Fórmula E
22 nov
-
22 nov
Evento encerrado
R
ePrix de Santiago
17 jan
-
18 jan
Próximo evento em
39 dias
R
ePrix da Cidade do México
14 fev
-
15 fev
Próximo evento em
67 dias
R
ePrix de Marraquexe
27 fev
-
29 fev
Próximo evento em
80 dias
R
ePrix de Sanya
20 mar
-
21 mar
Próximo evento em
102 dias
R
ePrix de Roma
03 abr
-
04 abr
Próximo evento em
116 dias
R
ePrix de Paris
17 abr
-
18 abr
Próximo evento em
130 dias
R
ePrix de Seul
02 mai
-
03 mai
Próximo evento em
145 dias
R
ePrix de Jacarta
05 jun
-
06 jun
Próximo evento em
179 dias
R
ePrix de Berlim
20 jun
-
21 jun
Próximo evento em
194 dias
R
ePrix de Nova York
10 jul
-
11 jul
Próximo evento em
214 dias
R
ePrix de Londres
25 jul
-
25 jul
Próximo evento em
229 dias

Di Grassi acha que novos carros podem “tirar imprevisibilidade” da F-E

compartilhar
comentários
Di Grassi acha que novos carros podem “tirar imprevisibilidade” da F-E
Por:
, Writer
Co-autor: Alex Kalinauckas
1 de jan de 2019 13:01

Brasileiro crê que provas sem gestão de energia com carro Gen2 podem se tornar monótonas durante esta temporada

Lucas di Grassi acredita que as corridas com os novos carros da Fórmula E, os Gen2, resultarão em uma menor imprevisibilidade nas corridas.

Antonio Felix da Costa, da BMW, venceu a primeira corrida da era Gen2 na F-E saindo da pole na abertura da temporada 2018/19 na Arábia Saudita.

Ele foi ultrapassado durante a corrida pelo carro de Jean-Eric Vergne, da DS Techeetah, mas o atual campeão teve que cumprir uma penalidade de drive-through por exceder o limite máximo de potência permitido.

Os pilotos deram o máximo de seus carros durante toda a corrida, e embora os níveis de energia tenham sido auxiliados por um período de Safety Car, foi sugerido que os carros poderiam ter completado a distância sem gestão de performance mesmo sem essa intervenção.

Di Grassi, que terminou em nono lugar em Ad Diriyah, disse que perder o elemento de gerenciamento de energia nas corridas também pode resultar em ePrixs menos divertidos.

"O que nós tínhamos na Fórmula E era que o gerenciamento de energia desempenhava um papel importante na estratégia da corrida", disse ele ao Motorsport.com.

“Você poderia usar mais energia no começo ou poderia usar mais energia no final. Mas se isso for eliminado, todo mundo faz a mesma coisa. Isso tira a imprevisibilidade da corrida."

Da Costa, no entanto, crê que corridas ‘de pé embaixo’ são o que a F-E deve buscar, não apenas para desafiar os pilotos, mas também para enviar uma mensagem positiva mais ampla sobre veículos elétricos.

"Isso é mais legal, estamos voltando para provas acirradas", disse ele.

“A corrida Ad Diriyah foi praticamente acirrada desde o começo até o fim e não houve troca de carros. Os níveis de concentração, especialmente em uma pista como essa, também têm que ser um pouco mais altos. É assim que deve ser.”

"Queríamos passar a mensagem de que os carros elétricos têm autonomia para fazer uma corrida completa sem precisarem ser trocados."

Reportagem adicional por Andrew van de Burgt

Próximo artigo
Chefe da Audi na F-E elogia modo ataque após estreia na Arábia Saudita

Artigo anterior

Chefe da Audi na F-E elogia modo ataque após estreia na Arábia Saudita

Próximo artigo

Sergey Sirotkin fará teste com Mahindra na Fórmula E

Sergey Sirotkin fará teste com Mahindra na Fórmula E
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E
Pilotos Lucas di Grassi , Antonio Felix da Costa
Autor Graham Keilloh