvão Bueno: "Chegar é uma coisa, passar é outra"

Galvão Bueno: "Chegar é uma coisa, passar é outra"
12/20

Foto de: Reprodução

Mesmo quem não gosta de F1 já deve ter ouvido este clássico

Galvão Bueno: "Aí o piloto virou passageiro"

Galvão Bueno: "Aí o piloto virou passageiro"
13/20

Foto de: XPB Images

Bordão do narrador para situações de chuva forte

Galvão Bueno: "Olha o que faz o piloto!"

Galvão Bueno: "Olha o que faz o piloto!"
14/20

Foto de: XPB Images

Mais um bordão de Galvão para situações de chuva na F1

Luis Roberto: "Gol da Holanda!"

Luis Roberto: "Gol da Holanda!"
15/20

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Max Verstappen venceu o GP da Áustria de forma impressionante neste ano. Depois ultrapassar a Ferrari do alemão Sebastian Vettel, o holandês fez um "gol da Holanda", como definiu Luis Roberto

Sérgio Maurício: "No capricho!"

Sérgio Maurício: "No capricho!"
16/20

Bordão elogioso de Sérgio Maurício (à direita), mais um narrador de automobilismo do Grupo Globo

Téo José: "Não perde mais!"

Téo José: "Não perde mais!"
17/20

Marca registrada do narrador da Fox Sports, que sempre emprega o bordão para decretar o vencedor das corridas

Téo José: "Não p... Perde, perde, perde!"

Téo José: "Não p... Perde, perde, perde!"
18/20

Foto de: KOZ

"Passa Tony, passa Tony, passa Tony, passa Tony, passa Tony. Não perde mais, Tony Kanaan!" Na versão feliz do 'hoje não, hoje sim', Téo José viu Max Papis ter pane seca para delegar ao brasileiro Tony Kanaan sua primeira vitória na Indy, na US 500 de 1999

Luciano do Valle: "Bateu Al Unser! Bateu Al Unser! Emerson vai ganhar! Emerson vai ganhar! O Brasil ganhou!"

Luciano do Valle: "Bateu Al Unser! Bateu Al Unser! Emerson vai ganhar! Emerson vai ganhar! O Brasil ganhou!"
19/20

Foto de: IndyCar Series

"Sabe por quê? Vai dar bandeira amarela, e o Emerson está na frente. Ganhou o Brasil! Ganhou o Brasil! Espetacular! Uma vitória que vai ficar para a história de todos nós!". Foi assim que o saudoso narrador definiu a primeira vitória de Emerson Fittipaldi nas 500 Milhas de Indianápolis, em 1989

Sergio Lago: "Aí está o ronco dos motores, a emoção, a adrenalina já no sangue dos pilotos. Tudo pronto para mais uma etapa...."

Sergio Lago: "Aí está o ronco dos motores, a emoção, a adrenalina já no sangue dos pilotos. Tudo pronto para mais uma etapa...."
20/20

Foto de: Michael L. Levitt LAT Photo USA

O ex-narrador de Speed e Fox Sports tem um jeito característico após o comando de ligar os motores nas provas da NASCAR. Além dele, ficou famoso também o "Bandeira verde!", anunciando o início de cada prova da maior categoria do automobilismo norte-americano.

PODCAST Motorsport.com: Senna é o maior esportista brasileiro após a era Pelé?

 

.

Próximo artigo
Com portões fechados nas primeiras provas, F1 espera ter fãs nos GPs novamente a partir de setembro

Artigo anterior

Com portões fechados nas primeiras provas, F1 espera ter fãs nos GPs novamente a partir de setembro

Próximo artigo

F1 quer experimentar novos formatos em 2020, mas sem manchar esporte

F1 quer experimentar novos formatos em 2020, mas sem manchar esporte
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Ayrton Senna Compre Agora
Autor Carlos Costa